Gerentes da venezuelana PDVSA são presos pelo regime de Maduro acusados de espionagem

Por EFE

Caracas, 2 mar – O regime venezuelano anunciou nesta segunda-feira a prisão de dois gerentes da petrolífera estatal PDVSA, acusando-os de espionagem para os Estados Unidos e de entrega de informações confidenciais e estratégicas sobre a empresa.

Através de um comunicado da comissão Alí Rodríguez Araque, criada há quase duas semanas pelo presidente Nicolás Maduro para reformar a indústria petrolífera venezuelana, foi noticiado que os detidos são Alfredo Chirinos e Aryenis Torrealba, que eram gestores de operações especiais e de operações de petróleo bruto, respectivamente.

“Os dois funcionários são responsáveis pela entrega de informações estratégicas, sensíveis e confidenciais ao Governo dos EUA a fim de atacar a nossa indústria petrolífera através da imposição de sanções unilaterais e ilegais”, diz o texto, que detalha que ambos foram detidos na última sexta.

Os detidos são também acusados de fornecer dados sobre as operações na Venezuela dos parceiros comerciais da PDVSA. Todas essas supostas ações dos dois gerentes foram classificadas na nota como “traição miserável”,

Ao mesmo tempo, a comissão Alí Rodríguez Araque solicita que o gabinete do procurador-geral abra uma investigação para determinar a responsabilidade para que “o peso total da lei” seja aplicado.

Em 19 de fevereiro, Maduro declarou a emergência da PDVSA e nomeou o vice-presidente econômico, Tareck El Aissami, como chefe de uma comissão com poderes incontestáveis para reestruturar o setor.

 
Matérias Relacionadas