Governo defende imposto sobre grandes fortunas para resolver situação fiscal do Brasil

“Haverá novas medidas para o andar de cima”, foi o que declarou o ministro do Planejamento, Nelson Barbosa, trazendo novamente ao debate o assunto do Imposto sobre Grandes Fortunas (IGF), segundo reportagem da Reuters. Aumentar a receita e distribuir a renda poderia ser conseguido através do imposto, que representa uma velha reivindicação da esquerda no Brasil, principalmente do PT.

Benefícios como seguro-desemprego, abono salarial e pensões por morte tiveram seu acesso reduzido pelo governo no fim de 2014, graças a medidas provisórias baixadas. O imposto sobre fortunas seria uma maneira de equilibrar essas medidas. Dilma Rousseff adotou nova política fiscal, e a implementação dessas medidas é uma das primeiras provas a que deve se submeter. O governo alega que as alterações nos benefícios resultarão em uma economia de até 18 bilhões de reais por ano aos cofres públicos.

Leia também:
Há muito governo na nossa gasolina
Tarifa zero, liberdade zero, injustiça máxima
Confiança do empresário brasileiro atinge pior patamar desde 1999

“Há um consenso (entre os aliados) de que houve má construção política do discurso para as medidas, que as mudanças foram mal comunicadas e que será necessário flexibilizar a proposta original”, disse em entrevista à Reuters um senador do PT nesta quarta (25), com a condição de permanecer anônimo.

As tributações adicionais sobre os mais ricos deverão no mínimo ser discutidas pelo governo, é o que crê a senadora Gleisi Hoffmann (PT-PR). “Mas não sei se teremos governabilidade para aprovar isso aqui (no Congresso)”, disse a senadora, que até o ano passado foi ministra da Casa Civil.

De acordo com levantamento feito pelo portal G1, dos 513 deputados que assumirão a Câmara neste domingo (1º), existe a concordância de ao menos 307 (59,8%) quanto à normatização do imposto sobre grandes fortunas. Foram contrários ao projeto 101 (19,6%). E os que se abstiveram de responder ou não aceitaram fazer a entrevista somam 105 (20,4%).

 
Matérias Relacionadas