ARTIGO - Publicado em - Atualizado em 03/12/2013 às 15:07

Governo manipula para baixo taxa de desemprego do Brasil

Cálculo do IBGE não condiz com a realidade do mercado de trabalho brasileiro (Nelson Almeida / AFP / Getty Images)

Cálculo do IBGE não condiz com a realidade do mercado de trabalho brasileiro (Nelson Almeida / AFP / Getty Images)

O Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) situou a atual taxa de desemprego no Brasil em apenas 5,3% em outubro de 2012 e mais recentemente em 5% em outubro de 2013. Ora, por que então os europeus não vêm correndo para cá? Nossa taxa só não é menor que da Suíça (3,1%) e Áustria (4,9%). Porém, além do IBGE, há também o índice do Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (DIEESE) que situa o desemprego no Brasil em 10,5%. Como assim? Há 100% de erro então? Quem está certo?

Ninguém está certo! A taxa de desemprego é ainda pior. A metodologia aplicada pelo IBGE é absurda, sem a menor seriedade e mascara o índice verdadeiro.

Imagine que aquele senhor que entra no vagão do trem e vende bala é considerado empregado, assim como aquele mendigo que veio pedir esmola e você pagou para cortar a grama do seu jardim e/ou quintal. Todos empregadíssimos segundo a metodologia do IBGE. Agora, se você pagar o mendigo com um prato de comida e algumas sobras para ele levar embora, ou trocar um serviço de um desempregado por um favor seu, todos são considerados “Trabalhadores Não Remunerados”, sem remuneração, porém, empregados? Sim, essa é a definição do IBGE.

Outro fato interessante, se um indivíduo desiste de procurar emprego, ele não é considerado desempregado, mas “desalentado”, e isso significa que não entrará no cálculo do índice, logo, não afetará o aumento do desemprego, nem do emprego, mesmo estando desempregado. Entendeu? Não? Melhor, o sujeito desiste de procurar emprego e não é considerado desempregado. Simples assim!

Nessa conta dos “desalentados” está uma parte dos beneficiados pelo Programa Bolsa Família (PBF) que estão desempregados e decidiram viver do benefício, ao invés de trabalhar, a maioria dos demais beneficiários em mesma situação estão como “Pessoas Não Economicamente Ativas”. Sim, os beneficiários do PBF não entram na conta do desemprego, mesmo que estejam desempregados, mas se estiverem realmente empregados, logo, entram na conta do emprego. Dois pesos e duas medidas.

Ou seja, a pessoa não possui emprego, não quer mais trabalhar, mas é considerada “desalentada”, não afetando a taxa de desemprego. Ou então, não tenho trabalho, mas não sou desempregado. O Governo conseguiu criar uma nova categoria para substituir o parasitismo. Nessa mesma categoria também entra quem está recebendo seguro-desemprego, pois para o IBGE se está recebendo o seguro, não está desempregado, só “desalentado”, mesmo que não tenha emprego.

Chocado(a)? Calma, pois a situação piora! Não satisfeito em deixar todos esses desempregados de fora do índice de desemprego, o IBGE resolveu que as pessoas que não estavam trabalhando na semana da pesquisa, mas que trabalharam em algum momento nos 358 dias anteriores e estavam dispostas a deixar o desemprego, como “Pessoas Marginalmente Ligadas à PEA (População Economicamente Ativa)” e as excluiu do índice (alguns beneficiários do Programa Bolsa Família estão alocados aqui também). De novo, estão desempregadas, mas só por que não gostam disso e querem trabalhar, não são consideradas desempregadas.

Por fim, as pessoas que fazem “bicos” e recebem menos de um salário mínimo são consideradas “empregadas”. Por exemplo, o indivíduo substitui um atendente em um posto de gasolina por um final de semana e recebe R$50 por isso. Mesmo ele tendo trabalhado só dois dias no mês e recebido menos de 10% de um salário mínimo, o IBGE o considera “empregado”, olha que beleza.

Notando esse absurdo, o editor e tradutor do Instituto Ludwig von Mises Brasil, Leandro Roque, escreveu o artigo “A real taxa de desemprego no Brasil”, no qual ele pega todo esse povo que está desempregado, mas não entra no índice, e coloca junto aos outros 5,3% que também estão desempregados em outubro de 2012, mas o IBGE não conseguiu fazer mágica para excluir do índice, são eles:

1-     Pessoas desalentadas

2-     Pessoas desocupadas

3-     Pessoas com rendimento/hora menor que o salário mínimo/hora

4-     Pessoas Marginalmente ligadas à PEA

5-     “Trabalhadores” não remunerados

Com todos esses desempregados que ficaram de fora do índice o resultado é assustador, ao invés dos 5,3% do IBGE (outubro/2012) e/ou dos 10,5% do DIEESE no mesmo período, temos impressionantes 20,8% de desempregados no país. Confira o gráfico abaixo montado por Leandro Roque:

Gráfico da taxa real de desemprego (Cortesia/Leandro Roque)

Gráfico da taxa real de desemprego (Cortesia/Leandro Roque)

A mesma metodologia se aplicada hoje variaria entre 20% e 20,5% o índice de desemprego, devido a pouca mobilidade deste em 2013 (de 5,3% para 5% segundo a metodologia desonesta do IBGE). Inclusive, o menor índice desde 2009 foi de 20%, segundo o cálculo de Leandro Roque, efetuado através de todos as variáveis coletadas pelo IBGE desde 2002.

