Grupo de Direitos dos EUA convoca ONU para lidar com extração forçada de órgãos da China

Por Frank Fang

O grupo de defesa dos EUA, Médicos Contra a Colheita Forçada de Órgãos (DAFOH), está convocando as Nações Unidas a tomar medidas contra a prática sancionada pelo regime comunista chinês de matar prisioneiros de consciência para fornecer órgãos para seu lucrativo mercado de transplantes.

“O fracasso das Nações Unidas em abordar e investigar exaustivamente a extração forçada de órgãos de pessoas vivas na China é uma omissão inaceitável que precisa ser resolvida”, disse o Dr. Torsten Trey, fundador e diretor executivo da DAFOH, em 23 de setembro comunicado à imprensa (pdf).

A 76ª sessão da Assembleia Geral da ONU começou em 17 de setembro na cidade de Nova Iorque, quando os líderes mundiais e ministros das Relações Exteriores se reuniram para discutir questões como mudança climática e a pandemia COVID-19.

DAFOH afirmou que a prática horrível da China deve estar na agenda do organismo mundial. Também exortou os participantes da cúpula da ONU a “tratar esta questão como qualquer outro crime contra a humanidade”.

“Depois de mais de duas décadas de extração forçada de órgãos de praticantes do Falun Gong vivos e outros prisioneiros de consciência, DAFOH acredita que a ONU falhou em assumir a liderança no combate a esses crimes contra a humanidade”, de acordo com o comunicado à imprensa.

A China é um dos principais destinos para quem precisa de órgãos vitais, já que sua indústria de transplantes apresenta um tempo de espera extraordinariamente curto. Para explicar tal fenômeno, o regime comunista afirmou que há muitos doadores voluntários na China, enquanto os locais têm uma baixa demanda por órgãos para transplante. Pequim também disse que depende de seu sistema nacional de doação de órgãos para obter órgãos.

Em 2019, surgiram evidências de que Pequim estava matando pessoas inocentes para impulsionar seu mercado de transplantes. Naquele ano, um tribunal popular com sede em Londres publicou um relatório concluindo que a extração forçada de órgãos estava acontecendo em uma “escala significativa” na China, com os praticantes do Falun Gong sendo a principal fonte de órgãos.

Os adeptos do Falun Gong, uma prática espiritual também conhecida como Falun Dafa, têm sido alvos de perseguição pelo regime chinês desde 1999. Vários anos depois, o regime chinês supostamente começou a colher órgãos de adeptos do Falun Gong detidos.

Os dados públicos de transplantes da China também foram desmascarados, de acordo com um relatório de 2016 de David Matas, advogado de direitos humanos; David Kilgour, ex-secretário de Estado canadense para a Ásia-Pacífico; e Ethan Gutmann, um jornalista investigativo dos EUA. O relatório estima que Pequim realiza entre 60.000 e 100.000 transplantes de órgãos por ano, contra 10.000 reivindicados por Pequim.

O relatório concluiu que a maioria dos órgãos veio de adeptos do Falun Gong, enquanto o restante se originou de outros prisioneiros de consciência – cristãos domésticos, muçulmanos uigures e tibetanos.

“Dada a extensão dos crimes de extração de órgãos na China com um número desconhecido de vítimas e a natureza do crime em si, um assassinato comercializado para transplantes, condenar essa prática desumana continua sendo uma tarefa não cumprida para a maior organização do mundo”, acrescentou Trey.

As Nações Unidas, o Escritório do Porta-voz do Secretário-Geral das Nações Unidas e o Alto Comissariado das Nações Unidas para os Direitos Humanos (OHCHR) não responderam imediatamente aos pedidos de comentários.

Em junho, os relatores especiais do OHCHR e vários outros especialistas em direitos humanos disseram que estavam “extremamente alarmados com relatos de alegadas ‘extração de órgãos’ visando minorias, incluindo praticantes do Falun Gong, uigures, tibetanos, muçulmanos e cristãos, detidos na China.”

Eles apelaram à China para “responder prontamente às alegações de‘ extração de órgãos ’e permitir o monitoramento independente por mecanismos internacionais de direitos humanos”.

A extração forçada de órgãos da China está agora sendo discutida na Cúpula Mundial sobre Combate e Prevenção da Extração Forçada de Órgãos, que começou em 17 de setembro e foi retomada em 24 de setembro, terminando em 26 de setembro. DAFOH é uma das cinco ONGs que patrocinam o evento online.

 

Entre para nosso canal do Telegram

Siga o Epoch Times no Gettr

Veja também:

 
Matérias Relacionadas