Gravações comprovam fraude de R$ 2 bi na Funcef

A revista ISTOÉ conseguiu documentos e áudios que mostram como diretores do fundo de pensão da Caixa, forçados por dirigentes petistas, entre eles o ex-tesoureiro João Vaccari, autorizaram aplicações que prejudicaram a instituição e deram benefícios aos aliados e a OAS de Léo Pinheiro, envolvida no esquema do Petrolão.

Aparelhados pelos partidos políticos durante a gestão petista, os fundos de pensão das estatais e empresas federais se tornaram alvo de uma grande investigação da Procuradoria do Distrito Federal sobre roubo de recursos que trouxeram prejuízos aos aposentados no valor de R$ 8 bilhões.

Tudo isso faz parte da Operação Greenfield, que cumpriu, no último dia 5, um total de 28 mandados de condução coercitiva, sete de prisões temporárias e 106 de buscas e apreensão.

As gravações obtidas pela revista ISTOÉ estão relacionadas a reuniões de diretores da Funcef – órgão responsável pela administração da previdência complementar da Caixa, o qual dirigido por executivos indicados e ligados ao PT, causando um prejuízo de ao menos R$ 2 bilhões.

Leia também:
TCU propõe bloquear bens de Dilma Rousseff
Horário livre para crianças e adolescentes é banido da televisão

O material reunido denuncia o descaso completo com os recursos dos aposentados e revela uma inequívoca manipulação de dirigentes da Funcef com o objetivo de favorecer acordos políticos.

Para a PF, há claras indicações de que o ex-tesoureiro petista João Vaccari Neto, atualmente preso pela Lava Jato, seja a principal figura atrás das operações fraudulentas gerenciadas pela cúpula da Funcef. As suposições também incidem sobre o ex-ministro da Casa Civil de Dilma, Jaques Wagner.

Um dos beneficiados pelo esquema, de acordo com as investigações, foi o ex-presidente da OAS, Léo Pinheiro, vinculado ao PT, a Lula e a Jaques Wagner.

 
Matérias Relacionadas