Claro que ao PT e principalmente à Presidente Dilma Rousseff o que interessa é que o índice magicamente fique abaixo da realidade. Mas não adianta, pois o próprio Deputado Federal Jair Bolsonaro (PP-RJ) do qual eu tenho certas “ressalvas”, denuncia a disparidade do índice anunciado pelo Governo através do IBGE e do índice Real (ele errou o cálculo final, mas acertou quando apontou a falha da metodologia do IBGE) e quando informa que os beneficiários do PBF não entram no índice (só esqueceu-se de mencionar que entram, caso estejam empregados apenas, pois toda ajuda na mágica é pouca). Veja abaixo o vídeo:

Há aquelas pessoas que trabalham menos horas por semana que a maioria, mas que por diversos motivos (principalmente a retrógrada legislação trabalhista) mesmo querendo trabalhar mais horas, não consegue. Mas como elas estão trabalhando continuamente, não foram incluídas como desempregadas no cálculo do editor e tradutor do Mises Brasil, Leandro Roque, atitude com a qual eu concordo, pois se estão trabalhando fixamente, mas com carga horária menor, logo, não estão desempregadas(os).

O PT aparelhou o IBGE e, através de “mágicas” e estatísticas mirabolantes, tenta manipular os eleitores brasileiros através de falsos índices, dando a impressão que tudo está “as mil maravilhas”. Mas a verdade só não enxerga quem não quer.

Essa artigo foi originalmente publicado pelo Instituto Liberal

Todo conteúdo deste site está publicado sob a Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-SemDerivados 3.0 Não Adaptada. Para reproduzir a matéria, é necessário apenas dar crédito ao Epoch Times em Português e para o repórter da matéria.
  • Não tem desemprego? Claro tem vaga pra operador de telemarketing onde eles alteram o cadastro pra atendente junior pra pagar um salário menor que de call center no caso na empresa onde eu pedi demissão dia 09 pq não cabia em mim tanta indignação e revolta, o salário era 788,00 isso que teve reajuste em março com total de desconto na media de 180,00 aí eu te digo nunca tive problemas com depressão, aí na dita empresa fiquei doente por conta de stress e depressão meu ultimo salário foi de 495,00 pois tinha o desconto do dia da consulta do psiquiatra pois a empresa não aceitou o atestado, meu aluguel é 500,00 se não fosse meus pais eu passaria fome. Eu moro nunca dependi de ajuda do governo pra nada, o que me revolta é que se a gente quer trabalhar vagas abertas são pra essas senzalas modernas, fico imaginando quem que consegue ter vida digna ganhando 600,00 pagando luz um absurdo, água nem se fala, gás, comida e aluguel. Esse país é uma piada me parece que quem trabalha ganha menos do que os que tem ajuda do governo.

  • julio

    Na verdade os índices de desempregos no Brasil são alarmantes no entanto o governo não deixa transparecer em jornais de tv pois mascara tudo com índices que provavelmente são falsos criados por IBGE

  • Eleomar Nichelle

    Somos todos envolvidos pelo sistema, e quando buscamos participar e uma enquete, e ou mesa redonda, acabamos por distribuir informa’~oes que temos como base que é regional, ou relatos que ouvimos, ou mesmo jornais e revistas que lemos.
    O sistema é muito envolvente, ou você cai na informação que é totalmente contra o plano do governo, ou você cai no grupo dos favorecidos pela maquina governamental. E como fugir disso? como ter clareza nas avaliações e poder de discução?, eu tenho minhas convicções sendo que em muitas concordo com varios comentários já feitos, seja eles a favor ou contra o plano do governo….
    O que penso que nós como brasileiros, teríamos que primeiramente ter uma razão ligada ao nosso pais, e ao nosso povo…se buscassemos nos unir junto aos meios livres de comunicação, como internet, e aplicativos de celulares poderiamos melhorar muito a condição de todos e auxiliar o plano governamental…como? unir se todos a um só propósito;
    Abaixo a corrupção….quando estivermos todos ligados a esse propósito teremos resultados para toda a nação e com ganho de todos os brasileiros. Temos sempre o princípio de pedir coisas ao nosso governo, queremos ruas novas, queremos asfaltos, queremos saneamento, luminação segurança escolas, entre tantas outras…o que político adora? obras!! é daí que sai o valor que financia toda a maquina da robalheira, brasileiros (as), vamos somente criar um movimento para acabar com a corrupção!! apartir desse movimento sobrará dinehrio para todas as necessidades de um desenvolvimento sustentável e duradouro.
    Não sou esquerdista, tão pouco direita…sou brasileiro e quero q a nação seja fortalecida, e para isso não podemos ter cabos de guerra com uma população dividida, temos sim que ter unificação e cobrar dos representantes que elegemos, a melhor administração de nossos recursos.

