Grupo terrorista dissidente da Al Qaeda paga salário para jihadistas

O grupo terrorista dissidente da Al Qaeda funciona de forma organizada, liderada por Abu Bakr al Baghdadi junto de uma espécie de gabinete. O Estado Islâmico do Iraque e do Levante (EIIL) teria cerca de 25 mil integrantes leais, cada um deles com uma função específica e um salário mensal, segundo informou o jornal britânico Daily Telegraph.

Informações sobre a estrutura do grupo foram encontradas em cartões de memória achados na casa de um de seus integrantes, morto em uma operação militar no Iraque. Segundo o analista de segurança Hisham al Hashimi, que teve acesso aos documentos, cada membro da organização tem uma tarefa a desempenhar e recebe entre 300 e 2.000 dólares por mês (665 a 4.400 reais), dependendo do posto ocupado.

Todos têm como chefe Baghdadi, um comandante em campo de batalha com várias funções, incluindo planejar atentados com carro-bomba contra civis e decapitação de infiéis, sejam xiitas ou sunitas imperfeitos do ponto de vista dos fundamentalistas – na tomada de Mosul, a segunda maior cidade iraquiana, as ruas estavam coalhadas de corpos mutilados.

O controle de Mosul, no mês passado, incluiu os bancos da cidade, e rendeu muito dinheiro para os jihadistas, com a receita do grupo saltando para 1,5 bilhão de dólares, segundo Hashami. Armas e veículos abandonados também ficaram com a organização. Em reportagem recente, o jornal The New York Times ressaltou um problema enfrentado pelos Estados Unidos e seus aliados no combate ao terror.

“A campanha para interromper e desmantelar o financiamento do terrorismo depois do Onze de Setembro, que obteve sucesso e fez Osama bin Laden lamentar a falta de fundos nos cofres da Al Qaeda, deu lugar a uma nova realidade. Os movimentos terroristas inspirados na Al Qaeda aprenderam a arrecadar milhões de dólares localmente, enquanto os conflitos na Síria e no Iraque ressuscitaram as antigas redes de financiamento do terrorismo. Abu Salah, cujo verdadeiro nome é Muafaq Mustafa Mohammed al Karmoush, é o encarregado de gerenciar as finanças do grupo terrorista nas províncias iraquianas. Também há os responsáveis por controlar prisioneiros, cuidar do transporte de homens-bomba para o local dos ataques, administrar operações com explosivos improvisados e até mesmo assessorar a família dos suicidas e dos jihadistas mortos em confrontos, como apontam os documentos citados pelo Telegraph. Segundo o analista de segurança ouvido pelo jornal inglês, as informações indicam que, ao contrário de seus antecessores, que centralizavam o poder, Baghdadi delegou aos seus adjuntos a supervisão de várias ações, mas as peças chave são dois integrantes do grupo jihadista. Abu Ali al Anbari, encarregado das operações na parte do território sírio controlado pelos jihadistas, foi general militar no Iraque sob o regime do ditador Saddam Hussein. O vice do EIIL, Abu Muslim al Turkmani, foi tenente-coronel no centro da inteligência militar do Iraque e também foi oficial das forças especiais.”

“Esses dois homens são a razão por trás da força de Abu Bakr al Baghdadi. Eles são as peças chave que o mantém no poder”, avaliou Hashimi.

Vide Versus

 
Matérias Relacionadas