Grupo ligado a Pequim continua atacando o Falun Gong em Hong Kong

Residente de Hong Kong admite seguir ordens das autoridades chinesas

Por Frank Yue

Cartazes difamatórios da prática espiritual do Falun Gong apareceram em algumas partes de Hong Kong nas últimas semanas . Seguidores locais do Falun Gong acreditam que uma agência com laços diretos com o regime chinês continua a atacar a prática.

O Epoch Times em chinês falou com uma residente local cujo trabalho era colocar pôsteres contra o Falun Gong, e ela admitiu ter recebido ordens diretas das autoridades chinesas. Os legisladores locais levantaram preocupações sobre os recentes incidentes.

Falun Gong, também conhecido como Falun Dafa, é uma antiga prática espiritual chinesa que consiste em exercícios simples e lentos de meditação e ensinamentos morais que incorporam os princípios da verdade, compaixão e tolerância na vida cotidiana. Sua popularidade cresceu durante a década de 1990 e, no final da década, já tinha entre 70 e 100 milhões de seguidores na China , segundo estimativas oficiais da época.

Ameaçado pela popularidade da prática, o Partido Comunista Chinês (PCC) lançou uma campanha de eliminação sistemática em julho de 1999. Desde então, milhões de pessoas foram detidas em prisões, campos de trabalho forçado e outras instalações, e centenas milhares foram torturadas enquanto encarceradas , de acordo com o Centro de Informações do Falun Dafa.

HKYCA continua a assediar os praticantes do Falun Gong

Evidências recentes mostram que a Associação de Assistência à Juventude de Hong Kong (HKYCA), que foi formalmente dissolvida no final de 2020, retomou o assédio ao Falun Gong.

A HKYCA foi registrada como uma sociedade limitada em Hong Kong em junho de 2012. Os registros de seus membros e suas fontes de financiamento indicam que a associação tem vínculos com o Escritório 610 do PCC, de acordo com um relatório emitido pela Organização Mundial para Investigar a Perseguição ao Falun Gong (WOIPFG). O Escritório 610 é uma agência extralegal criada com o único propósito de realizar a perseguição ao Falun Gong. Ele tem poder absoluto em todos os níveis da administração do PCC e sua influência ultrapassa a de todas as outras organizações políticas e judiciais na China.

Desde o seu início, a HKYCA atacou os praticantes do Falun Gong e interferiu em suas atividades no centro de Hong Kong.

Desde 6 de março, uma série de pôsteres, difamando o Falun Gong e seu fundador, foram encontrados perto dos postos de informação do Falun Gong em Mong Kok, Tsim Sha Tsui, Causeway Bay e Wan Chai, de acordo com um praticante local do Falun Gong,  Zhou.

“Esses pôsteres estão cheios de mentiras, eles estão de acordo com a propaganda difamatória do PCC [contra nossa crença], propaganda que foi publicada por mais de 20 anos”, disse Zhou ao Epoch Times em língua chinesa.

O conteúdo dos pôsteres é em caracteres chineses simplificados, o estilo usado principalmente na China continental.

Um homem foi visto tirando pôsteres de um armário de aço pertencente à HKYCA que havia sido amarrado a um píer em Tsim Sha Tsui, de acordo com um praticante local anônimo do Falun Gong.

Ex-membros seniores da HKYCA assediaram seguidores do Falun Gong em suas cabines de informações quase todos os dias, de acordo com a WOIPFG.

Um residente segue as ordens do PCC

Em 25 de março, Zhou e um repórter em língua chinesa do Epoch Times foram a Mong Kok para ver os pôsteres anti-Falun Gong.

Por volta das 15h daquele dia, uma mulher adulta com um suéter azul apareceu no cruzamento da Fa Yuen Street com a Nelson Street e começou a colocar as placas. Ela tinha uma pequena cesta sobre rodas que continha mais de 10 pôsteres. Enquanto isso, um homem de camiseta branca gravava um vídeo da mulher em seu celular.

A mulher trabalhou rapidamente. Quando o trabalho foi concluído, ele caminhou até o próximo local, Argyle Street, e colocou três placas.

Quando a mulher voltou ao carrinho para pegar mais pôsteres, Zhou se aproximou dela e disse-lhe para não publicar materiais que difamavam o Falun Gong. A mulher ficou nervosa e o homem começou a gravar a conversa.