  • Ailton Junior

    No meu ponto de vista o ibge esta certo, o índice e para avaliar o desemprego, ou seja, desempregado é aquele que esta em busca de emprego e não consegue, se a pessoa não quer trabalhar seja la o motivo que for, ela não deve entrar no índice, pois o índice serve para mostrar se o governo consegue gerar emprego para quem quer trabalhar. quanto as pessoas que vendem balas no metro estão trabalhando sim, e de forma digna, achei preconceituoso o comentário. se uma prostituta não quer trabalhar de carteira assinada mas ganha a vida do jeito dela, é logico que não deve entrar no índice dos desempregados.

  • Plinio Marcos Leal dos Santos

    Para comparar a taxa de desemprego do Brasil com a de outros países, primeiramente vc deve ver a metodologia empregada em outros países. Vc vai se surpreender, mas o IBGE usa um padrão internacional de metodologia, justamente para poder comparar seus dados ao resto do mundo. Pela transparência dos dados do IBGE, o pesquisador conseguiu elaborar outra taxa, entretanto, o fato de considerar que todos que ganham menos q um salario minimo como desempregados é completamente absurdo, pra não dizer ridículo, afinal quem trabalha na informalidade nao tem a garantia de receber salário mínimo.

  • Alex Kozemekin

    Boa tarde a todos, acredito sim neste índice. Sou do ABC, e sim sou empresário ( para muitos, bandido, safado, mercenário, etc ) o que posso dar são dados. Empresa fundada Há 45 anos, em 1990 com 96 funcionários, em 2002, 30 funcionários. Hoje 8, isso mesmo 8 funcionários e se tivesse grana, só 2. Trabalho com injeção de plásticos, e só não baixei as portas pq… …não sei explicar. O que sei é que o Brasil, de Itamar Franco pra cá, está se transformando em uma grande “lojinha” de revenda de produtos chineses. Se os políticos ( não importa o partido ) não acordarem, o Brasil não será capaz de produzir mais nada, e não terá dinheiro para pagar Bolsa miséria para 200 milhões de desempregados /desalentados ou vagabundos mesmo.

  • Marcelo Toledo

    Não precisa ser muito esperto pra ver que a conta não fecha. Eles publicam uma taxa de 5% de desemprego ao mesmo tempo que a Abrangência do Bolsa família é de 25% sendo o salário mínimo de R$700. Eu pediria pro IBGE que ao menos fosse mais criativo nas fraudes impostas pelo PT de modo a não insultar as pessoas alfabetizadas.

  • Fred

    Eu conheço vários estrangeiros que estão migrando pra cá sim.

    • Henrique Ayres Zanon

      Bom, primeiro que eles estão imigrando e não migrando. Segundo que esse efeito foi mais verdadeiro de 2008 à 2010, hoje não mais. Até porque todos os paises estão se recuperando muito bem e atraindo investimentos, menos o Brasil que já entrou em recessão técnica e está à beira de uma crise com demissão em massa. Demissões essas que já começaram, aliás.

  • João Renato Nobrega

    mas mesmo assim há uma redução no desemprego, o mesmo ibge em 2002 constatou cerca de 11% na taxa de desemprego, para fins de comparação ambos os levantamentos devem ter os mesmos padrões.

    quem trabalha de forma “autonoma” não é desempregado, nisso entra diaristas, as pessoas que fazem bicos aos fins de semana, e os free-lancers.

    já um calculo, ou estimativa de trabalhadores com carteira assinada, já é outra coisa, outro levantamento; e olha que mesmo assim causa dúvidas, já que a pessoa pode pagar o inss, se registrando como profissional liberal, mas não trabalhar de fato, apenas garantindo a contribuição para não atrasar a aposentadoria.

  • Andre Nascimento Silva

    Eu jogo bola em um grupo de 20 pessoas. Quatro estão desempregados e dois vivem de bicos. Todos possuem ensino médio completo e alguns até curso superior. Inclusive eu, com tecnólogo em logística, atualmente na segunda faculdade e com três anos de experiência em comercio exterior, mesmo assim não arrumo emprego de forma alguma. Se ta bom pra vocês, que bom muito legal. Aqui não esta muito não!!

  • Leandro Almeida

    Ok, então você está me dizendo que todos os países manipulam os dados de desemprego. Tal metodologia foi sugerida pela OIT, e é usada em grande parte dos países do mundo. Não seja leviano. Uma coisa é discordar do método, e dizer que ele não reflete a realidade. Outra, bem diferente, é induzir as pessoas de que isso é propositalmente feito pelo governo brasileiro para mascarar o desemprego, de forma a fazer as pessoas acreditarem que isso é “obra” do PT, quando na realidade este cálculo começou a ser usado ainda no mandato de FHC, ou seja, do PSDB.

