Funcionários chineses tentam evitar vacinas COVID-19, alegando motivos de saúde, mostra documentos vazados

Por Eva Fu

Enquanto o regime chinês se esforça para inocular dezenas de milhões de pessoas por meio de políticas coercitivas e bombardeio de propaganda, algumas autoridades locais estão silenciosamente evitando vacinas.

Em meio à agressiva campanha de vacinação de Pequim, dezenas de funcionários de partes de Liaoning, uma província do nordeste da China, citaram vários motivos de saúde para não receber a vacina chinesa COVID-19 ,mostram documentos internos obtidos pelo Epoch Times.

Em uma cidade chamada Xintai, localizada no centro da província, apenas três dos 66 funcionários foram vacinados e outros dois estão na lista de inscrições, mostrando uma taxa de prontidão decepcionante de menos de 10%.

Cinquenta oficiais do governo e policiais locais citam razões como doença subjacente, alergia, gravidez, cirurgia recente ou resfriado, de acordo com um gráfico que resume os esforços de vacinação na região.

A alergia se destacou como principal motivo, citada 22 vezes. Vinte pessoas também citaram pressão alta e cinco diabetes, embora ambas sejam doenças crônicas que as tornariam muito vulneráveis ​​ao vírus do PCC (Partido Comunista Chinês) .

No condado de Tai’an, que tem jurisdição sobre a cidade, apenas quatro dos 56 membros do Escritório de Habitação e Desenvolvimento Urbano-Rural concordaram em ser vacinados e três se desculparam por “problemas de saúde”. No comitê de assuntos jurídicos e políticos do condado, um órgão do PCC bem financiado que supervisiona diretamente o sistema judicial, uma pessoa mencionou dor de dente. No Centro de Serviços de Impostos de Tai’an, alguns disseram que tomavam remédio chinês ou tinham doenças não especificadas.

A aceitação da vacinação não é mais otimista no Centro de Educação Ocupacional de Tai’an, a principal escola técnica do condado, onde cerca de um terço disse que tinha uma alergia e muitos disseram que estavam se recuperando da gripe sazonal.

A baixa taxa de participação de funcionários, encarregados de “liderar pelo exemplo” na campanha de vacinação da China, parece indicar uma grande falta de entusiasmo dentro do país.

O regime tem promovido suas vacinas de fabricação nacional em casa e no exterior , enviando doses gratuitas para 69 países e comemorando um recorde de 100 milhões administradas em toda a China no final de março. Gao Fu, diretor dos Centros de Controle e Prevenção de Doenças do país, disse recentemente à mídia estatal que sua meta era vacinar entre 70% e 80% da população chinesa para obter imunidade de grupo.

Os residentes recebem a vacina COVID-19 em um hospital comunitário em 2 de abril de 2021 em Wuhan, província de Hubei, China (Getty Images)

Alguns funcionários excessivamente zelosos foram de porta em porta para vacinar os residentes e até ameaçaram colocar na lista negra aqueles que não cooperassem. Enquanto isso, o programa tem sido atormentado por perguntas sobre a qualidade das vacinas.

Muito pouco ainda se sabe sobre as vacinas chinesas que o regime se apressou em distribuir. A principal fabricante de vacinas, a estatal Sinopharm, anunciou no dia 28 de março seus planos de realizar uma terceira fase de testes no exterior para observar a duração da proteção contra o vírus. Em Hong Kong, pelo menos 12 residentes morreram após as injeções de Sinovac em Pequim.

Nenhuma das empresas divulgou seus dados clínicos, embora a Organização Mundial da Saúde tenha dito em 31 de março que os níveis de eficácia estavam acima de 50% – o nível mínimo para uso público de uma vacina.

“Não sabemos nada sobre esta vacina”, disse um chinês de sobrenome Li à NTD em chinês, uma agência associada do Epoch Times. “Não há dados da terceira fase do ensaio ou análise sobre se ele pode produzir anticorpos, se podemos nos infectar ou espalhar para outras pessoas. Não sabemos de nada “.

“É melhor comermos apenas algumas tigelas de canja de galinha em casa para aumentar nossa imunidade, você não acha?”

Em meio ao ceticismo da população, o regime aumentou a pressão. Os apresentadores da mídia estatal adotaram slogans de vacinação exortando as pessoas a “estender a mão”.

No sul da província de Hainan, uma cidade chamada Wancheng disse aos moradores que eles não poderiam pegar ônibus ou ir a restaurantes e supermercados sem certificados de vacinação.

Aviso emitido em Wancheng, cidade da província de Hainan, em 31 de março, alertando os moradores sobre as consequências da recusa em se vacinar (Captura de tela via Weibo)

“Se eles não forem vacinados, isso afetará a escolaridade, o trabalho, o ingresso no serviço militar e a moradia de seus filhos no futuro”, disse um anúncio que se tornou viral nas redes sociais chinesas. Posteriormente, as autoridades se desculparam em meio à reação e reverteram a ordem.

O Sr. Wu, da cidade de Wuhan, no centro da China, recebeu recentemente uma mensagem de texto de seu comitê de bairro e local de trabalho dizendo-lhe para se vacinar em uma determinada data.

Ele e seu pai, um funcionário do governo, consideram isso desnecessário, disse ele, citando um histórico de problemas com vacinas chinesas anteriores.

Outro funcionário aposentado de Pequim também expressou preocupação com uma possível reação.

“Muitas pessoas comuns estão preocupadas com isso, e eu também”, disse ele ao Epoch Times em uma entrevista recente.

Siga Eva no Twitter:  @EvaSailEast

Entre para nosso grupo do Telegram.

Veja também:

 

 
Matérias Relacionadas