Gigante chinesa de propriedades afirma que seu funcionário do ano não foi um humano, mas um programa de IA

Humanos virtuais alimentados por IA estão se proliferando na China, substituindo humanos em muitos campos

Por Shawn Lin 

De âncoras de notícias a funcionários de empresa, humanos virtuais movidos a inteligência artificial (IA)  rapidamente assumiram cargos humanos na China.

Em dezembro de 2021, a gigante imobiliária da China, Vanke, afirmou que seu funcionário do ano não era um humano.

De acordo com o The Paper, uma mídia estatal chinesa, a empresa declarou uma cobradora de dívidas movida a inteligência artificial chamada “Cui Xiaopan” como sua funcionária do ano. A funcionária virtual foi criada pela equipe interna da Vanke usando o Xiaoice Framework, um sistema de IA desenvolvido pela Microsoft Asia.

À primeira vista, Cui é retratada como uma bela jovem profissional na casa dos 20 anos que ingressou no departamento de contabilidade da Vanke em fevereiro de 2021 e recebeu o prêmio de Melhor Iniciante da empresa.

“Apoiada por algoritmos sistemáticos, [Cui] ​​aprendeu rapidamente os métodos humanos na descoberta de problemas em dados e procedimentos de trabalho. As habilidades que ela exibiu provaram ser centenas de milhares de vezes mais eficientes que os humanos”, escreveu Yu Liang, presidente do conselho de administração da Vanke, em uma publicação de mídia social no dia 20 de dezembro de 2021, acrescentando que Cui tem 91,44 percentual de sucesso na cobrança de pagamentos em atraso.

Humanos virtuais movidos a IA tornaram-se uma aplicação de tendência nos últimos anos, especialmente no setor financeiro chinês. Desde 2019, pelo menos três bancos na China revelaram seus funcionários virtuais.

Em dezembro de 2021, o Baixin Bank lançou seu primeiro funcionário virtual chamado AIYA e o Jiangnan Rural Commercial Bank lançou seus funcionários digitais VTM. No início de abril de 2019, o Shanghai Pudong Development Bank apresentou seu primeiro funcionário digital com inteligência artificial chamado Xiaopu, capaz de atender seus usuários do banco em diferentes postos.

Influenciadores virtuais baseados em IA

O mercado de influenciadores virtuais está se expandindo rapidamente na China. É impulsionado pelo desenvolvimento acelerado de tecnologias de IA e renderização. Cada vez mais influenciadores estão se tornando virtuais para atender a necessidades específicas.

No dia 31 de outubro de 2021, o dia das Bruxas, uma blogueira de beleza movida a inteligência artificial chamada “Liu Yexi” lançou seu primeiro vídeo, de acordo com a Sohu, uma mídia estatal chinesa.

No vídeo de 2 minutos, Liu estava se maquiando na frente de um espelho enquanto vestia uma roupa tradicional chinesa. O curta-metragem com uma combinação de suspense, enredo e efeitos especiais de pós-produção se tornou um sucesso instantâneo no Douyin– a versão chinesa do TikTok – atraindo 2,3 milhões de seguidores em apenas três dias.

Desde então, a conta Douyin de Liu carregou mais de seis vídeos, com mais de 8,3 milhões de fãs e mais de 20 milhões de curtidas.

Muitas empresas procuram alavancar seus recursos de inteligência artificial no campo do metaverso em rápido crescimento.

Notavelmente, o primeiro “meta-humano” da China, AYAYI, estreou na plataforma chinesa de comércio eletrônico Xiaohongshuin em maio de 2021. O humano digital hiper-realista obteve três milhões de visualizações em sua primeira postagem e 40.000 seguidores da noite para o dia, de acordo com a Dao Insights, uma publicação chinesa de notícias digitais.

Diferente dos ídolos virtuais do passado na China, a aparência de AYAYI é muito mais próxima de um humano real em termos de aparência. Alegadamente, muitos usuários do Xiaohongshu ficaram indecisos se era real ou outro humano criado por IA. A empresa mais tarde saiu com uma declaração apresentando-a como a primeira meta-humana do país, de acordo com a revista That’s Beijing.

Como influenciadora de moda, a AYAYI firmou parcerias de marketing com muitas marcas, incluindo a Porsche, que também é investidora na tecnologia. AYAYI também se tornou a embaixadora digital do Alibaba. A empresa afirmou que construiria em conjunto o futuro do Metaverso com a AYAYI e criaria um novo mundo de marketing.

Além de funcionários e influenciadores virtuais, a Universidade Tsinghua de Pequim também apresentou seu primeiro aluno virtual com inteligência artificial chamado “Hua Zhibing”, em junho de 2021, de acordo com a estatal chinesa Global Times.

As tecnologias de IA e renderização se tornaram tão sofisticadas nos últimos anos que algumas IAs são quase indistinguíveis de humanos reais.

O Sr. Wang, um especialista do setor de TI há 20 anos no Japão, afirmou ao Epoch Times que a inteligência artificial superou em muito os humanos em termos de métodos de cálculo, desempenho e capacidade de aprendizado. Mas o maior problema é que não tem ética, moral ou valores pessoais.

Riscos da IA e questões sociais

Um diretor do Instituto de Tecnologia Avançada de Shenzhen, Song Zhan, declarou à estatal chinesa Xinhua News que o desenvolvimento de humanos virtuais pode trazer novas questões éticas e sociais.

Song pediu ao público que fique atento a avatares falsos e personagens online criados por IA. Ele alertou que as pessoas podem estar excessivamente imersas no mundo virtual e se tornarem dependentes ou até buscar apoio emocional de personagens falsos, levando a problemas sociais generalizados.

