Folha afirma que órgão da ONU considera declaração de Bolsonaro a Rosário ‘inaceitável’

Se há uma demanda no “mercado” de blogs republicanos é para o desmascaramento de notícias da mídia adestrada pelo governo. O Ceticismo Político é focado na guerra política (e na dinâmica social da guerra política, além de aplicações do ceticismo político em si), e só desmascara notícias de vez em quando. Outros blogueiros republicanos também desmascaram notícias da mídia chapa branca de vez em quando. Mas urge uma publicação com foco só nisso. Fica a dica.

Leia também:
O estupro da democracia brasileira em quatro atos
Gilberto Carvalho defende cassação do mandato de Jair Bolsonaro
Bolsonaro anuncia Projeto que cria a verdadeira Comissão da Verdade. Veja o texto completo

Ontem (15), por exemplo, a Folha publicou a notícia “Inaceitável”: diz órgão da ONU sobre declaração de Bolsonaro a deputada. Aqui está um trecho:

“Um órgão de defesa dos direitos humanos da ONU (Organização das Nações Unidas) condenou, nesta segunda-feira (15), uma declaração do deputado federal Jair Bolsonaro (PP-RJ), que durante discurso na Câmara, na última terça (9), disse à colega Maria do Rosário (PT-RS) que ‘não a “estupraria’ porque ela ‘não merece’.

‘As declarações são uma ofensa não apenas para a deputada, mas também para a dignidade das mulheres e de todas as vítimas de abusos graves como violência sexual e estupro’, disse o representante para a América do Sul do Alto Comissariado das Nações Unidas para os Direitos Humanos, Amerigo Incalcaterra.

Segundo ele, esse tipo de afirmação é ‘inaceitável’ em uma democracia como a brasileira, principalmente quando se trata de autoridades públicas eleitas por voto popular.

Em nota, Incalcaterra manifestou apoio à representação protocolada contra Bolsonaro, após o episódio, pela Secretaria de Direitos Humanos e o Conselho Nacional de Direitos Humanos na Procuradoria Geral da República.

‘Fazemos um chamado ao Congresso Nacional, às autoridades políticas, judiciárias e a toda a sociedade brasileira a condenar amplamente este tipo de discurso de ódio e a defender a dignidade humana em todo momento’, afirmou.”

Eu também acho problemática a declaração de Bolsonaro. Eu mesmo já disse por aqui que foi uma declaração mais grossa que rolha de poço. Mas a ponto de ser “inaceitável” para uma democracia? É claro que estamos diante de treta.

Mas é só ler a notícia com cuidado para descobrir o embuste: não foi a ONU que declarou algo, mas um secretário sul-americano, com histórico de associação a grupos da extrema-esquerda. Falamos de um sujeito (Amerigo Incalcaterra) que tem as mesmas prioridades de Maria do Rosário e o mesmo discurso, o que pode ser observado por um breve histórico de suas demandas.

Se há algo que você jamais observará é Incalcaterra se preocupando com os policiais vítimas de violência. Mas é fácil vê-lo chorar por criminosos violentos. Assim como Maria do Rosário.

Incaltaterra não é a ONU. Na verdade, é um sujeito que está lá ocupando algum espaço por questões políticas. Enfim, a ONU não disse absolutamente nada. Quem disse foi um tal de Amerigo Incalcaterra, que não fede nem cheira. Em suma, a Folha mentiu na cara dura.

A coisa está nesse nível ultimamente, especialmente depois que a Dona Dilma cortou as verbas estatais para a revista Veja. Essa ação serviu como uma mensagem para o restante da mídia: “ajoelhem-se que os próximos serão vocês”. Como resultado, vemos a Folha lançar uma manchete mais falsa que as risadas de fundo da Praça é Nossa. E sem ficar corada.

Editado por Epoch Times

 
Matérias Relacionadas