  • Leandro Almeida

    Amigo, você usa dados verdadeiros para criar uma argumentação falsa. Podemos questionar se o índice do IBGE pode ser condizente com a realidade, mas não podemos afirmar que ele foi “maquiado pelo governo” ou que o IBGE “foi aparelhado pelo PT”. Não seja leviano. Essa metodologia é usada no mundo inteiro, pois é a recomendada pela Organização Internacional do Trabalho (OIT). Isso inclui os EUA, a França e praticamente todos os 193 países do mundo. Além disso, esse método é usado desde os anos 1990, incluindo o período de governo FHC. Dizer que “o PT está maquiando os números” é mentira, e isso acaba desqualificando e pondo em xeque outras coisas que você diga aqui. É difícil acreditar na idoneidade dos argumentos de quem mente em prol de uma campanha política.

  • ZzXx

    Usuarios do Bolsa Familia PARASITAS NOJENTOS

    • mark

      Tu não é pobre né nojento?

      • Guest

        Não, por isso que eu tenho que pagar impostos absurdos para sustentar esses inúteis se reproduzirem e criarem mais petistas.

      • ZzXx

        Não, por isso que eu tenho que pagar impostos abusivos para sustentar essa cambada de vagabundo que só faz filho, petralhas de merda.

  • Maico Maia

    galera o negocio é o seguinte e obvio que o nosso sistema jamais vai criar algum tipo de sentimento que seja desfavoravel a ele des de sempre foi assim fiz um trabalho missionário no AM e morei com muitos norte americanos e quer saber qualquer trabalho o mais simples possivel dava par acomprar um civic ou corolla ir tirar férias roupas de qualidade o salário minimo la é suficiente para ter uma vida de classe a aqui é dificil mas enquanto a nata estiver financiando nossos politicos ops nata ou escória financiando nossos politicos viveremos nessa tirania que até protestar está quase proibido.

  • Jonatas Franklin

    EXISTE DESEMPREGO MEU CARO PORQUE NÃO EXISTE PESSOAS QUALIFICADAS E NÃO EXISTE PESSOAS QUALIFICADAS PORQUE NÃO TEMOS UMA EDUCAÇÃO DE QUALIDADE, EXISTE INÚMEROS PROGRAMAS DO GOVERNO FEDERAL PARA PROFISSIONALIZAR POREM O GOVERNO ESQUECE DA EDUCAÇÃO BÁSICA E NÃO VÊ QUE SEM ELA NÃO SE CHEGA A SUPERIOR, TÉCNICA E SEQUER A PROFISSIONALIZANTE, SUA CIDADE PODE ATÉ TER EMPREGO POREM PODE NÃO TER GENTE QUALIFICADA PARA OCUPAR AS VAGAS QUE EXISTEM.

    • Daniel Hyuga

      Sem contar que o problema das escolas é estrutural! Há uma completa falta de organização entre professores concursados, contratos temporários e direção. As escolas públicas, por mais que tenham equipamento e pessoal, não tem um ensino de qualidade como a das particulares. E ainda temos o problema cultural, onde poucas crianças se veem realmente motivadas ou pressionadas a estudar, pois é tudo muito fácil. Acho que a educação resolve violência, economia, desemprego, política, tudo. O Brasil ainda é, infelizmente, um país burro. Devíamos seguir o exemplo grandioso da China, que depois de fazer sua economia crescer absurdamente começaram a investir em educação para modernizar o país, em menos de 4 anos o número de estudantes na China duplicou, e o desenvolvimento técnologico avançou bastante, a exemplo a engenharia aero espacial chinesa que está superando a da Rússia.

  • Túlio

    1º, se a pessoa não procura trabalho(as vezes porque não quer trabalhar), não pode ser considerada desempregada;
    2º, trabalhador informal não pode ser considerado desempregado e;

    4º, o IBGE faz a análise de quem é assalariado, informal, faixa de renda …
    5º, o Brasil está em pleno emprego.

    .

  • martinsgod

    What are the basic concepts of employment and unemployment?
    The basic concepts involved in identifying the employed and unemployed are quite simple:
    People with jobs are employed.
    People who are jobless, looking for a job, and available for work are unemployed.
    The labor force is made up of the employed and the unemployed.
    People who are neither employed nor unemployed are not in the labor force.
    The survey excludes people living in institutions (for example, a correctional institution or a residential nursing or mental health care
    facility) and those on active duty in the Armed Forces.
    Fonte: US Department of Labor – Bureau of Labor Statistics.
    É assim que eles calculam. É assim que nós calculamos.

