ARTIGO - Publicado em - Atualizado em 01/12/2017 às 3:21

A ferramenta secreta do comunismo

Comunismo - Membros do grupo de extrema esquerda Antifa se preparam para um confronto em Berkeley, na Califórnia, em 27 de agosto. A teoria comunista do materialismo dialético visa incitar o conflito e a luta (Amy Osborne/AFP/Getty Images)

Membros do grupo de extrema esquerda Antifa se preparam para um confronto em Berkeley, na Califórnia, em 27 de agosto. A teoria comunista do materialismo dialético visa incitar o conflito e a luta (Amy Osborne/AFP/Getty Images)

Apesar de se ter falado muito sobre progresso, o século 20 foi o mais violento em toda a história da humanidade, resultando em pelo menos 100 milhões de mortes não naturais, e a maioria esmagadora dessa violência foi causada pelo comunismo, um sistema de crenças que ainda se apossa das mentes de muitos em nossa sociedade.

O comunismo tenta seduzir as pessoas por meio de uma falsa gentileza. Convence as pessoas de que ele representa a tolerância e a consideração pela humanidade, e que pretende conduzir as pessoas à felicidade, mas que essa felicidade só pode ser alcançada depois que um segmento da sociedade seja suprimido ou erradicado.

Embora o uso da censura e da erradicação tenha se tornado uma marca distinta dos sistemas comunistas, a sua promessa de trazer felicidade por meio da destruição de toda a hierarquia social demonstrou ser uma mentira flagrante. O comunismo repetidamente levou à fome, à opressão e ao genocídio. Ainda assim, ele tem significante popularidade.

Leia também:
• 
O Fim do Comunismo
• Série exclusiva do Epoch Times: O objetivo final do comunismo

Para entender por que o comunismo ainda persiste, precisamos entender sua ferramenta mais fundamental de criação de revoluções violentas – convencer as pessoas a se tornarem inimigas umas das outras – e como ele usa essa ferramenta para fabricar questões políticas. Isso dá aos seus seguidores a capacidade de assumirem o controle gradualmente.

Esta ferramenta é a dialética comunista, conhecida como materialismo dialético. A dialética é um método de discurso entre duas partes. O materialismo dialético é usado para formular a visão comunista do mundo, reinterpretando todas as coisas através de uma lente que é absolutamente ateísta e baseada na luta.

O fundador da União Soviética, Vladimir Lenin, descreveu essa visão comunista dialética da verdade, num artigo publicado em junho de 1920 no jornal comunista internacional Kommunismus, como “o que constitui a essência, a alma viva do marxismo, uma análise concreta de uma situação concreta”.

Líderes comunistas, usando a dialética como seu sistema central para analisar problemas, reescreveram a história sob uma nova visão. Eles enfatizaram o estudo da dialética de Lenin e aplicaram-na à história do pensamento, da ciência e da tecnologia humana. O sucessor de Lenin, Joseph Stalin, escreveu em 1938 que “o materialismo dialético é a visão mundial do partido marxista-leninista”.

Saul Alinsky, um organizador da comunidade comunista, em 1963. Um agitador profissional, ele escreveu o livro "Regras para os Radicais" e o dedicou a Lúcifer, obra na qual ele forneceu estratégias usadas pelos ativistas de extrema esquerda (CC BY-SA 4.0)

Saul Alinsky, um organizador da comunidade comunista, em 1963. Um agitador profissional, ele escreveu o livro “Regras para os Radicais” e o dedicou a Lúcifer, obra na qual ele forneceu estratégias usadas pelos ativistas de extrema esquerda (CC BY-SA 4.0)

O papa Pio XII, que mais tarde excomungaria os católicos que professavam a doutrina do comunismo, descreveu a natureza da dialética comunista na encíclica “O comunismo ateísta” em março de 1937.

O papa disse que o materialismo dialético é a ferramenta usada pelos comunistas para “aguçar os antagonismos” entre diferentes partes da sociedade, sob sua crença de que “o conflito que leva o mundo à síntese final pode ser acelerado pelo homem. Daí eles se esforçarem para aguçar os antagonismos que surgem entre as várias classes da sociedade. Assim, a luta de classes com o seu consequente ódio e destruição violenta assume os aspectos de uma cruzada para o progresso da humanidade”.

