Forças de segurança do Sudão atacam manifestantes e médicos, contabilizando pelo menos 30 mortos

Por Reuters

Cartum – Forças de segurança invadiram um campo de protesto na capital sudanesa, Cartum, em 3 de junho, e médicos ligados à oposição disseram que mais de 30 pessoas foram mortas na pior onda de violência desde a derrubada do presidente Omar al-Bashir, em abril.

As imagens compartilhadas na mídia social e verificadas pela Reuters mostraram cenas caóticas de pessoas fugindo pelas ruas enquanto tiros estalavam no ar durante a violência, que provocou uma rápida censura de lideranças ocidentais e africanas.

Testemunhas disseram que uma concentração ao lado do Ministério da Defesa, o ponto focal dos protestos antigovernamentais que começaram em dezembro, foi cancelada. Manifestantes invadiram outras ruas de Cartum e mais além, em resposta, montando barricadas e bloqueios na estrada com pedras e pneus em chamas.

Um grupo de médicos ligados à oposição disse que 30 pessoas foram “martirizadas” na violência de 3 de junho, com um aumento esperado, já que nem todas as baixas foram contabilizadas. O grupo havia dito anteriormente que pelo menos 116 pessoas ficaram feridas.

O principal grupo de protesto acusou o conselho militar de perpetrar “um massacre” quando destruiu o acampamento.

O Conselho Militar de Transição (TMC) negou, com um porta-voz, o tenente-general Shams El Din Kabbashi, dizendo a Reuters que às forças de segurança estavam perseguindo “elementos indisciplinados” que fugiram para o local do protesto e causaram o caos.

“O Conselho Militar de Transição lamenta a maneira como a situação se desenrolou, reafirmando seu total compromisso com a segurança dos cidadãos e renovando sua convocação de negociações o mais rápido possível”, disse o conselho em um comunicado.

A violência de 3 de junho deve acabar com as esperanças de um recomeço das conversações e um acordo negociado sobre quem deveria governar em um período de transição após a derrubada de Bashir.

O promotor público do Sudão ordenou uma investigação sobre a violência em 3 de junho, disse a agência estatal de notícias SUNA.

Palestras interrompidas

Uma aliança de grupos de oposição e protesto que vinha negociando com os militares havia semanas dizia que estava interrompendo todo o contato com o conselho.

O TMC se ofereceu para deixar os manifestantes formarem um governo, mas insistiu em manter a autoridade geral durante um período intermediário. Os manifestantes querem que os civis administrem o período de transição e levem os 40 milhões de pessoas do Sudão à democracia.

O grupo de médicos ligados aos protestos disse que as forças de segurança cercaram um hospital de Cartum e abriram fogo contra outro onde estavam perseguindo manifestantes.

“Os manifestantes que realizavam uma manifestação em frente ao comando geral do exército estão enfrentando um massacre em uma tentativa traiçoeira de dispersar o protesto”, disse o organizador dos protestos da Associação de Profissionais do Sudão.

As Nações Unidas, a União Africana e a União Europeia expressaram profunda preocupação, algumas culpando explicitamente os militares.

“O que está claro para nós é que houve uso excessivo de força pelas forças de segurança contra civis”, disse o porta-voz da ONU Stephane Dujarric.

O embaixador da Grã-Bretanha, Irfan Siddiq, disse que ouviu tiros por mais de uma hora em sua residência. “Nenhuma desculpa para tal ataque. Este. Deve. Parar. Agora ”, escreveu ele no Twitter.

“A responsabilidade recai sobre o TMC. A TMC não pode liderar responsavelmente o povo do Sudão ”, acrescentou a Embaixada dos EUA.

A União Europeia pediu uma rápida transferência de poder para os civis, enquanto a União Africana pediu uma investigação imediata, e a Anistia Internacional pediu sanções aos funcionários responsáveis.

O vizinho Egito pediu “calma e moderação”, enquanto os Emirados Árabes Unidos (EAU) disseram esperar que o diálogo prevaleça no Sudão.

“A experiência regional nos ensinou que a transição ordeira e conservadora do Estado e de suas instituições é a única maneira de evitar anos de caos e perdas”, disse no Twitter o ministro de Estado dos Negócios Estrangeiros, Anwar Gargash.

Fumaça e pedras

Imagens de televisão mostraram fumaça preta subindo das tendas, aparentemente incendiadas pela força invasora.

Usuários da internet relataram problemas de conexão.

Enquanto os protestos se desenrolavam, manifestantes em Cartum atiraram pedras contra as forças de segurança, que atacaram em meio a sons de tiros intensos. Um vídeo postado na mídia social mostrou um manifestante caindo no chão, chorando de dor após ser atingido pelo que parecia ser fogo vivo.

Uma testemunha da Reuters viu tropas empunhando bastões, incluindo policiais e membros das Forças de Suporte Rápidas paramilitares (RSF), posicionadas no centro de Cartum e em estradas fechadas, aparentemente para tentar impedir as pessoas de chegarem ao local do protesto.

A RSF é comandada pelo general Mohamed Hamdan Dagalo, o vice-chefe do conselho militar. Dagalo, conhecido como Hemedti, é um aliado próximo dos Emirados Árabes Unidos e da Arábia Saudita e enviou tropas sudanesas para se juntarem à coalizão que lideram na guerra civil do Iêmen.

Os Emirados Árabes Unidos e a Arábia Saudita estão ansiosos para erradicar os islamistas que dominaram o Sudão sob o governo de três décadas de Bashir.

O papel dos militares na expulsão de Bashir aumentou o temor, entre muitos sudaneses, de que seu país poderia seguir um caminho semelhante ao do vizinho Egito após o levante de 2011.

Lá, um conselho militar supervisionou uma transição turbulenta e às vezes violenta antes que o chefe do exército, Abdel Fattah al-Sisi, liderasse a derrubada do primeiro presidente eleito livremente do Egito, Mohamed Mursi. Sisi foi eleito presidente em 2014 e novamente em 2018 com 97% dos votos.

Por Michael Georgy

 
Matérias Relacionadas