  • Thyago

    O que vejo abaixo são picainhas atrás de picainhas. Não há discussões metodológicas, nem apontamentos econômicos. É triste ver que um conteúdo compartilhado tão rico em debate acabou virando briguinha pseudo-ideológica.

  • Márcia

    Nessas eleições, obviamente, o governo vai exibir os dados do emprego como trunfo. Muitas críticas podem e devem ser feitas ao governo do PT, mas não é tão fácil atacar as conquistas no mercado de trabalho nesses útimos 10 anos. Dá para achar brecha para crítica? Claro que dá! Mas esse texto tenta politizar uma questão técnica de forma simplória. Soa como argumento embasado, mas não é. Dizer que o governo manipula para baixo a taxa de desemprego por meio da metodologia da Pesquisa Mensal de Emprego, que o PT aparelhou o IBGE e que usa mágica e estatísticas mirabolantes é ignorar que o Brasil segue o padrão de cálculo internacional recomendado pela Organização Internacional do Trabalho (OIT).

    Será que o cara faz isso por ignorância ou má fé? Talvez um pouco dos dois?

    Uma das críticas do texto é de que uma pessoa que faz um bico de uma hora na semana anterior à pesquisa é considerada ocupada, ainda que não tenha tido nenhum outro trabalho além dessa mísera uma hora. Quem se informa por manchetes nunca soube disso e se sente agora surpreso e enganado! A pessoa que escreveu o texto não tem dúvidas sobre como interpretar o fato:

    “A metodologia aplicada pelo IBGE é absurda, sem a menor seriedade e mascara o índice verdadeiro.”

    Obra do PT? Não, essa é a regra de cálculo da OIT para permitir comparações internacionais. A OIT explica que mede dessa maneira para distinguir as pessoas que conseguiram alguma (ainda que mínima!!!) ocupação daquelas com ZERO trabalho. Eu não gosto dessa definição. É mais uma daquelas tentativas de impor a ‘one size fits all approach’, sem espaço para as particularidades de cada país.

    Mas aí se o Brasil adotasse a sua própria fórmula de cálculo, os críticos diriam: Brasil ignora padrão internacional com medida de desemprego ‘tupiniquim’. Para quem não acredita que isso é ‘obra’ da OIT e não do PT, mais detalhes neste link:

    http://www.ilo.org/wcmsp5/groups/public/—dgreports/—stat/documents/publication/wcms_088394.pdf

    Indo ao parágrafo exato que trata disso no texto em inglês:

    (a) paid employment:

    (a1) at work: persons who, during the reference period, performed some work (i.e. at least one

    hour) for wage or salary, in cash or in kind;

    As outras críticas no texto seguem padrão semelhante. Culpam o governo por uma metodologia que não foi criada pelo IBGE e que é usada no mundo inteiro!

    Se a pessoa quiser ter uma compreensão ampla do mercado de trabalho, não deve se restringir à leitura da Pesquisa Mensal de Emprego (e muito menos a textos de fulanos que se propõe a fazer análises críticas de quinta categoria como esta!).

    A tal PME do IBGE, que é o foco da crítica no texto, mede a procura por emprego em apenas SEIS regiões metropolitanas do país! Para ter uma visão mais abrangente (se, de fato, é isso que a pessoa busca, claro), é bom acompanhar outros dados disponíveis como os da PNAD contínua, por exemplo, que é muito mais ampla geograficamente. Há também os dados do Ministério do Trabalho sobre emprego com carteira assinada, o emprego no seu sentido mais tradicional. Pode ver também os dados do Dieese, mas, em vez de surpreender com perguntas como a proposta pelo texto (“Como assim? Há 100% de erro então?”), deve entender que a metodologia do departamento intersindical é abertamente outra. Deve também, obviamente, contrastar sua realidade com as estatísticas.

    Quanto mais informação a pessoa tiver, mais trabalhosa será a tarefa de fazer afirmações contundentes (tanto para elogiar quanto para criticar!). E talvez a pessoa não esteja buscando esse entrave a suas vociferações…

    • Patricia

      Pode ser sim regra da OIT, mas, em outros países existe tantos beneficiários de “bolsas” como em nosso pais???
      É só colocar no papel a proporcionalidade de pessoas que se beneficiam desse “assistencialismo” e contam-se como empregados. Pronto lá se foram grandes percentuais de empregados,

  • Jean Araújo Pinheiro

    Uma atitude dos amantes da terrorista que eu aprecio é a devoção ao desgoverno dela. Parabéns a todos! Com esse comentário, eu sei, que serei execrado e marginalizado por todos vocês, o que é normal. Todavia, quer vocês admitam ou não, essa conta fajuta é feito por todo governo ditatorial em qualquer parte do planeta desde da época da URSS, dos assassinos Vladimir Ilitch Lenin e Josef Vissarionovitch Stalin. Outra coisa a inflação ultrapassou o teto da meta. Essa equipe econômica da guerrilheira é incompetente. Não se preocupem a inflação aumentará, até mesmo porque o intervencionismo com sua mania de economia planifica já é uma realidade. Abraços a todos.

