Guaidó concorda em negociar com Maduro por meio do ‘Acordo de Salvação Nacional’

Por Pachi Valencia

O presidente interino Juan Guaidó propôs na terça-feira um “Acordo de Salvação Nacional” – um processo de negociação com o regime de Nicolás Maduro e a comunidade internacional – para “salvar” a Venezuela e oferecer à ditadura um possível afrouxamento das sanções.

Em um vídeo postado  no Twitter em 11 de maio, Guaidó anunciou a medida e disse que o acordo “deve surgir por meio de um processo de negociação entre as forças democráticas legítimas, o regime e os poderes internacionais” para obter ajuda humanitária. Recuperação econômica e democracia no país.

“A solução para a Venezuela é pressionar por um acordo que nos leve a enfrentar a crise e a realizar eleições livres e justas para salvar o país”, escreveu Guaidó em outro tweet .

“Nosso objetivo é sair da tragédia e reconquistar a democracia. Temos que manter o foco nisso ”, disse. “Nosso adversário hoje é a ditadura brutal que enfrentamos.”

O acordo propõe um calendário de eleições presidenciais, parlamentares, regionais e municipais livres com observação internacional; receber ajuda humanitária e vacinas contra COVID; a libertação de presos políticos e garantias democráticas para todos – inclusive, disse Guaidó, para os atores políticos do regime; e “oferecer incentivos ao regime”, incluindo o aliviamento das sanções “condicionadas ao cumprimento” do acordo.

“Devo ser muito claro: ninguém confia na ditadura”, acrescentou Guaidó. “Isso só será possível se tivermos uma pressão nacional e internacional maior (…) que inclua (…) garantias para todos e também mecanismos de responsabilização do regime se ele tentar novamente se esquivar de uma solução negociada”.

No final de março de 2020, Guaidó propôs formar um “Governo Nacional de Emergência” para enfrentar a crise na Venezuela causada pelo vírus do PCC (Partido Comunista Chinês) , e pediu aos oficiais e militares que se recusassem a trabalhar com Maduro.

“É uma realidade indiscutível”, disse Guaidó. “Para evitar mortes, precisamos de milhões de dólares de financiamento internacional, que ninguém dará a uma pessoa – Maduro – que não é reconhecida pelo mundo e é acusada de tráfico de drogas e de terrorismo internacional”, acrescentou.

O acordo de Guaidó vem dias depois que a ditadura venezuelana formou em 4 de maio um novo Conselho Nacional Eleitoral  (CNE) com três funcionários ligados ao Chavismo e dois à oposição, e que foi criado meses antes de sua realização, as eleições regionais na Venezuela.

Guaidó, considerado presidente da Venezuela desde 2019 por pelo menos 50 países, rejeitou a votação , alegando que se trata de uma estratégia “para evitar disputar a mudança ou chegar a um acordo abrangente que trate da crise” que o país vive.

“A ditadura de Nicolás Maduro impôs uma presumível nova CNE através de uma instituição ilegítima, sem a participação das forças democráticas legítimas e unitárias, nem com garantias da comunidade internacional”, disse Guaidó em nota.

Maduro, disse Guaidó , tenta “evitar um processo de negociação sério, que tem o respaldo das principais democracias do mundo”. Em seguida, indicou que é necessário “um grande acordo nacional” com seus partidos aliados e o apoio da comunidade internacional para resolver a crise política.

Guaidó havia dito na ocasião que em breve anunciaria a estratégia de seus partidos aliados sobre “a possibilidade de chegar a um acordo por meio de um novo processo de negociação” e da convocação de eleições regionais.

Com informações da EFE e VOA.

Siga Pachi no Twitter: @pachivalencia

Entre para nosso grupo do Telegram.

Veja também:

 
Matérias Relacionadas