Governo Trump procura instalações para imigrantes ilegais detidos

Porta-voz da Administração para Crianças e Famílias disse que o departamento atualmente conta com uma rede de cerca de 100 abrigos em 14 estados

Por Charlotte Cuthbertson, Epoch Times

O Departamento de Saúde e Serviços Humanos (HHS, na sigla em inglês) está considerando utilizar instalações militares como possíveis locais para acomodar crianças menores que cruzam a fronteira ilegalmente e/ou sozinhas.

Porta-voz do Departamento de Defesa confirmou ontem (16) que o HHS visitará quatro de suas instalações no Texas e Arkansas dentro das próximas duas semanas, para avaliá-las como possíveis abrigos para as crianças.

O porta-voz da Administração para Crianças e Famílias do HHS disse que o departamento atualmente conta com uma rede de cerca de 100 abrigos em 14 estados.

“Em uma base rotineira, as propriedades adicionais e a infraestrutura existente são identificadas e avaliadas por agências federais como potenciais locais para abrigos temporários”, disse o porta-voz em um e-mail.

“A ausência de proteção parental e a perigosa jornada que elas realizam, fazem com que crianças estrangeiras desacompanhadas sejam vulneráveis ao tráfico humano, à exploração e ao abuso”, explicou. “Em alguns casos, gangues violentas como o MS-13 exploram as brechas na legislação norte-americana para trazer membros dessas gangues para os Estados Unidos ou para recrutar crianças estrangeiras desacompanhadas, uma vez que se lhe fornece um patrocinador”.

As visitas ao local coincidiram com o anúncio do Departamento de Justiça feito em 7 de maio. Este informa que agora processará todos aqueles que cruzarem a fronteira ilegalmente.

Os adultos que forem processados ficarão separados de seus filhos até que o caso esteja resolvido.

O Departamento de Segurança Nacional encaminhará os adultos ao Departamento de Justiça para serem processados, enquanto, sob a Lei de Reautorização de Proteção às Vítimas do Tráfico de Pessoas, menores de idade deverão ser entregues ao Departamento de Refugiados e Reassentamento do HHS para custódia temporária.

No passado, as unidades familiares (que consistem de um adulto e pelo menos um filho) eram transferidas pela Patrulha de Fronteira para o Departamento de Imigração e Alfândega (ICE), que era obrigado a libertá-las dentro dos Estados Unidos depois de transcorridos 20 dias, conforme o Acordo de Flores. Essa prática é conhecida como “Prende e Solta”. O tribunal estabelecia então uma data para o tribunal, possivelmente anos no futuro, e o solicitante de asilo frequentemente não comparecia à audiência.

As unidades familiares são o maior grupo de requerentes de asilo que atravessam ilegalmente a fronteira sudoeste. Em abril, dos mais de 38 mil imigrantes ilegais detidos pela Patrulha de Fronteira ao longo da fronteira sudoeste, quase 10 mil eram unidades familiares e outros 4.300 eram menores desacompanhados.

Mais de 90% das unidades familiares e menores não acompanhados vêm dos países centro-americanos da Guatemala, El Salvador e Honduras. A maioria procura asilo, mas depois de anos vivendo nos Estados Unidos e depois de passar pelos tribunais de imigração, apenas 20% são aprovados.

Os Departamentos de Justiça e Segurança Nacional querem julgar os casos localmente na fronteira para que aqueles que não se qualificam ao asilo ou outro tipo de assistência possam ser facilmente deportados. O Departamento de Justiça enviou mais promotores e juízes de imigração para a fronteira.

Vice-diretor do ICE, Tom Homan, fala à mídia no Border Field State Park, em San Diego, ao lado da cerca que separa os EUA do México, em 7 de maio de 2018 (Sophia Fang/Epoch Times)
Vice-diretor do ICE, Tom Homan, fala à mídia no Border Field State Park, em San Diego, ao lado da cerca que separa os EUA do México, em 7 de maio de 2018 (Sophia Fang/Epoch Times)

Tom Homan, vice-diretor do Departamento de Imigração e Alfândega, disse que a política de separar famílias sempre existiu sob duas condições.

“Uma delas é quando não podemos estabelecer quem é o pai e, portanto, se essa criança está sendo traficada. As crianças são abusadas por quadrilhas de contrabandistas estrangeiros (temos numerosos casos registrados), por isso precisamos nos certificar de que a pessoa que diz ser pai é um dos pais”, disse ele em 7 de maio, na fronteira em San Diego.

“Temos informações de que as quadrilhas de contrabandistas estrangeiros estão disponibilizando essas crianças para adultos solteiros para que estes possam vir e reivindicar ser uma unidade familiar e não serem detidas”.

Homan disse que foi descoberto que as mesmas crianças cruzaram a fronteira várias vezes com diferentes adultos que afirmam ser seus pais.

“O segundo problema é quando os separamos porque alguém está sendo processado. Todas as agências de aplicação das leis neste país separam pais de crianças quando os pais são presos por cometerem um crime”, disse ele.

Como resultado, Homan disse que, sob a nova política de processar todos aqueles que cruzarem a fronteira ilegalmente, mais processos ocorrerão e, portanto, mais separações.

 
Matérias Relacionadas