Gêmeos idênticos se salvam abraçando-se no ventre da mãe

Um par de gêmeos idênticos escapou da morte contra todas as probabilidades e se salvaram mutuamente abraçando-se no útero materno.

A mãe, Vicky Plowright, de 30 anos, foi informada de que os gêmeos eram monoamnióticos, o que significa que eles compartilhavam o mesmo saco amniótico (uma bolsa de fluido no útero materno onde o bebê não nascido se desenvolve e cresce). Ela só foi informada sobre a condição em sua ultrassonografia de 10ª semana, informou o Independent.

O problema com esta condição é que seus cordões umbilicais podem ficar emaranhados, bloqueando o suprimento de oxigênio e, assim, matando os dois.

Plowright, da cidade de Godalming, na Inglaterra, disse: “Eu estava com minha irmã, Georgina, e nos disseram que os gêmeos eram monoamnióticos, ou gêmeos Mo-Mo (Monoamnióticos-Monocoriônicos). Isso é muito raro, afetando um entre 35 mil e 60 mil gêmeos no Reino Unido, e significa que eles compartilhavam um saco amniótico, em vez de um para cada.”

“Eu fiquei devastada, pois os médicos também explicaram que isso significava que os bebês estavam em extremo risco, cerca de 50%, de não sobreviver à gravidez, por causa de sua proximidade”, disse Plowright ao Independent.

Plowright e seu noivo, Chris Cremer, de 32 anos, são ambos enfermeiros de berçário. A irmã de Plowright acompanhou-a no que seria um exame de rotina, na esperança de simplesmente atualizar-se sobre o processo da gravidez, quando receberam a trágica notícia.

“Eu fiquei em estado choque, pois havia acabado de dizer à minha irmã ‘desde que não sejam dois’, já que temos uma menina, Jocelyn, de 4 anos, e não pensei que teríamos condições ou energia para mais dois”, disse Plowright.

Mas então o ultrassonografista lhes disse que os gêmeos estavam muito próximos.

Depois de uma verificação detalhada, os médicos descartaram que os gêmeos estivessem unidos, mas eles ainda estavam preocupados.

“A ultrassonografia parecia mostrar que nossos gêmeos compartilhavam o mesmo saco amniótico”, continuou Plowright. “Eles disseram que isso significava que os bebês corriam grande risco e precisávamos retornar o mais rápido possível para consultar um especialista.”

“Eu estava histérica e telefonei para o Chris totalmente perturbada. Eu não tinha ideia do que isso significaria”, disse ela.

“No espaço de uma hora eu descobri que estávamos esperando gêmeos, mas que eles poderiam estar em perigo. Foi uma tortura, pensar que poderíamos perdê-los a qualquer momento”, acrescentou Plowright.

Mas as notícias logo mudaram. Num exame de 12 semanas, a mãe e seu noivo viram algo mágico.

“Para o nosso espanto, na ultrassonografia de 12 semanas, vimos que eles estavam se abraçando e de mãos dadas”, recordou Plowright. “Eles estavam se mantendo vivos permanecendo quietos, então seus cordões umbilicais não se emaranharam.”

Os médicos providenciaram para ver a mãe a cada uma ou duas semanas, até a 32ª semana, quando Plowright foi aconselhada a dar à luz devido ao espaço limitado do útero.

“Ao ficarem nessa posição, eles preveniram que os cordões se emaranhassem fatalmente”, disse Plowright. “Foi realmente um milagre.”

Em 22 de dezembro de 2015, Plowright foi levada para uma sala de parto no Royal Surrey Hospital, na cidade de Guilford, Inglaterra, com Chris a seu lado, para uma cesariana. Reuben nasceu às 11h22, pesando 1,76 quilogramas, seguido por seu irmão gêmeo idêntico, Theo, apenas um minuto depois, pesando 1,56 quilogramas, informou o Independent.

“Ambos nasceram gritando e, o mais importante, eles estavam vivos”, recordou Plowright.

“Chris também estava soluçando ao meu lado. Estávamos tão felizes por eles terem conseguido.”

Os gêmeos foram mantidos na unidade neonatal por mais ou menos um mês antes de serem liberados no final de janeiro. Agora, com 22 meses de idade, eles estão mais próximos do que nunca.

“Eles são os melhores amigos”, disse Plowright ao Independent. “Antes mesmo de conhecerem o mundo, eles se conheciam e cresceram juntos num espaço tão pequeno que eu sabia que eles teriam um vínculo especial por toda a vida.”

“Reuben é o ‘fazedor’ e Theo é o ‘pensador’, mas eles sempre têm um olho em onde o outro está”, disse ela.

NTD Television

 
Matérias Relacionadas