Governo da Venezuela proíbe manifestações que possam atrapalhar Constituinte

O governo da Venezuela anunciou nesta quinta-feira (27) que, a partir de amanhã, estão proibidas todas as manifestações públicas, que possam interferir ou impedir a eleição dos membros da Assembleia Nacional Constituinte no domingo. Aqueles que não cumprirem a ordem ficarão sujeitos a sanções penais.

“Estão proibidas em todo o território nacional as reuniões e manifestações públicas, concentrações de pessoas e qualquer ato similar que possam perturbar ou afetar o normal desenvolvimento do processo eleitoral”, afirmou o ministro do Interior, Néstor Reverol, em um discurso transmitido em rede nacional de televisão.

“Quem organize, apoie ou instigue a realização de atividades dirigidas a perturbar a organização e o funcionamento do serviço eleitoral ou da vida social do país será punido com prisão de cinco a dez anos”, acrescentou o ministro.

A Mesa da Unidade Democrática (MUD), grupos de partidos que fazem oposição ao governo, declarou que a manifestação que estava prevista para ocorrer nesta sexta em Caracas será estendida a todo o país.

“O regime anunciou que não pode se manifestar. Responderemos com (a) TOMADA DA VENEZUELA amanhã”, declarou a Mesa da Unidade Democrática (MUD) em sua conta do Twitter.

Em outra mensagem, a coalizão opositora disse que “as ruas da Venezuela são do povo, não da ditadura”, e ressaltou que manifestar-se é um direito consagrado na Constituição.

Leia também:
Farc anunciam criação de partido político
Maduro ameaça prender juízes opositores “um por um”
PCC firma acordo comercial com organização terrorista Hezbollah

 
Matérias Relacionadas