Filipinas detecta surto de gripe aviária H5N6 que pode ser transmitida a humanos em meio ao COVID-19

Codornas infectadas podem transmitir o vírus aos seres humanos através de suas secreções

Por Eduardo Tzompa

O secretário de Agricultura das Filipinas, William Dar, anunciou na segunda-feira que foi detectado um surto de influenza aviária H5N6 que poderia ser transmitido aos seres humanos. A cepa ocorre em meio à disseminação do coronavírus de Wuhan, que se espalhou para 142 pessoas nas Filipinas, de acordo com um relatório do Departamento de Saúde.

A gripe aviária foi detectada em 13 de março em uma fazenda em Barangay Ulanin-Pitak, localizada no município de Jaén, Nueva Ecija, depois que 10% de uma população de 15.000 codornas morreram da doença, informou a CNN Filipinas.

O funcionário disse que 30 codornas apresentaram resultados positivos após a aplicação dos testes sanitários, portanto, um total de 12.000 codornas da referida fazenda foram sacrificadas cirurgicamente e enterradas em 14 de março.

Dar disse que, como parte do protocolo 1.7 para controlar e conter a propagação da gripe aviária, apenas codornas da fazenda infectada serão sacrificadas, enquanto uma zona de controle será implementada a um quilômetro de distância e sete quilômetros além haverá uma área de vigilância.

Ele também alertou que codornas infectadas podem transmitir o vírus aos seres humanos através de suas secreções. No entanto, nenhum caso de transmissão humana foi registrado, pois a mesma cepa afetou a região de Pampanga e Nueva Écija em 2017.

A gripe aviária é uma doença de aves de capoeira que pode afetar os seres humanos. No entanto, o HPAI H5N6 (influenza aviária de alta patogenicidade) que afetou as Filipinas não afetou os seres humanos no país”, disse ele.

China relatou o primeiro caso de H5N6 na exploração avícola de Sichuan

As autoridades do regime informaram em fevereiro que o surto de gripe aviária H5N6 é independente do coronavírus Wuhan, que se espalhou para o resto do mundo.

É a primeira gripe aviária H5N6 detectada em uma fazenda de aves após quatro casos de cisnes terem sido descobertos no início deste ano em Xinjiang, informou a Reuters.

Um funcionário desinfeta uma fazenda de pombos-correio em Chengdu, na província de Sichuan, China (Fotos da China / Getty Images)

Por outro lado, no início de fevereiro, a província chinesa de Hunan registrou um surto de gripe aviária H5N1 que também deixou milhares de aves mortas ou abatidas em uma fazenda.

O ministério da agricultura do país disse em 2 de fevereiro que 18.000 galinhas foram abatidas em Shaoyang, província de Hunan. Mas isso aconteceu depois que cerca de 4.500 galinhas adoeceram e morreram, o equivalente a mais da metade do rebanho na fazenda onde o surto se originou.

A cepa da gripe era o “subtipo H5N1” da “gripe aviária de alta patogenicidade”, dizia o comunicado.

A gripe aviária H5N1 matou centenas de pessoas em todo o mundo desde 2003, de acordo com dados da OMS (pdf).

Com reportagens de Jack Phillips.

 
Matérias Relacionadas