Um profissional de TI, Zhang Jian, relatou ao Epoch Times que as tecnologias de IA pareciam estar avançando em uma tendência imparável. Web 3.0 (internet do futuro), realidade virtual (VR) e o Metaverso – “se esses três elementos se combinarem, o mundo futuro seria completamente inimaginável para nós”, afirmou Zhang. “Do jeito que estamos indo, ninguém sabe se haverá um lugar para os humanos no futuro”.

As fronteiras entre o real e o virtual tornaram-se cada vez mais tênues e muitos especialistas estão preocupados. A tecnologia realmente mudou nossas vidas, mas os seres humanos gradualmente se perderão nas tecnologias que criam, acrescentou Zhang.

Controlar o futuro

IA foi inicialmente uma ideia para imitar e aumentar a inteligência humana. No entanto, as tecnologias de IA hoje estão se proliferando rapidamente em todo o mundo. Elas estão substituindo humanos na fabricação, prestação de serviços, recrutamento, comunicações, militares, indústria financeira e outros setores, gerando enormes interesses financeiros, de acordo com a Harvard Business Review.

De acordo com um relatório de 2019 compilado pela Deloitte, uma rede global de serviços profissionais, os especialistas prevêem que o uso da IA ​​em maior escala adicionará até US $15,7 trilhões à economia global até 2030.

Ao mesmo tempo, os desenvolvimentos da IA ​​também criaram disputas geopolíticas. Em uma reunião com estudantes em 2017, o presidente russo Vladimir Putin afirmou que “aquele que se tornar o líder nesta esfera será o governante do mundo”, segundo um relatório da Associated Press.

“Quando os drones de um partido são destruídos pelos drones de outro, não haverá outra escolha a não ser se render”, acrescentou Putin, prevendo que futuras guerras serão travadas por drones.

Nesse mesmo ano, o Partido Comunista Chinês (PCC) incorporou os desenvolvimentos de IA em sua estratégia nacional e estabeleceu metas para se tornar o líder global até 2030.

O relatório da Deloitte mostra que, de 2015 a 2020, a taxa média anual de crescimento composto do mercado global de inteligência artificial foi de 26,2 por cento, enquanto a taxa de crescimento do mercado chinês de IA durante o mesmo período foi de 44,5 por cento. Outro relatório da Deloitte sugere que em 2025 a escala da indústria de inteligência artificial da China excederá US $85 bilhões.

EUA continuam sendo um grande investidor no desenvolvimento da IA na China

O grande salto da China em inteligência artificial é impulsionado pelo capital de grande escala. No entanto, apesar da ameaça emergente, Wall Street continua sendo o maior investidor na indústria chinesa de IA, de acordo com o colunista de finanças e economia de Hong Kong Alexander Liao.

Quase todas as grandes empresas de tecnologia na China continental são apoiadas pelo capital americano. Por exemplo, os gigantes chineses da tecnologia Baidu, Tencent, Alibaba e ByteDance – a empresa mãe do TikTok – foram listados publicamente e fortemente investidos por Wall Street ao longo dos anos. Por sua vez, esses gigantes chineses da tecnologia investem pesadamente em empresas de tecnologia domésticas da China, incluindo startups chinesas de IA.

O investimento direto e o capital de risco de Wall Street trouxeram seu mecanismo de incubação de empresas de alta tecnologia para a China continental, ajudando a China a criar indústrias de alta tecnologia que competem com os Estados Unidos. E, no entanto, é o PCC que controla essas indústrias.

O Centro de Segurança e Tecnologia Emergente (CSET), um think tank dos EUA, estimou que o investimento total em P&D do PCC em inteligência artificial em 2018 foi entre US $2 bilhões e US $8,4 bilhões.

Atualmente, existem cerca de 2.600 empresas de inteligência artificial na China. A maioria está localizada no centro tecnológico do distrito de Haidian, em Pequim, trabalhando em estreita colaboração com a Universidade de Tsinghua, a Universidade de Pequim e a Universidade de Aeronáutica e Astronáutica de Pequim.

Prioridade Estratégica do PCC

O PCC priorizou o desenvolvimento de IA nos últimos anos, tornando-se uma “estratégia de desenvolvimento nacional chave”. Ele ordenou a IA em muitos aspectos da vida comum, não apenas para vigiar e controlar seu povo, mas também para usar sua enorme população para estimular o desenvolvimento.

Para reforçar o rápido desenvolvimento da IA, o PCC emitiu uma série de políticas e regulamentos de apoio, incluindo o “Made in China 2025” e o “13º Plano Quinquenal”.

Em 2017, o Conselho de Estado da China emitiu o “Plano de Desenvolvimento de Inteligência Artificial de Nova Geração”, enfatizando a importância da IA ​​para ajudar o governo a entender e controlar a sociedade.

“A tecnologia de inteligência artificial pode perceber, prever e alertar com precisão as principais tendências da sociedade. [Ela pode] compreender a cognição e as mudanças psicológicas das pessoas e decidir proativamente as respostas. [Esta tecnologia] melhorará significativamente a capacidade e o nível de governança social. É insubstituível para manter efetivamente a estabilidade social”, segundo o plano.

“Isso terá um impacto profundo na gestão governamental, na segurança econômica, na estabilidade social e na governança global.”

Liao afirma que o PCC acredita que a revolução tecnológica emergente – inteligência artificial – pode trazer nova vida ao sistema autoritário, que estava à beira do colapso.

Joyce Liang contribuiu para esta reportagem.

Entre para nosso canal do Telegram

Assista também:

 
Matérias Relacionadas