A dialética comunista, acrescentou ele, também é a ferramenta-chave da natureza violenta nessa ideologia, que defende que qualquer coisa que resista à “violência sistemática” deve ser marcada para a aniquilação.

Discurso entorpecido

As formas tradicionais de dialética, como a dialética socrática, buscam encontrar a verdade por meio de argumentos racionais entre duas partes.

Por outro lado, as raízes do materialismo dialético baseiam-se numa teoria do filósofo alemão Georg Wilhelm Friedrich Hegel, mas que foi alterada ao longo da história pelos líderes comunistas, começando por Karl Marx, para se adequarem melhor aos seus objetivos. Em 1908, Lenin escreveu em “Materialismo e Empiriocriticismo” que o termo “materialismo dialético” foi cunhado pelo filósofo comunista checo-austríaco Karl Kautsky e foi popularizado apenas após as mortes de Marx e Friedrich Engels.

A parte central da teoria de Hegel, conforme usado no âmbito do comunismo, é o argumento de que a “contradição leva para frente”. Marx e Engels usaram esse argumento, mas alteraram a teoria de Hegel em geral, primeiro removendo todos os elementos que não se relacionavam com o materialismo, incluindo qualquer coisa relacionada à religião ou moralidade.

Stalin escreveu em 1938, em “Materialismo Dialético e Histórico”, que a única parte que Marx e Engels mantiveram da dialética hegeliana foi seu “núcleo racional” e que deixaram de lado todos os seus ideais morais.

Stalin descreveu essa nova dialética como algo baseado puramente numa rejeição do divino. Ele escreveu que a dialética de Marx descartava as ideias de Hegel de um “espírito universal” ou “consciência” e, em vez disso, considerava a vida como nada mais do que “matéria em movimento”.

Inversão estratégica

Embora a dialética tradicional tenha como objetivo ajudar as pessoas a entenderem as verdades por meio do intercâmbio de ideias variadas, ou ao olhar para ambos os lados de um problema, o materialismo dialético faz o contrário.

Ele examina vários problemas da sociedade e identifica seus opostos polares. Em seguida, ele enquadra esses opostos sob a ótica comunista e repele esses pontos de vista como sendo absolutos e inquestionáveis.

Mao Tsé-tung, o fundador do Partido Comunista Chinês, constituiu ou treinou sua dialética invertendo (ou pervertendo) muitas das crenças religiosas e sociais encontradas nos sistemas orientais.

Ele descreveu isso numa ocasião usando uma visão invertida da teoria taoísta do taiji (ou yin-yang). Nesta teoria ancestral, dois aspectos opostos de um elemento são vistos como complementares e interdependentes (ou harmônicos), de modo que dois podem ser tornar um. Em “Obras Selecionadas de Mao Tsé-tung”, Mao escreveu sobre isso como duas forças opostas, constantemente em conflito mútuo, e que, por meio da dialética comunista, “um se torna dois, dois se tornam quatro”. Em outras palavras, passo a passo, o elemento é dividido.

A descrição de Mao de “um [tornar-se] dois” é o coração da visão revolucionária comunista, com base na ideia de que, ao invés da harmonia, o comunismo pode incitar a luta entre quaisquer elementos tangíveis ou identificáveis, sejam diferenças de raças, classes sociais ou mesmo entre marido e esposa.

Sob a dialética comunista, o objetivo é que as pessoas substituam suas crenças em troca do ateísmo e a harmonia pela luta.

De acordo com o livro “A Espada da Revolução e o Apocalipse Comunista” de Cliff Kincaid, os líderes comunistas concordaram com Lenin que o “núcleo” da dialética era o uso de contradições.

Kincaid escreveu: “Os soviéticos resumiram o núcleo da dialética como uma ‘divisão em opostos’, enquanto Mao Tsé-tung e os ‘trabalhadores da filosofia’ chineses finalmente resumiram todas as complexidades da lógica dialética na expressão ‘um se divide em dois’.”

