Formação de caracteres chineses homenageia Dia Mundial do Falun Dafa

NEW YORK – Na manhã de 13 de maio, mais de mil pessoas vestidas de amarelo se reuniram em um parque ribeirinho onde se vê ao fundo Manhattan, Nova York. Eles se agruparam para formar a imagem de três caracteres chineses: “Zhen-Shan-Ren”, que podem ser traduzidos como verdade, compaixão e tolerância.

Verdade, compaixão e tolerância são os princípios fundamentais da prática espiritual chinesa Falun Dafa, também conhecida como Falun Gong.

Jiang Wei, o praticante do Falun Dafa que organizou a atividade de formação dos caracteres, disse que, em termos de tamanho e qualidade, foi a maior atividade do tipo que já ocorreu nos Estados Unidos. Mais de 1.100 pessoas estiveram no local na manhã do dia 13 de maio, alguns bem antes do amanhecer, para formar os três caracteres. Um mês de preparativos foi necessário para realizar o evento, inclusive para compor o leiaute dos caracteres.

“Acordamos quando ainda eram três horas da manhã”, disse Jiang Wei ao Epoch Times. “Dessa forma, conseguimos compor o leiaute dos caracteres antes do amanhecer”.

Inicialmente ensinado “publicamente” por Sr. Li Hongzhi em 1992, o Falun Dafa é uma prática de meditação para o aperfeiçoamento integral da natureza do ser. Esse trabalho interior é conhecido tradicionalmente como prática-cultivo. Os ensinamentos de Li Hongzhi, embora independente do Budismo e Taoísmo, fazem referências a termos originais do Budismo e do Taoísmo.

13 de maio é o Dia Mundial do Falun Dafa e 2015 marca 23 anos desde que Li Hongzhi proferiu sua primeira palestra em Changchun, uma cidade no nordeste da China.

Os praticantes do Falun Gong cultivam em si mesmos verdade, benevolência e tolerância por meio do aperfeiçoamento do “xinxing”, um termo que pode ser traduzido como “caráter” [moral do ser], mas talvez seja melhor traduzido como “natureza” [do ser]. Ao considerar primeiramente outros e aos abandonar apegos humanos, os praticantes do Falun Dafa mantêm a tradição taoísta da não-intenção, “o nada” e o caminho budista de abandonar apegos e desejos mundanos, “o vazio”.

Praticantes do Falun Dafa se reuniram no Parque Granty para formar os caracteres chineses verdade, benevolência e tolerância.
Praticantes do Falun Dafa se reuniram no Parque Granty para formar os caracteres chineses verdade, benevolência e tolerância.

“É a minha primeira vez nos EUA”, disse Weng Chin-mien, um praticante taiwanês. Embora a formação de caracteres por praticantes do Falun Gong seja  maior e mais complexa em Taiwan, Weng ficou impressionado com a escala e a natureza internacional do evento em Nova Iorque.

“Foi um grande atividade para nós”, disse Jiang Wei.

Praticantes do Falun Dafa realizando uma posição de um dos exercícios da prática.
Praticantes do Falun Dafa realizando uma posição de um dos exercícios da prática.

A formação dos caracteres no Parque Granty por praticantes foi mais uma de uma longa série iniciada na China. Uma atividade menor foi realizado no Parque Gantry no ano passado para exibir os caracteres “Zheng Fa” (chinês) ou “Dharma Reto” (ocidentalizado). Dharma é uma antiga palavra da Índia traduzida para o chinês como “Fa” e significa literalmente “Lei ou Caminho”. “Fa”é a forma como os praticantes se referem aos princípios ensinados no Falun Dafa.

Em 1999, na China, Falun Dafa já contava com 70 milhões de praticante, de acordo com estimativa oficial chinesa. No entanto, de acordo com fontes do Falun Gong, na época, mais de 100 milhões de chineses praticavam o Falun Gong.

Ainda que Falun Gong não possa mais ser praticado livremente na China continental, pois a prática é perseguida pelo Partido Comunista Chinês, é praticado em mais de cem países e isso inclui Taiwan, onde centenas de milhares de pessoas praticam o Falun Gong.

Em Taiwan, a formação de caracteres em datas comemorativas é feita com milhares de pessoas e é geralmente realizada no “National Chiang Kai-shek Memorial Hall”, na capital Taipei.

Milhares de praticantes do Falun Gong no Nacional de Chiang Kai-shek Memorial Hall em novembro de 2014.
Milhares de praticantes do Falun Gong no Nacional de Chiang Kai-shek Memorial Hall em novembro de 2014 (Minghui)

Praticantes do Falun Dafa acreditam que verdade, compaixão e tolerância são os princípios que fundamentam toda a existência. Ao formar os caracteres Zhen-Shan-Ren (chinês), eles consideram que ajudam a criar uma atmosfera de reflexão, serenidade e compaixão, a qual é beneficia a todos.

Antes de começarem a ser perseguidos pelo regime chinês em julho de 1999, os praticantes do Falun Dafa chineses realizavam suas próprias formações de caracteres, de acordo com o Minghui, um web-site gerido por praticantes do Falun Dafa. Eles formavam caracteres com até 10.000 pessoas para compor, em várias cores, o emblema do Falun Dafa. Conhecido como “Falun”, ou em chinês “Roda da Lei”, o emblema do Falun Dafa que contém a srivatsa, um símbolo do Budismo,  o yin-yang, um símbolo do Taoísmo.

Praticantes do Falun Dafa da cidade de Wuhan, juntos, formando a imagem de uma Falun, 1996.
Praticantes do Falun Dafa da cidade de Wuhan, juntos, formando a imagem de uma Falun, 1996 (Minghui)

A partir de 1996, todos os anos, em diferentes locais públicos, os praticantes da China criavam formações com caracteres na cidade de Wuhan. No entanto, isso foi interrompido com o início da perseguição em 1999, a qual dura até hoje.

De acordo com um artigo do Minghui sobre as formações de caracteres em Wuhan, um coronel do Exército Popular de Libertação, à época, ficou impressionado com a eficiência e a cooperação entre os praticantes. “Se fizermos coisas como essa no Exército, vai levar pelo menos alguns meses”, disse o coronel.

 
Matérias Relacionadas