Regime chinês planeja controlar mosteiro budista tibetano

As autoridades chinesas estão envolvidas na “aquisição” de um dos maiores mosteiros budistas tibetanos do mundo, com um plano para colocar funcionários do Partido Comunista Chinês a cargo de sua administração, disse a organização não governamental Human Rights Watch (HRW) em 24 de janeiro.

Larung Gar, um extenso centro budista de aprendizagem e oração nas montanhas do sudoeste da província de Sichuan, já foi reduzido em tamanho por meio de um programa de demolição e expulsão de oito meses que terminou em abril de 2017, disse a HRW.

As autoridades chinesas agora estão dividindo o centro em duas seções, uma academia e um mosteiro, separados por um muro, de acordo com uma tradução em inglês de um documento compartilhado pela HRW, que eles disseram ter sido recebido em agosto de 2017.

Leia também:
• Democracias começam a reagir à infiltração e subversão do regime chinês
• Regime chinês promove Nova Ordem Mundial baseada no ‘Modelo da China’
• Plano secreto do regime chinês para erradicar liberdade de crença no mundo

As medidas de assimilação e controle incluem cotas de recrutamento, um sistema de gerenciamento de “registro do nome real” e etiquetas de identificação para monges e monjas, além de instalar 97 quadros do Partido Comunista Chinês, que obrigatoriamente devem ser ateus, nos principais cargos de finanças, segurança e admissão.

As fontes monásticas disseram à HRW que um sistema similar seria instalado no mosteiro e que um grande edifício havia sido construído para abrigar os quadros do Partido.

A Reuters não pode verificar de forma independente a autenticidade do documento ou as reivindicações das fontes da HRW.

“A aquisição administrativa do Larung Gar pelos funcionários do Partido Comunista Chinês mostra que o objetivo do regime não era apenas reduzir os números no assentamento”, disse Sophie Richardson, diretora de assuntos da China na HRW.

China, Tibete, budismo, controle, autoritarismo, comunismo, Partido Comunista Chinês, religião, ateísmo - Monges tibetanos sentados num vale vizinho da Academia Budista Larung Gar no condado de Sertar, na província de Sichuan, no Sudoeste da China, em 29 de maio de 2017 (Johannes Eisele/AFP/Getty Images)
Monges tibetanos sentados num vale vizinho da Academia Budista Larung Gar no condado de Sertar, na província de Sichuan, no Sudoeste da China, em 29 de maio de 2017 (Johannes Eisele/AFP/Getty Images)

“As autoridades chinesas também estão impondo controle e vigilância generalizados sobre todos os níveis de atividade nas comunidades religiosas”, disse ela.

O departamento de assuntos religiosos da China não respondeu imediatamente a um pedido de comentário.

A China negou a realização de demolições em Larung Gar, dizendo que o trabalho visa prevenir os riscos de incêndio e segurança, bem como “reconstruir” edifícios antigos.

As áreas populosas tibetanas do Oeste da China, incluindo Sichuan, estiveram no epicentro dos protestos contra o regime chinês, que incluiu vários atos de autoimolação, embora os casos relatados tenham diminuído nos últimos dois anos.

Sophie Richardson da HRW disse que o microgerenciamento de Larung Gar invade a liberdade religiosa e provavelmente provocará ressentimentos contra Pequim.

A lei chinesa promete a liberdade de religião, mas na realidade as autoridades vigiam atentamente os fiéis e as instituições religiosas. Novos regulamentos que deverão entrar em vigor no final deste mês ampliarão a supervisão estatal das instituições religiosas.

Leia também:
• Documentário confirma extração forçada de órgãos ocorrendo na China
• Entendendo a máquina de propaganda de Pequim no estrangeiro
• Vozes ocidentais são usadas para promover campanha de ódio do regime chinês
• A corrida armamentista do regime chinês para alcançar supremacia naval
• Regime chinês assassinou cerca de 1,5 milhão para extração de órgãos, aponta relatório

 
Matérias Relacionadas