Grandes planos da China para governar o mundo

Uma das principais razões pelas quais a China está posicionada para a dominação digital é porque os Estados Unidos permitiram que isso acontecesse

Por James Gorrie

Conhecimento, como diz a máxima, é poder. Na era digital, o conhecimento é armazenado como dados na Web e na nuvem e transferido via infraestrutura de rede. Como líder mundial em tecnologia digital e roubo de tecnologia digital, o objetivo da China é ser o guardião mundial de todos os dados e o líder do ciberespaço. Em suma, o objetivo da China é dominar o mundo.

Controlar dados e seu ambiente é uma grande parte desse cenário. E todos os dias, eles estão chegando mais perto de alcançar esse objetivo.

Soberania cibernética via internet nacional

Em relação à conquista do controle global do ciberespaço, uma parte fundamental desse plano pode ser encontrada em seu objetivo de “soberania cibernética”. A soberania cibernética é essencialmente uma “internet nacional”. A internet nacional chinesa é aquela em que todas as informações são mantidas e controladas pelo Partido Comunista Chinês (PCC). Isto é conseguido através da Administração do Ciberespaço da China, uma agência governamental fundada em 2014.

O objetivo é ter um controle rigoroso sobre quais informações chegam à China pela Internet. As consequências mínimas de qualquer site que hospede discussões ou referências à história, militares, relações internacionais e outros conteúdos potencialmente ameaçadores são bloqueados. Outras punições mais rigorosas também são possíveis.

A fim de reforçar a internet nacional, a China determina que empresas estrangeiras bloqueiem redes privadas virtuais (VPNs) que possam ser usadas para contornar a censura oficial. Criptografia e outras formas de proteção de privacidade são proibidas. Isso inclui as maiores empresas de tecnologia e internet do mundo, incluindo Google e Apple.

Além disso, todas as empresas privadas que operam na China devem armazenar seus dados na China e torná-los acessíveis às autoridades. Empresas ou indivíduos dentro da China que violam essas políticas são punidos de diversas formas, desde multas até prisão.

Eliminando a confiança na tecnologia estrangeira

O plano da China de governar o ciberespaço no futuro próximo depende muito da eliminação de sua dependência de empresas estrangeiras de tecnologia. Esse é um grande motivo para o programa “Made In China 2025” (MIC2025). No momento, a China ainda depende de empresas estrangeiras para necessidades críticas, como microchips, equipamentos de rede, inovações de processamento e outras tecnologias estratégicas. Como tal, a China é altamente vulnerável a fornecer interrupções.

O recente fechamento do gigante de tecnologia chinês ZTE devido à violação das sanções dos Estados Unidos com o Irã é um excelente exemplo. A dependência da ZTE de microchips feitos nos Estados Unidos permitiu aos Estados Unidos fechar a empresa com apenas uma decisão da administração Trump. A decisão de suspender o fornecimento de microchips necessários, bem como uma multa de US $ 1 bilhão, enviou uma mensagem para a ZTE e seus senhores chineses de que os Estados Unidos estão adotando uma visão muito mais rigorosa do comportamento ilegal da China.

O logotipo da ZTE em um prédio de escritórios em Xangai, China, em 3 de maio de 2018. A gigante de telecomunicações chinesa ZTE disse que suas principais operações haviam “cessado” após a proibição americana de vendas de tecnologia crítica para a empresa em abril de 2018 (Johannes Eisele / AFP / Getty Images)

Isso, é claro, tornou os líderes chineses bem conscientes de suas vulnerabilidades, como se eles já não estivessem. Com o golpe de uma caneta, os Estados Unidos conseguiram fechar efetivamente uma de suas maiores empresas de tecnologia, retendo peças fabricadas nos Estados Unidos e quase eliminando 75.000 empregos. Essa vulnerabilidade é exatamente o que o MIC2025 foi projetada para corrigir. É por isso que a China está direcionando sua própria indústria de microchips com investimento de US$ 150 bilhões para expansão rápida e recursos avançados. A meta é que 40% dos microchips usados na China sejam fabricados na China até 2020 e 60% até 2025.

O lado sombrio do “Made in China 2025”

Mas os planos da China não começam e terminam aí. Os objetivos de longo prazo vão muito além do que o programa MIC2025 proscreve. O plano de 2025 é apenas um passo intermediário. Além de seu objetivo de não confiar ou mesmo usar tecnologia estrangeira, há um lado muito mais sombrio do plano MIC2025.