  • João Fernando

    Mas olha a quantia de petralha choramingando nos comentários!
    Primeiro dizem que tá tudo manipulado, colocando a culpa no PSDB e do ex-presidente FHC pelos métodos do IBGE, pra dizerem que o autor do artigo está mentindo e exigem respeito aos métodos porque o PT acabou com desemprego! Ora, se os métodos estão errados por causa do governo anterior ao PT, pois o PT supostamente acabou com o desemprego, por que não foram alterados pra corresponder com a realidade? E por que estão defendendo o IBGE????
    Vocês esquerdistas (tanto o PSDB quanto o PT) não passam de burros guiados por cenouras, só sendo um asno pra não perceber!

  • João Carlos Dorea.

    Conversa rapaz, vc fala muito e quer induzir a população ao erro. Tem que parar com esse complexo de vira latas rapaz, se oriente.

  • Giovani Brasileiro

    Como o IBGE adaptou a questão das pessoas que recebem o bolsa-família na metodologia da OIT ? Bolsa-família só tem aqui, e houve modificações no formato do cálculo para essa variável entrar na fórmula. A conta não é exatamente a mesma feita em outros países. Informem-se….. “desmanipulem-se”… para o bem do futuro do país.

  • Sergio Rainor

    E a Dilma gasta mais com propaganda que todas as maiores multinacionais. Tudo isso com mentiras como essa taxa de desemprego.

  • joao

    Eu estou desempregado. tá foda.

  • kleber Campos

    Não sei se o IBGE segue ou não a metodologia da OIT. Deveria! O que sei é que é mais fácil acreditar que nossa inflação seja de 6,5% do que nosso desemprego seja de 5%. Em Brasília temos uma média de 7,8 pedintes (em idade economicamente ativa) por sinal de trânsito. Há dois agora morando nos beirais na banca de revistas de nossa superquadra. Talvez devêssemos mudar para Porto Alegre. Parece que a coisa tá boa por lá…

  • Anti-Fascism Press

    Este artigo é completamente furado. Seguindo a maioria dos países, o Brasil usa esse método para auferir taxa de desemprego desde 2002, quando o FHC do PSDB adotou-o, talvez por ver que a taxa de desemprego dele estava alta demais naquela época obscura. Se você recalcular da mesma maneira como você propõe aqueles 12,3% de desempregados do PSDB em dezembro de 2002, vai dar quanto? uns 60%?. Pra bater o PT são vocês que precisam manipular à exaustão. Quero Dilma de novo!

    • Matheus P.

      Meu amigo, taxa baixa de desemprego com inflação descontrolada é fácil, criticar o FHC pela taxa em 2002 é tranquilo, pega agora o país do jeito que o FHC pegou em 1994 e como o seu governinho engana-ignorante pegou em 2002…

      • Anti-fascism Press

        Meu amigo, o FHC (PSDB) pegou o país em ótimas condições em 1995, porque o Itamar deixou o país joinha para o FHC assumir. Depois FHC (PSDB) largou o país em 2002 com desemprego recorde, inflação acumulada em quase 13% e pendurado no FMI. O Lula (PT) é que encarou a bucha. E fez bonito. O PSDB e seus seguidores deviam entrar para o Guiness Book: O maior cinismo do mundo. Quero Dilma de novo!

        • alessandro

          O Itamar deixou o país joinha com uma inflação de 1504% ao ano. Bem joinha mesmo.

        • alessandro

          Média de 1504% de inflaçao anual no governo Itamar, 500 e pouco anual no governo Sarney, 900 e pouco do governo Collor. País tava um caos, meu amigo. PT só consegue fazer o que tá fazendo hoje porque pegou um país mais estruturado, com a economia em situação muito melhor e em crescimento.

        • Matheus P.

          Meu amigo, quem era o ministro do Itamar? Quem foi o responsável pelo Plano Real? Quando você diz Itamar a impressão que passa é que o mesmo era oposição do FHC. Desemprego recorde? Desemprego recorde é estar com 20% de desemprego e divulgar que está em pleno emprego, por mascarar resultados!!! Desculpe Sr. Alienado, mas já fora consultar os métodos utilizados pelo Governo Dilma para divulgar a taxa de desemprego? Quer Dilma de novo? Não, EU QUERO A VOLTA DOS INVESTIMENTOS NO BRASIL PRO BRASIL CRESCER, NÃO DINHEIRO PRA QUEM NÃO SABE COMO GASTAR!!

        • Emanuel Schott

          O Plano Real não foi só a adoção de uma nova moeda, foi uma série de medidas executadas pelo Governo Federal pra contar a inflação. Entre elas, a tão famigerada privatização de várias empresas falidas que só geravam mais gastos aos cofres públicos.

          Só adotar uma nova moeda no governo Itamar não adiantaria de nada, só serviria pra cortar zeros das cédulas e a inflação continuaria galopante.

