Guaidó afirma que Maduro perdoou oponentes para ‘legitimar’ as próximas eleições

Maduro ordenou nesta segunda-feira, por decreto, o perdão de 110 pessoas, 25 delas deputados da oposição que reconhecem Guaidó como presidente interino da Venezuela

Por Agência EFE

O presidente da Venezuela, Juan Guaidó, afirmou nesta segunda-feira que Nicolás Maduro concedeu perdão a 110 deputados da oposição, dirigentes e dirigentes sociais na tentativa de “legitimar” as eleições parlamentares de 6 de dezembro próximo, fato que a maioria da oposição considera como uma “farsa”.

“Já aconteceu antes: eles os liberam para tentar legitimar as manobras do momento. E, desta vez, querem legitimar uma farsa. Uma farsa que é derrotada no nível jurídico, político, popular e internacional”, disse Guaidó no Twitter sobre as próximas eleições.

“É uma armadilha e não vamos cair”, acrescentou, reiterando o apelo que fez para boicotar o evento.

Maduro ordenou nesta segunda-feira, por decreto, o perdão de 110 pessoas, 25 delas deputados da oposição que reconhecem Guaidó como presidente interino da Venezuela, além de cinquenta pessoas do governo.

Líderes sociais, sindicalistas, jornalistas e outros atores sociais também são detidos e acusados ​​de vários crimes constantes da lista dos anistiados.

A medida foi anunciada pelo ministro da Informação do regime de Maduro, Jorge Rodríguez, ao ler o decreto na televisão pública VTV.

De acordo com a ONG Foro Penal, que defende muitos dos considerados presos políticos na Venezuela, da lista de 110 indultos desta segunda-feira, “atualmente apenas 50 estão privados de liberdade”, enquanto o resto foi asilado, exílado ou se escondeu.

Rodríguez disse que as libertações começarão assim que o decreto for publicado no Diário Oficial da Venezuela, mas neste mesmo dia vários dos beneficiários foram libertados da prisão, como os deputados Gilber Caro e Renzo Prieto, e o colaborador de Guaidó, Roberto Marrero.

Guaidó disse ainda que estas libertações podem ser traduzidas como a libertação de “reféns”, e que com isso o regime de Maduro “reconheceu uma longa lista de presos políticos e perseguidos”, demonstrou que se trata de uma ditadura e que tem mantido uma perseguição contra o Parlamento, o único poder que não está nas mãos do chavismo.

“Eles nunca deveriam ter passado um único segundo naquele inferno. Nem eles nem seus parentes. Envio nosso abraço às famílias daqueles que foram libertados hoje. Compartilho o sentimento que você e suas famílias têm esta noite”, disse ele.

Apoie nosso jornalismo independente doando um “café” para a equipe.

Veja também:
 
Matérias Relacionadas