George Floyd e Derek Chauvin tiveram encontros tensos enquanto trabalhavam na mesma boate: ex-colega de trabalho

Por Zachary Stieber

George Floyd e o policial que se ajoelhou em seu pescoço por cerca de 9 minutos antes antes que ele falecesse tiveram “momentos tensos” enquanto trabalhavam na mesma boate, segundo um ex-colega de trabalho.

Floyd, 46, e Derek Chauvin, 44, o oficial que foi demitido após a morte de Floyd, trabalharam juntos no clube El Nuevo Rodeo, em Minneapolis.

David Pinney, ex-colega de trabalho, disse à CBS que a tensão entre os dois “tem muito a ver com Derek ter sido extremamente agressivo dentro do clube com alguns dos clientes, o que foi um problema”.

“Eles se estranharam”, disse Pinney, acrescentando que não havia dúvida de que os homens se conheciam. Questionado sobre o quão bem, Pinney respondeu: “Eu diria muito bem”.

Maria Santamaria, dona do clube por quase duas décadas antes de vendê-lo no início deste ano, confirmou no mês passado que Floyd e Chauvin trabalharam juntos.

Flores e mensagens são colocadas no memorial de George Floyd em Minneapolis, Minn. em 9 de junho de 2020 (Brandon Bell / Getty Images)
Flores e mensagens são colocadas no memorial de George Floyd em Minneapolis, Minn. em 9 de junho de 2020 (Brandon Bell / Getty Images)

Chauvin trabalhou como segurança fora do clube por quase 17 anos, disse Santamaria ao apresentador de podcast Jess Fields. Floyd trabalhou por cerca de um ano como segurança em tempo parcial dentro do estabelecimento.

A ex-dona do clube disse que não sabia dizer se os homens se conheciam, observando que havia “pouco relacionamento” entre os guardas de dentro e os que trabalhavam fora.

“Quero garantir que fique claro que, em termos inequívocos, quero sugerir que esses dois se conheciam ou tiveram uma relação de trabalho ou, pelo contrário, que tivessem alguma desavença. Porque eu não acho que seria uma representação justa”, disse Santamaria.

“Eles provavelmente se cruzaram a caminho do meu escritório para serem pagos em algum momento, mas isso não significa que eles se conheceram”, acrescentou mais tarde.

Depois que Pinney se apresentou, Benjamin Crump, advogado que representa a família de Floyd, disse que os comentários do ex-colega de trabalho indicaram que Floyd e Chauvin “tinham problemas”.

O filho de George Floyd, Quincy Mason Floyd (segundo da esquerda) e o advogado da família Ben Crump (esquerda) e outros membros da família visitam o local onde George Floyd morreu em Minneapolis, Minnesota, em 3 de junho de 2020 (Kerem Yucel / AFP via Getty Imagens)
O filho de George Floyd, Quincy Mason Floyd (segundo da esquerda) e o advogado da família Ben Crump (esquerda) e outros membros da família visitam o local onde George Floyd morreu em Minneapolis, Minnesota, em 3 de junho de 2020 (Kerem Yucel / AFP via Getty Imagens)

“Pode ser provado que ele abusou de seu poder, tirou vantagem da situação e ASSASSINOU George, sabendo quem ele era”, acrescentou Crump em comunicado.

Se Chauvin atacasse Floyd com malícia, a acusação contra ele deveria ser elevada ao assassinato em primeiro grau, argumentou o advogado. O ex-policial, que foi demitido em 26 de maio, no dia seguinte à morte de Floyd, também foi acusado de homicídio culposo em terceiro grau.

Chauvin compareceu ao tribunal em 8 de junho e viu sua fiança aumentar de US$ 250.000 para US$ 1,25 milhão sem condições.

Outra opção era a fiança de US $ 1 milhão com condições, incluindo a proibição de contato com a família de Floyd e a renúncia a qualquer licença ou permissão para armas de fogo.

Os outros três homens envolvidos na prisão de Floyd compareceram ao tribunal na semana passada. Eles foram demitidos do Departamento de Polícia de Minneapolis no mesmo dia que Chauvin.

O procurador-geral democrata Keith Ellison, que lidera a investigação da morte de Floyd, acusou J. Alexander Kueng, Thomas Lane e Tou Thao de ajudar e incentivar o assassinato. Se condenados, podem pegar até 40 anos de prisão.

Dois dos policiais começaram a trabalhar em período integral após um período de estágio na força policial, disseram seus advogados.

Siga Zachary no Twitter: @zackstieber

Ajude-nos agora doando para o ‘CAFÉ’ para a equipe.

Veja também:

A conexão de Wall Street com a pandemia

 
Matérias Relacionadas