O repórter perguntou à mulher para quem ela trabalhava. Ela respondeu em um dialeto local: “à yé” – à yé é uma maneira particular com que as pessoas de Hong Kong se dirigem ao governo chinês. O termo surgiu antes da transferência de Hong Kong, pelo Reino Unido, para a China, em 1997.

Quando questionado novamente, ela respondeu: “O PCC … O Poder do PCC em Shenzhen.” Mas ela não revelou o departamento específico do PCC que lhe deu ordens diretas.

A mulher disse: “Tenho que enviar [meu vídeo de trabalho] todos os dias. Cada dia”.

O repórter perguntou se ela era um membro do PCC ou um membro local da filial do PCC em Shenzhen. A mulher se recusou a responder à pergunta.

Quando questionada sobre quanto dinheiro estava recebendo para fazer o trabalho, a mulher reagiu negativamente e disse: “Não me pergunte sobre isso! … Eu não uso o dinheiro.” A mulher disse que não produziu os materiais.

O homem se aproximou da mulher e a chamou de “mãe”.

Quando o repórter perguntou se a filial do PCC em Shenzhen era contra o Falun Gong, a mulher admitiu que estava seguindo as ordens do PCC. A mulher desviou o assunto e disse ao repórter para relatar o incidente à polícia se ele considerasse o material ofensivo.

A mulher instalou um total de 18 pôsteres naquele dia; três deles foram amarrados às grades da calçada com cordas.

Nesta foto sem data, um homem puxa pôsteres que mancham o Falun Gong de um armário de aço. O gabinete é propriedade da HKYCA e está localizado em uma doca em Tsim Sha Tsui, em Hong Kong (Fornecido ao Epoch Times)

Membro do Conselho Legislativo pede aos cidadãos que denunciem cartazes difamando o Falun Gong

Após sua visita a Mong Kok em 25 de março, o membro do Conselho Legislativo ( LegCo ), Chu Kong Wai, disse ao Epoch Times que havia recebido reclamações de vizinhos sobre pôsteres denegrindo o Falun Gong. Ele disse que qualquer cidadão pode tirar uma foto deles e denunciá-los à Secretaria de Higiene Alimentar e Ambiental (FEHD).

“O FEHD removerá [os cartazes] sob as regulamentações existentes em Hong Kong”, disse ele.

Chu acredita que o aparecimento dos cartazes em vários lugares é um evento organizado.

O legislador disse que sob a lei de segurança nacional de Hong Kong, seria mais fácil do que nunca para o PCC alvejar politicamente qualquer indivíduo ou grupo. Ele expressou sua preocupação com a supressão da liberdade de expressão na cidade.

A exibição de pôsteres sem supervisão infringe as regras

Lo Chun-Yu, um membro da LegCo no distrito de Tuen Mun, disse ao Epoch Times que ele também notou o ressurgimento de pôsteres anti-Falun Gong nas ruas. Alguns dos conteúdos incitam a violência na comunidade, disse ele.

“Devemos condenar os indivíduos que fazem essas exibições e as organizações que enviam comentários tão maldosos”, enfatizou.

“A HKYCA está usando uma maneira diferente de continuar seu assédio contra o Falun Gong”, disse Lo.

“Em primeiro lugar, a exibição de pôsteres sem supervisão é contra as regras do FEHD; podem afetar o trânsito nas ruas, o que implica riscos criminais ”, disse o legislador.

A política severa do PCC contra o Falun Gong será contraproducente

“Quanto mais severa a repressão do PCC, mais corajosos seremos”, disse Lo. “Acho que nem o Falun Gong nem os ativistas pró-democracia [de Hong Kong] ficariam intimidados.”

Lo também expressou sua admiração pelos praticantes do Falun Gong que suportaram 22 anos de perseguição do PCC.

“[Eu] particularmente aprecio a perseverança dos valores fundamentais no Falun Gong … Estou convencido de que o Falun Gong certamente continuará a trazer luz para a nossa sociedade.”

O praticante do Falun Gong Zhou pediu a todos os residentes que ligassem para o FEHD caso vissem cartazes anti-Falun Gong.

“Por favor, ajudem a parar  o PCC de espalhar veneno entre os cidadãos de Hong Kong”, disse ele.

 
Matérias Relacionadas