Kincaid cita Alexander Markovsky, um emigrante russo que estudou o marxismo-leninismo na antiga União Soviética, afirmando: “No mundo do materialismo dialético marxista, a mudança é o produto de um conflito constante entre os opostos, decorrente das contradições internas inerentes a todos os eventos, ideias e movimentos. Portanto, qualquer mudança significativa numa sociedade, de acordo com o marxismo, deve ser acompanhada por um período de revolta.”

O teórico marxista Georgi Valentinovich Plekhanov escreveu em “Dialética e Lógica” em 1928 que a dialética comunista segue três leis: identificar, contrariar e “excluir o meio”.

A abordagem de Plekhanov permite que os comunistas fabriquem problemas identificando primeiro qualquer situação com o desenvolvimento material, depois “contradizendo” ou invertendo, e finalmente “excluindo o meio”, levando a uma situação em que apenas dois extremos existam e ignorando a frequente variedade de pontos de vista moderados.

Essa característica de “excluir o meio” é o oposto da sabedoria antiga que é compartilhada entre sistemas de crenças tradicionais, desde Aristóteles a Rumi, e de Sakyamuni a Salomão. Essas teorias tradicionais refletem de perto o que afirmou Lao Tse: “O melhor a seguir é caminho do meio.”

O comunismo baseia-se na ideia de que seus pontos de vista são utópicos e a conclusão final de todo o desenvolvimento. Marx afirmou que a luta levou à evolução social e argumentou que o comunismo era o estágio final. Seu sistema comunista tentou assim incitar a luta para acelerar esse processo, um processo que exigia o fomento do colapso econômico, social e moral.

Para avançar suas causas, ele usa o materialismo dialético para criar sua verdade invertida e promove essas inversões no intuito de criar discórdias e destruir tradições e normas sociais.

A ideia de “excluir o meio” segue a ideia de Lenin de “partidarismo”, ambas baseadas na perspectiva “utópica”. Lenin categorizou todas as pessoas em dois grandes grupos: aqueles que apoiam a revolução comunista e os que não apoiam, além daqueles que não foram marcados para serem destruídos.

Com o materialismo dialético como sua força motriz, os comunistas não recuam. Se o outro lado aceita um compromisso, os comunistas simplesmente ganham terreno, e então continuam a avançar implacavelmente sua agenda enquanto o lado oposto é gradualmente desgastado e perde terreno. Quando a revolução violenta falha, o objetivo do comunismo é primeiro exigir “tolerância”, então “aceitação” e finalmente forçar sua “adoção/incorporação”.

Durante esse processo, todos os que se opõem são vilificados com rótulos políticos, o que permite serem atacados por aliados comunistas. Este é o coração do conceito de “politicamente correto” formulado por Mao em 1957 e sua pressão contínua para estabelecer uma visão moral alternativa baseada nos objetivos políticos do regime comunista, com a inversão dialética das questões desde seus fundamentos.

Um manifestante de extrema esquerda maneja pedras em frente de um grafite que diz "Desordem é uma necessidade" com um símbolo anarquista embaixo, durante uma reunião do G-8 em Gênova, Itália, em 2001 (Sean Gallup/Getty Images)

Um manifestante de extrema esquerda maneja pedras em frente de um grafite que diz “Desordem é uma necessidade” com um símbolo anarquista embaixo, durante uma reunião do G-8 em Gênova, Itália, em 2001 (Sean Gallup/Getty Images)

Uma visão de mundo negativa

A visão comunista do mundo, e todas as questões contempladas sob essa perspectiva, são constituídas por meio da inversão, com o materialismo dialético como ferramenta para identificar as inversões.

Sob sua dialética, a percepção comunista é de negatividade generalizada. Ela pretende alterar a percepção de todas as questões de uma pessoa para que qualquer um que siga sua doutrina interprete as questões por meio de suas inversões e adote o caminho dessas inversões.

Para entender isso, é preciso um pouco de experiência no assunto.

Todos nós temos percepções diferentes do mundo que nos rodeia. Duas pessoas que olham para o mesmo evento podem interpretá-lo de diversas formas, com base em suas percepções moldadas por sua cultura, experiência, educação e crenças.

