Gigantes das mídias sociais perdem reputação e audiência nos EUA

Apenas 15% dos americanos concordaram que o Facebook protege com segurança as informações e dados pessoais de seus clientes

Por Petr Svab

As empresas que dominam o reino das mídias sociais perderam a estima entre os americanos, caindo drasticamente no ranking de reputação das 100 empresas mais visíveis, de acordo com o último lançamento anual do pesquisador Harris / Axios.

Google costumava ser o terceiro na lista de 2016, mas afundou para nº 41 no ranking de 2019. Facebook nunca muito querido pelo público, estreou como nº 31 em 2011 e ainda era nº 51 em 2018. Em seguida, despencou para nº 94 em 2019, conforme indicado em um relatório resumido.

Pela primeira vez, o Twitter apareceu na lista, mas acabou no nº 89.

A lista foi montada usando duas pesquisas. A primeira, em novembro, pediu a mais de 6.100 pessoas para nomear duas empresas com as melhores e piores reputações. Na segunda pesquisa, em janeiro, mais de 18.200 pessoas foram solicitadas a avaliar duas empresas com as quais estão “muito” ou “um tanto” familiares em nove atributos, incluindo confiabilidade, visão, perspectiva de crescimento, valores compartilhados, ética, inovação e qualidade do produto.

“Se uma empresa não está na nossa lista, isso não sugere que ela tenha boa ou má reputação, mas que não atingiu um nível crítico de visibilidade a ser medido”, afirmou o pesquisador no relatório divulgado recentemente.

Crateras do Facebook

O Facebook foi o maior perdedor da lista, prejudicado por escândalos de privacidade de dados, incluindo várias alegações de compartilhamento indevido de dados de usuários com outras empresas.

Apenas 15% dos americanos concordaram que o Facebook protege com segurança as informações e dados pessoais de seus clientes. Com relação ao Google, 37% concordaram.

Viés e privacidade

Google, Facebook e Twitter fizeram seus executivos gritarem em audiências no Congresso em 2018, recebendo calor de ambos os lados do corredor.

Os democratas concentraram-se em grande parte nos problemas das empresas em expurgar de suas plataformas os atores estrangeiros que se intrometiam nas eleições dos Estados Unidos e impediam que os dados dos usuários fossem invadidos ou compartilhados de maneira imprópria.

Os republicanos, incluindo o presidente Donald Trump, acusaram as empresas de preconceito político, já que uma linha de influentes usuários de direita foi expulsa das plataformas. As empresas também vêm expandindo sua censura de conteúdo politicamente incorreto, com destaque para o “discurso do ódio” – uma categoria que até mesmo as próprias empresas reconhecem não estar claramente definida e, alguns especialistas alertam, pode não ser definível.

Luz e sombra na Amazon

A Amazon foi destronada como a empresa mais reputada pela Wegmans, uma cadeia de supermercados da Costa Leste. Foi apenas a segunda vez que a Amazon foi levada para o segundo lugar desde 2013. Os americanos deram boas notas para crescimento, visão, serviços e inovação, mas mais pobres para valores compartilhados e ética, incluindo tratamento de funcionários.

“A América ainda ama suas caixas sorridentes, mas está começando a ficar desconfortável com o alcance e o poder da Amazon”, disse o pesquisador.

Além disso, a pesquisa foi realizada antes do presidente-executivo da Amazon, Jeff Bezos, ter seu casamento aparentemente destruído durante um caso.

O governo é o pior

Muitos entrevistados pareceram desabafar suas frustrações políticas através da pesquisa, atribuindo classificações negativas à Organização Trump, que Trump entregou a seus filhos depois de assumir a presidência, bem como ao próprio governo dos Estados Unidos, que entrou no ranking pela primeira vez, recebendo a pontuação mais baixa.

“Nunca nos importamos que o governo não seja tecnicamente uma empresa. Não está na FORTUNE 500. Mas os americanos acham que o modo como os democratas e os republicanos administram os negócios é o pior de qualquer empresa que possam imaginar”, afirmou o pesquisador. “Em uma base não autorizada, os americanos (progressistas e conservadores) classificaram o Tio Sam Inc. como a empresa menos respeitada e confiável na América”.

Siga Petr no Twitter: @petrsvab

 
Matérias Relacionadas