Grã-Bretanha investiga vazamento de informações confidenciais pela Huawei durante negociações sobre rede 5G

Por Reuters

PEQUIM – A Grã-Bretanha deve chegar ao fundo das investigações sobre o vazamento de discussões confidenciais, durante uma reunião de segurança de alto nível relativa ao papel da Huawei Technologies da China nas cadeias de suprimento da rede 5G, disse o ministro britânico das Finanças, Philip Hammond, em 26 de abril.

A notícia de que o Conselho Nacional de Segurança da Grã-Bretanha, que contou com a presença de ministros e chefes de espionagem, concordou na terça-feira em impedir a Huawei de atuar em qualquer parte da rede 5G do país e restringir seu acesso a elementos não-essenciais.

O vazamento de discussões secretas provocou ira no parlamento e entre a comunidade de inteligência britânica. O funcionário público mais graduado da Grã-Bretanha, Mark Sedwill, lançou um inquérito e escreveu aos ministros que estavam na reunião.

“Meu entendimento de Londres é que uma investigação foi anunciada em vazamentos aparentes da reunião do NSC no início desta semana”, disse Hammond, falando nos bastidores de uma cúpula sobre o “Um Cinturão, Uma Rota” da China (OBOR, também conhecido como Um cinturão, Um Caminho) em Pequim.

“Até onde sei, nunca houve vazamento de uma reunião do Conselho de Segurança Nacional antes e, portanto, acho muito importante que cheguemos ao fundo do que aconteceu aqui”, disse ele à Reuters em uma entrevista coletiva.

O ministro da Cultura britânico, Jeremy Wright, disse na quinta-feira que não pode descartar uma investigação criminal. A maioria dos ministros na reunião do NSC disse que eles não estavam envolvidos, de acordo com relatos da mídia.

Hammond disse que não sabia de qualquer vazamento anterior de uma reunião do NSC.

“Não é sobre a substância do que aparentemente vazou. Não é uma informação que abala a terra. Mas é importante protegermos o princípio de que nada do que acontece nas reuniões do conselho nacional de segurança deva ser repetido fora do recinto”.

Permitir à Huawei um papel reduzido na construção de sua rede 5G coloca a Grã-Bretanha em desacordo com os Estados Unidos, que disseram aos aliados para não usarem sua tecnologia por causa dos temores de que ela poderia ser um veículo para a espionagem chinesa. A Huawei negou o ocorrido categoricamente.

Houve preocupações de que a conclusão do NSC, de acordo com fontes que confirmaram à Reuters, pudesse perturbar outros aliados na rede de compartilhamento de inteligência mais importante do mundo – a aliança Five Eyes dos Estados Unidos, Grã-Bretanha, Austrália, Canadá e Nova Zelândia.

No entanto, ministros britânicos e autoridades de inteligência disseram que qualquer decisão final sobre a 5G não colocaria em risco a infra-estrutura nacional crítica. Ciaran Martin, chefe do centro cibernético da principal agência de espionagem da Grã-Bretanha, a GCHQ, minimizou qualquer ameaça de ruptura na aliança Five Eyes.

Por Ben Blanchard

 
Matérias Relacionadas