O comunismo trabalha para mudar as percepções de uma pessoa e incutir uma “visão de mundo comunista”, que usa o materialismo dialético para inverter as normas sociais e adotar o negativo como sua postura.

Segundo Kincaid, a dialética comunista fabrica a luta contra as normas sociais usando contradições, segundo o princípio comunista da “luta dos opostos”.

Em termos dos objetivos do comunismo – a revolução para derrubar à força toda a hierarquia, tanto social como espiritual – Kincaid diz que, para que o comunismo assuma o poder, seus conceitos invertidos devem destruir as percepções que anteriormente existiam numa sociedade. Devido à forma como o materialismo dialético opera e a maneira como ele identifica quais são os pontos que os comunistas se opõem e quais defendem, as questões e as políticas dos movimentos comunistas podem variar muito de país para país.

Kincaid cita “The Penkovsky Papers” de Oleg Penkovsky em 1965 para descrever quão radicalmente diferente era o pensamento entre pensadores dialéticos soviéticos e pensadores não dialéticos.

Penkovsky disse que se alguém apresentasse o mesmo conjunto de informações a generais nos Estados Unidos, na Grã-Bretanha e na União Soviética, “o estadunidense e o inglês talvez pudessem chegar à mesma conclusão… mas o general soviético chegaria a conclusões radicalmente diferentes dos outros dois”.

Isto porque Penkovsky disse que, para o comunista, “o processo lógico de sua mente é totalmente diferente do dos seus homólogos ocidentais, porque ele usa a dialética marxista, enquanto os outros usarão alguma forma de raciocínio dedutivo”.

Uma ideologia obscura

Uma das principais mudanças que Marx e Engels fizeram na dialética de Hegel para construir sua dialética comunista foi remover todos os elementos espirituais. No entanto, se analisássemos o materialismo dialético do ponto de vista da antropologia, esta revelaria uma crença obscura e destrutiva.

Os métodos de inversão na dialética comunista não são novos. A abordagem da inversão para criar entendimentos alternativos é um fundamento central das práticas ocultas obscuras que formam suas crenças invertendo interpretações e percepções de práticas tradicionais.

O conceito de inversão foi detalhado pelo Centro de Pesquisa do Terrorismo em seu livro de 2016, “Blood Sacrifices: Violent Non-State Actors and Dark Magico-Religious Activities,” editado por Robert J. Bunker, um ex-consultor na Academia do FBI na Virgínia em 2015 e professor-adjunto de pesquisa no Instituto de Estudos Estratégicos da Escola de Guerra do Exército dos EUA. O termo “mágico” neste caso refere-se à percepção e intenção por trás das atividades cerimoniais.

Ele afirma que “nós, como espécie, não percebemos a realidade objetiva, mas sim uma série de esquemas simbólicos limitados, mediados e interligados que nós, como indivíduos, assumimos como sendo ‘realidade’.”

Ele afirma que nossas percepções da realidade podem ser alteradas por meio de sistemas externos, relacionados a como interpretamos o significado de questões, eventos ou objetos como sendo “símbolos” dentro do “ciclo de significado” de nossas próprias ideologias.

Dentro desse sistema, a ideia de “magia criminal” relacionada às intenções e à percepção é descrita como sendo a percepção promovida dos problemas que “atua como uma visão de mundo que se opõe à visão socialmente dominante”.

Por exemplo, algo que se opõe à visão de mundo religiosa incluirá informações que violam as opiniões da religião sobre o que é certo e o que é errado, e as acusações podem incluir “roubo de crianças, assassinato ritual e canibalismo, e o culto do ‘mal’”.

Se o conceito fosse aplicado às visões políticas de mundo, afirma ele, o elemento “magia criminal” normalmente se centra em torno da “ruptura da ordem social, uma profanação da ‘tradição’ ou ‘história’, e a derrubada da moral social”.

A forma mais importante e “perigosa” disso, afirma, é “a que inverte os componentes essenciais da própria visão de mundo com o objetivo específico de ganhar domínio e poder por meio do medo e do terror… Esta magia criminal de tipo 2 é referida por muitos ocultistas como o Caminho da Mão Esquerda.”

