Fórum Econômico Mundial adia evento no Brasil diante da ameaça do coronavírus

Presidente Jair Bolsonaro pede calma e afirma que embora o problema possa piorar não há motivo para "pânico"

Por Agência EFE

O Fórum Econômico Mundial decidiu adiar sua edição latino-americana, prevista para abril em São Paulo, devido à disseminação do coronavírus em todo o mundo.

Em uma declaração distribuída entre os participantes e à qual a mídia local teve acesso, a diretora regional do Fórum, Marisol Argueta de Barillas, anunciou a suspensão da reunião devido à “situação dinâmica em torno do coronavírus”.

“O Fórum Econômico Mundial e seus parceiros no Brasil concordaram em marcar essa reunião novamente em uma data posterior”, disse Argueta.

A edição latino-americana do fórum foi agendada entre 28 e 30 de abril em São Paulo, a cidade mais rica e populosa do Brasil e onde estão concentrados a maioria dos casos confirmados no país sul-americano.

O Ministério da Saúde informou sexta-feira que os casos confirmados saltaram de 8 para 13 em um único dia, dez dos quais no estado de São Paulo, onde vivem mais de 40 milhões de pessoas.

Os estados do Rio de Janeiro, Bahia e Espírito Santo já confirmaram um caso cada, enquanto as autoridades sanitárias de Brasília aguardam o contra-teste de um paciente de 52 anos, que apresentou resultado positivo no primeiro diagnóstico e é admitido em uma Unidade de Cuidados intensivos.

Dado o progresso do coronavírus no país, o presidente Jair Bolsonaro pediu calma em uma declaração na televisão e disse que, embora o problema possa piorar, não há motivo para “pânico”.

“O momento é de união. Embora o problema possa piorar, não há motivo para entrar em pânico. Seguir estritamente as recomendações de especialistas é a melhor proteção”, afirmou o chefe de Estado, que determinou um reforço em hospitais e laboratórios do país.

 
Matérias Relacionadas