Funcionários do governo dos EUA alertam que Huawei deve ser considerada lista negra

Por Reuters

WASHINGTON – Um alto funcionário dos Estados Unidos disse à equipe de fiscalização do Departamento de Comércio nesta semana que a Huawei da China ainda deve ser tratada como lista negra, dias depois que o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, prometeu amenizar a proibição de vendas para a empresa.

Trump surpreendeu os mercados, em 29 de junho, prometendo ao líder chinês Xi Jinping, à margem da cúpula do G-20 no Japão, que permitiria que as empresas norte-americanas vendessem certos produtos não sensíveis à Huawei Technologies Co.

Em maio, a empresa foi acrescentada à chamada Lista de Entidades, que proíbe as empresas americanas de vender para ela sem permissão especial, como punição por ações contra os interesses de segurança nacional dos Estados Unidos.

O anúncio de Trump no sábado – um ramo de oliveira para Pequim para reativar as negociações comerciais – foi aplaudido pelos fabricantes de chips dos Estados Unidos ansiosos em manter as vendas para a Huawei, maior fabricante de equipamentos de telecomunicações do mundo e um importante cliente norte-americano.

Mas os comentários de Trump também geraram confusão entre os agentes da indústria e funcionários do governo lutando para entender qual política da Huawei ele havia revelado.

Em um email enviado à Reuters na segunda-feira, John Sonderman, diretor adjunto do Escritório de Exportação, do Bureau de Indústria e Segurança do Departamento de Comércio (BIS), buscou esclarecer como os agentes deveriam abordar os pedidos de licenças das empresas, buscando aprovação para vender para a Huawei.

Todos essas aplicações devem ser consideradas por mérito e sinalizadas com o idioma, observando que “esta parte está na Lista de Entidades. Avalie a política de revisão de licença associada sob a parte 744”, escreveu ele, citando regulamentos que incluem a Lista de Entidades e a política de licenciamento de“ presunção de negação ”que é aplicada às empresas incluídas na lista negra.

Ele acrescentou que qualquer orientação adicional do BIS também deve ser levada em conta ao avaliar os pedidos de licença relacionados à Huawei.

A Huawei disse à Reuters, na quarta-feira, que o fundador e CEO, Ren Zhengfei, afirmou que as declarações de Trump no fim de semana foram “boas para as empresas americanas”.

“A Huawei também está disposta a continuar comprando produtos de empresas americanas. Mas não vemos muito impacto no que estamos fazendo atualmente. Ainda nos concentraremos em fazer nosso próprio trabalho corretamente”, disse um porta-voz da Huawei em um email.

O Departamento de Comércio não respondeu imediatamente a um pedido de comentário.

Uma pessoa familiarizada com o assunto disse que a carta era a única orientação que os agentes de aplicação receberam após o anúncio surpresa de Trump no sábado. Uma presunção de negação implica uma revisão rigorosa e a maioria das licenças analisadas não são aprovadas.

Não está claro quando o Departamento de Comércio fornecerá à sua equipe de fiscalização orientações adicionais, com base nas promessas de Trump, e como isso pode alterar a probabilidade de obtenção de licenças.

O memorando interno, não relatado anteriormente, ocorreu quando conselheiros da Casa Branca também se esforçaram para esclarecer o anúncio de Trump.

O consultor de comércio da Casa Branca, Peter Navarro, observou na terça-feira que o governo permitiria a venda de chips “de baixa tecnologia” para a empresa, o que não afeta a segurança nacional.

Os Estados Unidos acusaram a Huawei de roubar propriedade intelectual americana e violar as sanções do Irã.

Foi efetuado um esforço de lobby para convencer os aliados dos Estados Unidos a manter a Huawei fora da próxima geração de infra-estrutura de telecomunicações 5G, citando preocupações de que a empresa possa espionar os clientes em nome de Pequim. A Huawei negou as acusações.

De Alexandra Alper

 
Matérias Relacionadas