Firma obscura usa o New York Times para espalhar desinformação sobre o Epoch Times

Por Epoch Times

O New York Times publicou em 9 de março de 2021 um artigo contendo informações incorretas sobre o Epoch Times obtidas por uma empresa obscura.

O artigo, de autoria de Davey Alba, gira em torno da afirmação imprecisa de que o Epoch Times está conectado a “mais de uma dúzia de sites”. O New York Times faz essa afirmação falsa sem fornecer nenhuma evidência nem declarar a quais sites está se referindo.

Isso provavelmente ocorre porque a reclamação não é resultado de reportagens do próprio The New York Times, mas sim baseada em informações que foram obtidas por um terceiro.

Embora a versão inicial do artigo de Alba não revele a fonte das informações falsas, o The New York Times divulgou a identidade da entidade em uma declaração de correção.

Em sua correção, o The New York Times afirma que a verdadeira “fonte dos dados” é “Advance Democracy”. (Desde então, o jornal também atualizou seu artigo.)

O NYT descreve o Advance Democracy inocentemente como “um grupo de pesquisa”, mas não revela os interesses especiais por trás do grupo, incluindo o financiamento do Vale do Silício, e os laços de seu fundador Daniel Jones com a Fusion GPS, a empresa responsável pelo amplamente desacreditado dossiê Steele.

Jones, um ex-membro do Congresso, fundou Advance Democracy Inc. em 2018. A organização opera amplamente nas sombras, administrando um site que apenas afirma: “Advance Democracy, Inc. (ADI) é uma organização independente e apartidária que conduz ações globais investigações para promover a responsabilidade, transparência e boa governança”.

Uma investigação do The Daily Caller em 2019 descobriu que os doadores da organização “foram mantidos em segredo, já que Jones evitou revelar seus patrocinadores”. O artigo também alega que Jones “recebeu o crédito por plantar histórias anti-Trump na imprensa”.

O New York Times em sua correção também revela uma conexão entre o Advance Democracy e uma entidade estrangeira chamada “Global Disinformation Index”, dizendo: “Os dados foram fornecidos pelo Advance Democracy, um grupo de pesquisa, e analisados ​​pela organização sem fins lucrativos Global Disinformation Index, não fornecido exclusivamente pela GDI”.

O Índice Global de Desinformação é baseado no Reino Unido. Seu objetivo declarado é “desinvestir e rebaixar” os sites que considera conter “desinformação”. O grupo admitiu trabalhar com “governos”.

O fato de o The New York Times depender de uma entidade estrangeira para atacar uma organização de mídia com sede nos EUA é preocupante. Há também uma questão ética mais ampla sobre a relação entre os chamados repórteres de “desinformação” e grupos de interesses especiais.

Esse envolvimento de outras entidades no artigo do The New York Times provavelmente explica por que a experiência de se comunicar com Alba foi tão incomum para o Epoch Times. Alba não forneceu ao Epoch Times informações para apoiar sua alegação de uma conexão aos sites citados, apesar de um pedido específico. Além disso, apesar de o Epoch Times ter esclarecido várias vezes que não estava conectado aos sites citados, Alba rompeu com as convenções jornalísticas e optou por não incluir o esclarecimento do Epoch Times em seu artigo.

Esta não é a primeira vez que o The New York Times recorre à publicação de informações falsas sobre o Epoch Times. Em novembro do ano passado, a publicação publicou um artigo que continha inúmeras acusações falsas. O Epoch Times na época forneceu uma análise aprofundada que pode ser lida em nosso website (“‘Investigação’ de oito meses do New York Times sobre o Epoch Times: frágil em fatos, carregada em viés“).

Outra preocupação são as contínuas tentativas do The New York Times de criticar o Epoch Times por sua posição crítica sobre o Partido Comunista Chinês, especialmente devido aos laços comerciais do The New York Times com entidades de mídia estatais chinesas, das quais recebeu financiamento publicitário.

Em seu último artigo, o The New York Times sugere que o Epoch Times está entre “organizações de mídia conservadoras que espalham informações enganosas” e, em seguida, observa que publicamos regularmente “conteúdo anti-Partido Comunista Chinês”, como se isso fosse um exemplo de “informação enganosa”.

O Epoch Times foi fundado por sino-americanos que fugiram da China comunista e experimentaram em primeira mão seu horror. É triste ver que um meio de comunicação americano atacaria um concorrente por expor os crimes cometidos por um regime comunista.

No Epoch Times, acreditamos que é função de uma organização de mídia apontar irregularidades quando elas acontecem, e o Partido Comunista Chinês é o pior violador dos direitos humanos no mundo. Esperamos sinceramente que o New York Times reconheça a ameaça que este regime representa não apenas para o povo chinês, mas para o resto do mundo.

 
Matérias Relacionadas