G7 oferece US$ 9,5 bilhões em ajuda à Ucrânia e estão prontos pra mais

“Continuaremos a apoiar a Ucrânia durante esta guerra e além disso, estamos preparados para fazer mais conforme necessário”

Por Reuters

Kernigswinter, Alemanha— Os líderes financeiros do Grupo dos Sete concordaram em fornecer $9,5 bilhões de dólares em uma nova ajuda à Ucrânia, na sexta-feira, e prometeram dinheiro suficiente para manter a economia devastada do país à tona enquanto luta contra a invasão russa.

Ministros das Finanças e presidentes de bancos centrais dos Estados Unidos, Japão, Canadá, Grã-Bretanha, Alemanha, França e Itália – o Grupo dos Sete (G7) – disseram que seu apoio à Ucrânia em 2022 até agora seria de US $19,8 bilhões. O Ministério das Finanças alemão esclareceu que o total inclui US $10,3 bilhões já prometidos ou desembolsados ​​anteriormente.

Do novo dinheiro, os Estados Unidos fornecerão US $7,5 bilhões em subsídios, a Alemanha outros US $1 bilhão em subsídios e os US $1 bilhão restantes serão cobertos pelos outros países do G7 na forma de garantias e empréstimos, disse o ministério alemão.

“Continuaremos a apoiar a Ucrânia durante esta guerra e além disso, estamos preparados para fazer mais conforme necessário”, disse o G7 em um comunicado ao final da reunião de dois dias fora da cidade alemã de Bonn.

A Ucrânia estima que precisa de cerca de US $5 bilhões por mês para manter os salários dos funcionários públicos pagos e o governo funcionando, apesar da destruição diária causada pela Rússia.

Além da ajuda do G7, a União Europeia deve oferecer 9 bilhões de euros (US $9,5 bilhões de dólares) em empréstimos à Ucrânia, e o Banco Europeu de Reconstrução e Desenvolvimento e a Corporação Financeira Internacional devem oferecer outros US $3,4 bilhões em empréstimos.

O G7 também pediu apoio à reconstrução e recuperação de longo prazo da Ucrânia, chamando-o de “grande esforço conjunto” que precisará ser coordenado de perto.

As estimativas dos economistas sobre o custo da reconstrução da Ucrânia variam amplamente entre 500 bilhões de euros e 2 trilhões de euros, dependendo das suposições sobre a duração do conflito e o alcance da destruição.

O ministro das Finanças alemão, Christian Lindner, disse em uma entrevista coletiva após a reunião que o G7 discutiu a possibilidade de confiscar ativos russos para financiar a reconstrução da Ucrânia, mas ainda não houve conclusão. “É uma opção que ainda precisa ser pensada”, disse ele.

Limites de energia da Rússia

A guerra mudou o jogo para as potências ocidentais, forçando-as a repensar as relações de décadas com a Rússia não apenas em termos de segurança, mas também em energia, alimentos e alianças de fornecimento global, de microchips a terras raras.

O G7 discutiu propostas para reduzir as receitas da Rússia com as exportações de energia, como um embargo gradual proposto pela União Europeia, formando um cartel de compradores para limitar os preços do petróleo russo e impondo tarifas de importação sobre o petróleo russo.

Este último foi lançado por autoridades dos EUA como uma forma de limitar os lucros do petróleo de Moscou, mantendo os suprimentos russos no mercado para evitar picos de preços.

“Nada está realmente cristalizado como uma estratégia óbvia”, disse a secretária do Tesouro dos EUA, Janet Yellen, sobre essas negociações.

Outro funcionário do G7 disse que os limites de preços e tarifas eram problemáticos porque os produtores tinham pouco incentivo para cumprir e os consumidores poderiam acabar arcando com o peso dos custos adicionais.

Acalmando a inflação

Os legisladores do G7 também discutiram o aumento global da inflação exacerbado pela guerra na Ucrânia, que também provocou uma forte desaceleração no crescimento econômico, aumentando o espectro da estagflação – a temida combinação dos anos 1970 de aumentos persistentes de preços e estagnação econômica.

Lindner disse que a inflação é um risco enorme e precisa ser reduzida para 2 por cento rapidamente, enquanto o presidente do banco central alemão, Joachim Nagel, disse que as taxas de juros negativas são coisa do passado. O comunicado do G7 também disse que as taxas subiriam, embora de uma forma que não destruísse o crescimento.

“Os bancos centrais do G7 … irão … calibrar o ritmo de aperto da política monetária de forma dependente de dados e claramente comunicada, garantindo que as expectativas de inflação permaneçam bem ancoradas, enquanto estão atentos para salvaguardar a recuperação”, disse o G7.

Por Christian Kraemer e Francesco Canepa

Entre para nosso canal do Telegram

Assista também:

 
Matérias Relacionadas