Gestão Trump diz que EUA erroneamente apoiaram adesão da China à OMC em 2001

Os Estados Unidos apoiaram erroneamente a adesão da China à Organização Mundial do Comércio (OMC) em 2001 durante a presidência de Bill Clinton em termos que não conseguiram forçar Pequim a abrir sua economia, disse a gestão Trump na sexta-feira, 19 de janeiro, quando se prepara para punir o comércio chinês.

“Parece claro que os Estados Unidos erraram ao apoiar a entrada da China na OMC em termos que se revelaram ineficazes para garantir que a China adote um regime comercial aberto e orientado para o mercado”, disse o governo dos Estados Unidos num relatório anual ao Congresso sobre a conformidade a China com os compromissos da OMC.

“Agora está claro que as regras da OMC não são suficientes para restringir o comportamento da China de distorção do mercado”, disse o relatório.

Leia também:
• Democracias começam a reagir à infiltração e subversão do regime chinês
• Finalmente revelado o íntimo mecanismo de espionagem econômica chinesa
• Regime chinês promove Nova Ordem Mundial baseada no ‘Modelo da China’
• Como ciberpirataria e espionagem sustentam crescimento da China

Embora o relatório anual do Escritório do Representante de Comércio dos Estados Unidos tenha levado tempo para se pronunciar sobre as práticas comerciais injustas da China, a primeira revisão desse tipo sob o presidente norte-americano Donald Trump assumiu um tom mais forte contra Pequim.

Isso ocorre em meio ao agravamento das tensões comerciais entre as duas maiores economias do mundo e, à medida que a gestão Trump prepara ações para conter o suposto roubo de propriedade intelectual praticado pela China. Uma decisão sobre uma investigação baseada na chamada “Seção 301” é esperada nas próximas semanas.

O relatório também aponta o comportamento da Rússia, dizendo que Moscou não tinha a intenção de cumprir suas obrigações na OMC, uma tendência que a gestão Trump diz ser “muito preocupante”.

Um funcionário da Casa Branca disse que, apesar das consultas com a China, a nação comunista não conseguiu cumprir suas promessas de avançar para uma economia orientada para o mercado e competir de acordo com as regras comerciais internacionais.

“O presidente e seu principal assessor estão unidos na crença de que este é um problema que durou muito tempo e precisa ser abordado”, disse o funcionário.

“No passado, as conversas se concentraram mais na abertura discreta para produtos discretos, e o que estamos dizendo é que sistematicamente não vamos tolerar uma política ampla que tente promover empresas controladas pelo Estado”, disse o funcionário, falando sob condição de anonimato.

Trump disse à Reuters numa entrevista nesta semana que estava considerando uma grande “multa” contra a China por forçar as empresas americanas a transferirem sua propriedade intelectual para a China como parte do custo de fazer negócios no país.

Enquanto a gestão Trump também está analisando se as importações estrangeiras de aço, alumínio, máquinas de lavar roupa e painéis solares estão prejudicando as empresas dos EUA, o roubo da China de propriedade intelectual é uma preocupação particular para Trump porque afeta uma grande quantidade de empresas americanas, disse o funcionário.

Trump não especificou o que ele quis dizer com uma “multa” contra a China, mas a Lei de Comércio de 1974 que autorizou uma investigação sobre o roubo de propriedade intelectual pela China lhe permite impor tarifas de retaliação sobre os bens chineses ou outras sanções comerciais até que a China altere suas políticas.

Em Pequim, muitos especialistas acreditam que Washington não está disposto a pagar o elevado preço econômico necessário para enfraquecer a dinâmica do comércio entre os dois países.

No relatório divulgado na sexta-feira, o enviado comercial de Trump, Robert Lighthizer, disse que a economia global foi ameaçada por grandes economias que prejudicaram o sistema de comércio global.

“O sistema de comércio global está ameaçado por grandes economias que não pretendem abrir seus mercados para negociar e participar de forma justa”, disse Lighthizer. “Esta prática é incompatível com a abordagem baseada no mercado expressamente prevista pelos membros da OMC e contrária aos princípios fundamentais da OMC.”

A gestão Trump já se comprometeu a transformar o órgão de comércio de 164 membros e bloqueou as nomeações judiciais da OMC numa mudança para conseguir reformas na OMC.

“O que queremos fazer é ver os países se comportarem de forma responsável dentro do sistema de comércio internacional”, disse o funcionário da Casa Branca.

Como o ‘Capitalismo de Estado’ na China está prejudicando tanto o povo chinês quanto seus parceiros comerciais?

Veja abaixo o documentário “Morte pela China: Como os EUA perderam sua base manufatureira” do professor Peter Navarro, atualmente conselheiro do presidente norte-americano Donald Trump, diretor de política de comércio e industrial, e diretor do Conselho Nacional de Comércio da Casa Branca.

Leia também:
• A Doutrina Trump
• Novo relatório do FMI revela dimensão do problema da dívida da China
•  Cortes de impostos e maiores tarifas nos EUA ameaçam moeda da China
• A corrida armamentista do regime chinês para alcançar supremacia naval
• Um panorama da iniciativa “Um Cinturão, Uma Rota” da China
• As rachaduras na economia da China
• Regime chinês faz cerco à indústria de semicondutores dos EUA
• Ciberespionagem e aquisições da China preocupam Canadá, diz ex-ministro da defesa
• Não há legalidade nos negócios com a China, afirma chefe de Associação de Vítimas
• Estratégia de segurança de Trump pode restaurar poder global dos EUA, diz analista da China

 
Matérias Relacionadas