Gilmar Mendes critica vazamento de informações em processos sigilosos

O ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), Gilmar Mendes, criticou duramente a divulgação indevida da notícia de que a Procuradoria-Geral da República pediu a prisão de membros da cúpula do PMDB. “Não se pode brincar com esse tipo de coisa. Tem-se um processo oculto, pede-se sigilo, mas divulga-se para a imprensa. Isso é algo grave, não se pode cometer esse tipo de coisa. Isso é uma brincadeira com o Supremo. É preciso repudiar isso de maneira muito clara”, disse.

Perguntado sobre quem teria feito a divulgação, o ministro esquivou-se de mencionar responsáveis, porém disse que “quem está fazendo isso está cometendo crime”.

Depois de falar com a imprensa, ouviu-se o ministro conversando sobre o tema, de forma agitada, com outros colegas antes de começar a sessão da segunda turma do Supremo.

Nos documentos, o procurador-geral da República, Rodrigo Janot, requisitou a prisão do presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL), do senador Romero Jucá (PMDB-RR) e do ex-presidente José Sarney (PMDB-AP) por suspeitar que eles agiram para atrapalhar o andamento da Operação Lava Jato.

Leia também:
Janot pede prisão de Renan, Cunha, Jucá e Sarney
Comissão do impeachment aprova cronograma de trabalho
Juízes do Paraná processam jornal que revelou salários acima do teto

Existe também um pedido de prisão do presidente afastado da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), que, no parecer da PGR, ainda que longe do cargo, estaria se intrometendo nos trabalhos da Casa.

O vazamento perturbou outros membros do Supremo, que vislumbraram uma tentativa de forçar o ministro Teori Zavascki, relator da Lava Jato, a tomar uma atitude.

Discretamente, um ministro lembrou do detalhe de que as solicitações ingressaram na Corte há algum tempo e até a presente data não existe um posicionamento sobre eles. De acordo com o que a reportagem do site Diário do Poder descobriu, esses pedidos teriam sido encaminhados ao Supremo há mais de duas semanas.

Durante esse tempo, chegaram ao conhecimento público gravações feitas pelo ex-presidente da Transpetro Sérgio Machado, que envolveu a elite peemedebista na Lava Jato em sua delação premiada.

 
Matérias Relacionadas