        • Daniel Hyuga

          Cara, você falou muita bosta. Me pergunto se todo petista é assim, ou se forçam para ser idiotas.

          Itamar e Collor tentaram diminuir a inflação de maneiras extremas que acabaram não dando certo. FHC pegou o bonde andando e conseguiu frear, sendo o governo que salvou a nossa economia. O PT pegou a economia estável e começou a investir no social, ganhando o povo. Mas agora já estrapolou, nossa economia está estagnando, em breve vai ser impossível controlar a inflação, economistas preveem o colapso pra daqui 2 anos se o governo não mudar.

          • Lucas Marinheiro De Lima

            Dois anos é muito, o Brasil começará a colher os frutos de uma politica econômica incompetente e omissa já no ano que vem… Se prepara que vem chumbo grosso por ai.

        • Hyuri Miranda

          O ministro da fazenda de itamar era Fernando Henrrique Cardoso, é melhor voce pesquisar antes de fala algo.

  • ander

    Se o IBGE marcar 10% 15% vcs vão dizer q o PT é causa do desemrpego e esta afundando o país. Como o país vai bem neste quesito vcs dizem q estão manipulando. O IBGE segue a recomendação da OIT, dúvida? entra no site do IBGE e veja. Mas é fácil desmentir a falácia destes argumentos confusos e carregado de raiva contra o governo e programas bolsa familia, q gera muito emprego, afinal pessoas ganhando dineiro vão comprar o q e aonde?? num mercadinho q antes nem existia e por ai vai, como uma bola de neve. Pode ter certeza q o bolsa familia é um dos fatores p economia do país estar se segurando ainda. Ta duvidando ainda das menores taxas da historia? olhe ao seu redor(familia e maigos) e veja quantas pessoas estão desempregadas?

    • Fernando Sluminski

      O governo precisa investir em educação, oferecer um ambiente de negócios e como medida assistencialista, oferecer à aqueles que não obtiveram oportunidades para possuir renda. A essas pessoas deve-se proteger e implementar regras que imponham condições para que essas famílias possam receber o beneficio. No entanto, o “Bolsa família” é um programa de estado que por décadas ausento-se de suas responsabilidades. Bolsa família, não é investimento. É assistencialismo, custeado por todos os contribuintes. O que realmente pode ser considerado investimento, é a implementação de ações que tornem nossas escolas padrão de referência.

    • Aglow

      Você já foi entrevistado pelo IBGE? Eles já foram em minha casa. Se você responder contra os interesses deles ou do PT, está sujeito a tomar porrada!!!

  • Eu entendo seu ponto de vista, apesar de ter certeza de que ele é mais odioso do que preocupação verdadeira com o emprego.
    Na minha cidade Porto Alegre, você sai as ruas e a cada esquina tem uma placa pedindo para deixarem currículos, informando que há vagas, inclusive no caso mais curioso tem uma empresa aqui de Porto que trocou um de seus Banners da fachada por um informando que há vagas. Então se existem vagas, por que existe desemprego?
    Talvez você irá dizer que é por que nossa mão de obra é desqualificada, opinião com a qual eu concordo, porém nesse caso, existem dezenas, talvez milhares de vagas em cursos Tecnico, Superior e Profissionalizante que os programas implantados pelo governo, e aqui na minha cidade SOBRAM vagas, por que o POVO é VAGABUNDO. Governo nenhum tem culpa de governar um País de vagabundos.
    Como o Paulo disse, o IBGE segue normas internacionais, e a pesquisa é realizada da mesma forma que nos Países citados no inicio desse artigo.

    • Fernando Augusto

      Sim, mas você não pode usar a sua cidade como parametro para o Brasil inteiro. Existe centenas de variaveis que podem resultar em um crescimento de emprego na sua cidade e região e, em contra partida, não ter crescimento algum em outros locais.
      Aqui onde eu moro, no ABC da Grande São Paulo, existe sim emprego, mas a maioria são de até 1 salario minimo (os telemarketings estão em alta aqui na região).
      Emprego tem, mas a questão é: São empregos de qualidade?! São empregos que darão um retorno profissional para essas pessoas?!
      De forma alguma estou desmerecendo essa profissão, mas se a questão é melhorar a qualidade… esse não é o ideal.

      • João

        É eles querem pagar uma merreca, que fale 3 idiomas, experiência de 2 anos…

    • Sergio Rainor

      Sou Oficial de Justiça em Porto Alegre, e há muito desemprego aqui. Nas vilas deploráveis que tenho de ir no meu trabalho, a maioria das pessoas não tem empregos. A taxa real de desemprego nesse país é ainda maior que 20,8%.

      • João

        Concordo plenamente com você não é desinteresse do povo, é que o povo já está de saco cheio de procurar emprego e não acha. Ninguém quer dar oportunidade, só para quem tem experiência. Por isso amulecada está tudo usando drogas e alguns partiram para o crime.

