Filipinas lutam com a democracia

“A democracia é a pior forma de governo, exceto para todos os outros.”—Winston Churchill

Churchill demonstrou certo talento nesta frase perspicaz. E, podemos ter certeza de que ele também percebeu que ostensivamente a “melhor” forma de governo é uma ditadura benigna em que o ditador aprecia tanto os limites de seu poder doméstico e as capacidades de sua sociedade como a necessidade de atuar habilmente em assuntos estrangeiros como simbolizado por sua observação de que, “Não há amigos eternos ou inimigos eternos, apenas interesses eternos.”

O problema, no entanto, é que um ditador nem sempre permanece benigno. Ou que seu sucessor pratique moderação e restrição comparáveis.

E há um corolário para isso. Mesmo quando a democracia funciona dentro dos preceitos acordados, por exemplo, nas palavras do relatório do Departamento de Estado dos EUA sobre os direitos humanos, mesmo quando “A lei oferece aos cidadãos a capacidade de escolher o seu governo em eleições periódicas livres e justas realizadas por votação secreta e baseadas em informações universais e sufrágio equitativo”, existe o potencial de uma falha fatal.

Ou seja, há a tentação de o eleitorado se conceder benefícios sociais e econômicos enormes, superando significativamente a capacidade da sociedade de pagar por eles em curto ou em longo prazo.

Da mesma forma, há a tentação para o eleitorado, frustrado pela disfunção social ou econômica, como inflação, altos impostos, crime ou terrorismo, de atacar um líder que promete resolver esses problemas. A fraqueza não tão oculta da democracia é a necessidade de que os eleitores pratiquem percepção e restrição.

Muitos tendem a esquecer de que Hitler ganhou o poder legalmente.

As Filipinas

Para os Estados Unidos, as Filipinas representam um problema complexo. Uma longa posse e parte do Império Espanhol, ela caiu nas mãos americanas após a Guerra Hispano-Americana de 1898. O comodoro George Dewey, comandando o USS Olympia (que permanece ancorado na Filadélfia), massacrou um esquadrão espanhol na baía de Manila. Uma rebelião filipina já estava em andamento e as forças dos EUA se juntaram à rebelião e legalmente retornaram às Filipinas um líder-chave no exílio, Emilio Aguinaldo, para ajudar na derrota espanhola. Uma vez que isto ocorreu, no entanto, Washington decidiu manter a posse das Filipinas, em vez de conceder-lhes independência instantânea.

Os filipinos não se mostraram satisfeitos. A resistência transformou-se na guerra filipino-americana lutada em ambos os lados com atrocidade e viciosidade sem precedentes. A luta concluiu em 1902 com a morte de cerca de 4 mil a 6 mil americanos e um compromisso dos EUA de conceder a independência filipina em 1944.

A partir daí, até o início da 2ª Guerra Mundial, as Filipinas eram um território relativamente tranquilo com as forças dos EUA nas bases militares-chave da baía de Subic (naval) e da base Clark da força aérea. O ataque, invasão e ocupação japoneses foram um evento seminal na história filipina. Frases como “Eu retornarei” do marechal Douglas MacArthur ao deixar as Filipinas e a subsequente “Marcha da Morte de Bataan” estão desaparecendo da memória dos Estados Unidos, mas não da das Filipinas. De fato, as Filipinas devem aos Estados Unidos uma “dívida sangrenta” pela morte de pelo menos 33 mil dos nossos na defesa e libertação das ilhas.

Por outro lado, há boas razões para concluir que os problemas políticos filipinos são diretamente derivados da ocupação japonesa, na medida em que os invasores procuraram matar todos os filipinos com uma educação secundária (para eliminar qualquer oposição política à ocupação) e massacraram implacavelmente a população para acabar com a resistência guerrilheira filipina.

Assim, embora atrasados ​​dois anos até 1946, as Filipinas talvez não estivessem prontas para a independência. A política filipina subsequente foi falha. O carismático presidente Ramon Magsaysay morreu num acidente de avião de 1957; um presidente popularmente eleito, Ferdinand Marcos, se tornou um ditador severo (governando de 1965 a 1986); um adversário político de Marcos foi assassinado na pista de voo quanto retornava ao país (e sua viúva, Corazon Aquino, posteriormente tornou-se presidente).

Em 1991, o Senado filipino rejeitou um acordo de bases militares com Washington. Essa rejeição, combinada com a explosão praticamente simultânea do Monte Pinatubo, que efetivamente arruinou a utilidade da base naval de Subic e destruiu totalmente a base aérea de Clark, levou à retirada das forças militares dos EUA e à redução proporcional do interesse dos EUA nas Filipinas.

Consequentemente, em muitos aspectos, o presidente atual e ex-prefeito por 30 anos da cidade de Davao, Rodrigo Duterte, oferece alguma distinção, mas pouca diferença. O primeiro presidente originário da grande ilha de Mindanao, Duterte é um valentão carismático que gosta de intimidar os outros, embora seja sensível a críticas ou insultos. Impulsionado, entre outras coisas, pelo desejo de eliminar as drogas e a corrupção, ele tem observado o estado de direito a seu bel-prazer e praticamente ordenou a execução de qualquer traficante de drogas. Então, quando o presidente Barack Obama tentou pressioná-lo sobre a questão de direitos humanos, Duterte respondeu com [xingamento suprimido] e melhorou as relações com Pequim.

Sob o presidente Donald Trump, Washington tentou domar este gato com sucesso modesto. Mas as tentativas inapropriadas de priorizar os direitos humanos nos custaram um aliado valioso, pelo menos no curto prazo. Uma lição cara de direitos humanos.

Leia também:
• Pontos de ferrugem se acumulam na chanceler de ferro alemã Angela Merkel
• Japão luta para se definir
• Comércio e o desafio da China
• Zimbábue: Será realmente um novo começo?
• Líbano está à beira do precipício, novamente
• Secessão: uma luta histórica entre controle central e local

 
Matérias Relacionadas