Governo Biden ‘não age rápido o suficiente’ para se opor ao PCC, diz Gordon Chang

Por Cathy He, Jan Jekielek

O governo Biden precisa agir com mais urgência para lançar uma campanha abrangente para conter as ameaças do Partido Comunista Chinês ( PCC ), segundo o especialista em questões da  China , Gordon Chang .

No geral, o governo está “se movendo na direção certa ” ,  disse Chang ao programa “American Thought Leaders ” do Epoch Times. “Mas não estamos agindo rápido o suficiente.”

Isso é perigoso, disse Chang, porque “o que a China está fazendo pode derrubar nosso sistema”.

“Não estamos alcançando a postura certa com as ferramentas certas rápido o suficiente”, disse ele.

Depois de mais de três meses do mandato do presidente Joe Biden , muitas políticas anti-China importantes, iniciadas pelo governo Trump , ainda estão “sob revisão”, na terminologia da Casa Branca.

De acordo com Chang, algumas das políticas que Biden promulgou até agora foram “flagrantes” ao lidar com o regime, enquanto outras foram “realmente boas”. Desenvolvimentos positivos incluem sanções dos EUA contra empresas de supercomputação chinesas, disse ele.

Uma medida, que Chang considera errada, é a ação executiva de Biden visando combater o racismo e a xenofobia contra os ásio-americanos durante a pandemia de vírus do PCC (Partido Comunista Chinês ). A medida foi promulgada, em parte, para rejeitar o termo “vírus da China”. O memorando instruiu as agências federais a garantir que a linguagem usada “não exiba ou contribua para o racismo, a xenofobia e a intolerância contra os asiático-americanos e as ilhas do Pacífico”.

Na verdade, a ação de Biden espelhou uma narrativa do PCC que afirmava que o uso do termo “vírus da China” ou “vírus de Wuhan ” aumenta a discriminação e a violência contra as populações chinesas e de etnia chinesa no exterior, disse ele. Essa narrativa se espalhou como parte da tentativa do regime de desviar a atenção de seu acobertamento para o surto inicial, bem como a possibilidade de o vírus ter vazado de um laboratório em Wuhan.

“O presidente dos Estados Unidos não deve repetir o que a China diz, especialmente porque o que a China diz não é correto”, disse Chang. “Então isso parece horrível para mim.”

Chang também condenou a suspensão de Biden de uma ordem executiva de Trump emitida em maio de 2020. A suspensão abriu caminho para que operadoras de rede e concessionárias comprassem equipamentos de países que apresentam riscos de segurança. Em 20 de janeiro, Biden suspendeu a ordem de Trump por 90 dias e pediu ao secretário de energia e ao diretor do Escritório de Administração e Orçamento da Casa Branca para “considerar em conjunto se recomendaria a emissão de uma ordem de substituição”.

“Posso entender que ele queira revisar a política de Trump … mas pelo menos ele deveria ter retirado as proteções ao fazer essa revisão”, disse Chang.

“A China tem investigado nossa infraestrutura crítica”, disse ele. “Eles podiam fazer … na América o que fizeram na capital financeira da Índia no final do ano passado.”

Em fevereiro, uma reportagem do New York Times disse que a queda de energia em Mumbai, Índia, em 12 de outubro de 2020, era parte de uma campanha cibernética chinesa contra a Índia, enquanto os dois países travavam uma feroz batalha na fronteira. Na época, as autoridades locais disseram que a falha foi causada por “problemas técnicos”, mas um ministro indiano disse em março que poderia ter sido resultado de sabotagem cibernética, acrescentando que a interrupção estava sob investigação.

Chang disse que o próprio Biden está predisposto a buscar uma relação de cooperação com o regime chinês, mas foi forçado a adotar uma postura mais dura devido ao comportamento agressivo de Pequim internacionalmente e à rejeição do regime pela opinião pública americana.

“O que está acontecendo é que a China está adotando um comportamento que ninguém pode realmente suportar”, disse ele. “Ele está forçando [Biden] a adotar políticas mais fortes.”

Chang expressou preocupação com a abordagem pessoal de Biden ao regime e seu líder, Xi Jinping .

“Todos sabem que Biden deu muitos presentes aos chineses, mas não pediu nada em troca”, disse ele. “Eu não entendo por que ele fez isso.”

Ele estava particularmente preocupado com “a maneira como [Biden] fala em termos amorosos sobre seus encontros com Xi Jinping”.

“Não sei por que o líder chinês tem um certo feitiço em Biden”, disse Chang.

Biden frequentemente menciona seu longo relacionamento com Xi ao falar sobre o regime chinês. Enquanto Biden era vice-presidente, Xi era o vice-presidente do regime e, portanto, o homólogo de Biden na época. Os dois passaram mais de 24 horas em reuniões privadas e 17.000 milhas viajando juntos durante esse tempo, de acordo com Biden.

Em fevereiro, Biden falou sobre Xi: “Eu o conheço bem. Passamos muito tempo juntos durante os anos em que fui vice-presidente. ”

Infiltração chinesa

Chang alertou sobre os esforços do PCC para se infiltrar na política e na sociedade americana.

“A China simplesmente se infiltrou em nossa sociedade”, disse ele. “Eles se infiltraram no FBI , eles se infiltraram na polícia local, nos governos locais.”

Ele apresentou o exemplo do deputado Eric Swalwell (D-Calif.), Membro do Comitê de Inteligência da Câmara, que anteriormente tinha ligações com um suposto espião do PCC chamado Fang Fang ou Christine Fang.

Um relatório da Axios, divulgado em dezembro de 2020, afirmava que Fang construiu uma extensa rede de contatos com políticos promissores na área da baía de São Francisco, incluindo Swalwell. O relatório diz que Swalwell cortou os laços com ela depois que os investigadores deram a ele uma “intimação de dispensa” e depois que o mesmo forneceu informações sobre o suposto espião ao FBI.

Chang observou que Fang teve o primeiro contato com Swalwell quando era um vereador da cidade de Dublin na Califórnia de 2010 a 2012.

“Isso significa que eles provavelmente estavam apenas tateando Swalwell na espectativa de que um dia ele se tornasse valioso para eles”, disse ele.

“Isso sugere que há mais de um Eric Swalwell. Pode haver dezenas, provavelmente centenas de Swalwells, o que significa que existem dezenas e centenas de Christine Fangs. ”

É hora de começar a eliminar a influência do PCC na sociedade americana, disse Chang.

“Eles se infiltraram no governo, eles se infiltraram na mídia, na academia, nos negócios, em tudo.”

“quando se trata de uma instituição, a China tenta invadi-la.”

Siga Cathy no Twitter: @CathyHe_ET

Siga Jan no Twitter: @JanJekielek

 
Matérias Relacionadas