    • Marcelo Andryws

      Não!!! Por que o governo criou os vagabundos com o bolsa familia pra quem não precisa e pode trabalhar! Não sou contra a ajuda aos que realmente precisam mas tem muito vagaba ae no meio mamando nas tetas!!!

      • top2g

        Diz o governo que são 5 milhões de desempregados e 50 milhões recebendo bolça família, então tem 45 milhões de empregados recebendo bolça família, pode?

        • Grazisx

          pode. blsa familia é um auxilio pra quem nao é vagabundo tbm.

      • GraziSX

        vc diz que o governo criou vagabundos? naaaaao, eles sempre exitiram 🙂

      • João

        O problema é que não tem emprego para quem não tem experiência. Tá faltando emprego mesmo. E os empresários se aproveitam, reduzem o salário e só contratam quem tem experiência.

    • Eduardo Ubiratan Martins Ferre

      Eu concordo que ultimamente (últimos 12 anos), o pessoal preferiu viver do PBF, mas o ensino básico é péssimo gerando uma cambada de ignorantes… Ai meus camaradas o negócio fica feio

    • Anna

      Escola tem, professores tem, agora não tem os alunos e isso ocorre inclusive na escola pública onde minha mãe da aula. Esta tudo lá.menos o aluno, então sem chororo.

      • Hyuri Miranda

        No meu estado, a chande de voce achar um emprego como engenheiro ou analista é de 1 para 1000, moro no estado do Espirito Santo, e os professores daqui recebem tão pouco que ninguem quer ser, como em varios estados brasileiros.

    • Rocha

      Em qual Porto Alegre tu vive, eu moro na capital do RS e não vejo nada disso.

    • grazisx

      aqui em floripa, no rio onde morei por quase um ano e em SP onde vou de vez em quando tbm sobra!

    • João

      É que também, muitas das vagas pedem 1 ou 2 anos de experiência, e não tem jeito, se a pessoa não tem experiência não consegue. Aí a empresa põe um salário lá em baixo, esperando um profissional com experiência ser demitido para pegar esta vaga com um salário sub-estimado, abaixo do que o profissional acostumava ganhar, e bingo altos lucros para a empresa.

    • João

      Só contratam com experiência. O povo não é vagabundo. Pelo menos eu não. Quando tinha 17 anos procurava emprego e eles diziam só com experiência. Só consegui ser registrado aos 23 anos depois de fazer estágio (perder tempo, e dar o sangue de graça para a empresa sem direitos) por 2 anos. Agora tento sair do meu emprego e trabalhar na área que gosto e estudo. E de novo só escuto: ‘Só com experiência de 1 ou 2 anos.’ Por isso o povo desiste, muitos preferem pegar um cano e sair por aí roubando. Conheço muita gente que trabalha na área mas brasileiro é egoísta até para levar currículo para ajudar. Um único colega que me levou o currículo, eu passei em todos os testes mas a Psicóloga disse que eu não estava no perfil, claro deve ter um parente na fita. Então vou com fé de que um dia vou conseguir.

    • julio

      Muitas empresas dizem estar contratando e isso cria um índice de vagas de emprego, muitas empresas criam falsas expectativas de emprego para ajudar no índice ex: um empresa de metalúrgica tem processo seletivo e diariamente vão a empresa diversas pessoas participar no entanto a empresa nunca contrata ninguém que faça o processo seletivo as vagas sempre são preenchidas por pessoas indicadas de funcionários internos e mesmo assim o processo seletivo sempre está ativa mesmo não a vendo vagas.

  • Lucas Mateus

    Povo quadrado baratas vermelhas do mal. Dizer que pessoas que ganham bolsa família é empregado… só acéfalos como vcs para acreditar nisso.

    • clark

      O projeto ae é outro bicho fedido!!!

  • Paulo

    Nenhum país do mundo considera na PEA- população economicamente ativa , todos esses que o sr. inclui. A metodologia do IBGE segue recomendações da OIT e foi implantada em 2002 durante o governo FHC.

    • ander

      manipulador é autor do texto, escreve algo com fundamentos confusos, lógico que as pessoas contra o governo não leem, nao se informam e nao tem senso crítico ja estao falando m…. e compartilhando esta besteira. Mas é fácil desmascarar isto, é só olhar na sua casa e amigos e ver quantas pessoas que podem trabalhar e estão desempregadas? agora tente lembrar como eles estavam a 12 anos atras.

      • João

        Basta você sair na rua e ver quantos mendigos e pedintes encontramos.É que a sociedade não os vê mesmo…

  • por isso que gosto da Presidente Dilma !

    ” É tudo manipulado…”

  • Giovana Puppo

    Muito bom o seu ponto de vista, acho que o população deveria ver mais o que acontece em volta dela, e tomar uma atitude logo.

    • Thompsona

      Atitude de cú é rola sua analfabeta do zarai.

Leia a diferença. Epoch Times Todos os direitos reservados © 2000-2016