Os chineses não apenas buscam substituir a tecnologia estrangeira e, principalmente, a infraestrutura de dados e de rede pela tecnologia chinesa fabricada e controlada, mas seu plano é também eliminar completamente os concorrentes estrangeiros. Em outras palavras, eles querem ter o poder de perturbar e influenciar fortemente as economias daqueles países que hoje têm esse poder sobre a China. Para a China, o comércio é visto como um jogo de soma zero que envolve a destruição de concorrentes.

Eles estão a caminho de alcançar a primeira parte do plano. Tornar-se uma superpotência cibernética faz parte do objetivo de longo prazo da China de completar a segunda parte, que também envolveria a China dominando tanto o mundo físico quanto o digital.

China tornando-se uma superpotência cibernética

Uma das principais razões pelas quais a China está posicionada para a dominação digital é porque os Estados Unidos permitiram que isso acontecesse. A América cedeu a liderança cibernética para a China simplesmente recusando-se a comprometer o dinheiro e os recursos para isso. Adicionando combustível a esse fogo, o governo Obama não conseguiu manter o controle da infraestrutura da Internet nas mãos americanas. Mais de 40 anos de liderança tecnológica foram simplesmente entregues aos chineses por Barack Obama.

Enquanto isso, a China direcionou a política nacional para uma posição digital em primeiro lugar. E como observado, o líder chinês Xi Jinping planeja fazer da China o líder indiscutível em tecnologia digital e segurança cibernética. Mas o plano vai muito além da tecnologia e das proezas cibernéticas. Na verdade, é uma abordagem multitrack de guerra contra os Estados Unidos e outras nações no ciberespaço com consequências no mundo real.

Uma nova estratégia geopolítica – guerra cibernética

A guerra cibernética é guerra econômica, política e tecnológica de uma só vez em um campo de batalha – o digital – que afeta todos os outros campos de batalha. Em um mundo que está rapidamente se transformando em tecnologia digital, controlar as trocas globais de dados e informações é uma maneira nova e altamente eficiente de obter vantagem sobre seus adversários. Até agora, a China é a única nação a travar essa guerra de forma deliberada e estratégica. Eles obtiveram enormes vitórias em dados e roubo de tecnologia avançada de empresas privadas, parceiros e até mesmo das redes de defesa dos Estados Unidos.

Mas essas vitórias são apenas o começo. As empresas estatais da China, voltadas para a tecnologia, encontraram casas em centros de tecnologia em todo o mundo, incluindo o Vale do Silício, para obter acesso à tecnologia da informação, veículo remoto, inteligência artificial e computação em nuvem necessárias para atingir suas metas de longo prazo.

A “grande estratégia de poder da rede” de Xi

Enquanto isso, servidores, smartphones e outros hardwares tecnológicos fabricados na China geralmente são projetados para coletar e roubar dados dos usuários simplesmente enviando todos os dados para a China por meio de uma rede fabricada na China. A própria ideia de tal possibilidade é impressionante. E, no entanto, a grande ideia de Xi Jinping é combinar todos esses sistemas juntos em uma estratégia de grande poder.

Essa grande estratégia é simplesmente para a China – isto é, o PCC – se tornar a maior fonte de dados e transações do mundo para controlar o resto do mundo. As tarifas do Presidente Trump fizeram os chineses pensarem duas vezes e as reclamações da Europa certamente foram ouvidas em Pequim, mas será que elas realmente atrasarão certos aspectos do MIC2025 em resposta à Guerra Comercial dos Estados Unidos? Ou eles apenas alterarão o quanto eles divulgam o que estão fazendo?

Dado o seu comportamento anterior, voltando à sua promessa quebrada de abrir seu mercado para o Ocidente em 2000, é provável que a promessa da China de atrasar ou reduzir suas ambições seja, na maioria das vezes, ajustes menores nas bordas. Isso significa que o mundo deve agir para reinar na China. Todas as nações livres do mundo devem decidir que tipo de futuro querem escolher.

Elas lutarão para manter a ordem internacional livre e aberta ou se renderão a um mundo centrado pela China e baseado na opressão e brutalidade do PCC?

James Gorrie é um escritor baseado no Texas. Ele é o autor de “The China Crisis”.

As opiniões expressas neste artigo são os pontos de vista do autor e não refletem necessariamente as opiniões do Epoch Times.

 
Matérias Relacionadas