O “Caminho da Mão Esquerda” relaciona-se estreitamente aos métodos dialéticos comunistas para alcançar a revolução.

Ele afirma que o Caminho da Mão Esquerda degrada seus próprios membros para se tornarem “peões a serem manipulados, usados e descartados”. Vemos isso, por exemplo, nos chamados “idiotas úteis” que ajudam os regimes comunistas a conquistarem o poder, apenas para serem marcados para a morte sob o comunismo.

O Caminho da Mão Esquerda também encoraja seus seguidores a se tornarem “sociopatas de facto“, os quais vemos sob a rejeição comunista da moral e sua crença em fomentar o sofrimento humano para avançar em seus objetivos.

É de se notar que, se não for controlado, o Caminho da Mão Esquerda “põe em perigo a sobrevivência de toda a sociedade e sua visão de mundo” por meio da sua degradação intencional da confiança nas visões de mundo existentes e trabalhando para conter e destruir aqueles que se opõem às suas visões de mundo.

Natureza da ferramenta dialética comunista

A natureza da dialética comunista, com suas inversões ideológicas e revoluções do Caminho da Mão Esquerda, levaram muitos escritores a apontarem suas semelhanças com o satanismo, que, em suas formas originais, trabalhava invertendo a moral e as cerimônias do cristianismo e do catolicismo.

De acordo com “Marx e Satanás” de Richard Wurmbrand, um dos traços da magia negra é a inversão dos nomes, e “as inversões em geral permearam toda a maneira de pensar de Marx que ele as usou por toda parte. Ele respondeu ao livro de Proudhon ‘A Filosofia da Miséria’ com outro livro intitulado ‘A Miséria da Filosofia’. Ele também escreveu: ‘Ao invés de usarmos a arma da crítica, temos de usar a crítica das armas.’”

O que o autor estava observando era a dialética comunista em ação, com seus traços de inversão. Mas o autor também estava certo sobre a natureza da técnica, algo que, de fato, está profundamente enraizado nas práticas do Caminho da Mão Esquerda, que seriam definidas como “demoníacas” segundo a perspectiva religiosa.

Marc Tyrell, antropólogo simbolista e coautor de “Blood Sacrifices“, disse via e-mail que costuma descrever a teoria marxista para seus alunos como “a última grande heresia cristã, já que ela inverte muitas das estruturas míticas do cristianismo”.

Ele acrescentou, no entanto, que “seu estilo operacional na verdade precede o cristianismo”, e que a ideologia comunista pode ser rastreada até ideologias ocultistas obscuras mais antigas.

De acordo com Tyrell, as ideias de “bem” e “mal” não são necessariamente binárias, uma vez que as percepções de ambos mudarão de acordo com as visões sociais e religiosas e de mundo de uma pessoa. No que diz respeito às diferenças entre Caminho da Mão Direita e Caminho da Mão Esquerda, ele disse que isso se refere mais claramente às posições polares, como “Ordem e Caos”, “Lei e Anarquia” e “Previsibilidade e Incerteza”.

Suas descrições do Caminho da Mão Esquerda, disse ele, referem-se a um “envenenamento do caos, da anarquia e da incerteza; a evocação e manipulação proposital dessas reações para ganhos pessoais”. De uma perspectiva espiritual, “isso pode destruir completamente a alma das pessoas que fazem isso”, disse ele.

“O Camboja é provavelmente o melhor exemplo” de um sistema do Caminho da Mão Esquerda, disse ele, referindo-se ao governo comunista do Khmer Vermelho, que matou cerca de um terço da população do país. Mas ele acrescentou: “Podemos encontrar exemplos similares em praticamente todos os países comunistas.”

Todo conteúdo deste site está publicado sob a Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-SemDerivados 3.0 Não Adaptada. Para reproduzir a matéria, é necessário apenas dar crédito ao Epoch Times em Português e para o repórter da matéria.
Leia a diferença. Epoch Times Todos os direitos reservados © 2000-2016