FBI é livre para conduzir investigações sobre Kavanaugh, diz Casa Branca

NBC foi uma das primeiras a publicar, citando fontes anônimas, que a Casa Branca havia colocado restrições à investigação do FBI

Por Ivan Pentchoukov, Epoch Times

Ao contrário do que vários artigos na imprensa indicam, a administração Trump não impôs restrições ao FBI para investigar as acusações contra Brett Kavanaugh, indicado pelo Supremo Tribunal, de acordo com dois porta-vozes da Casa Branca e com o próprio presidente Donald Trump.

“A Casa Branca não está microgerenciando esse processo”, disse a assessora de imprensa da Casa Branca, Sarah Sanders, em entrevista à Fox News Sunday.

“O Senado está ditando os termos. Eles estenderam um requerimento e nós o liberamos, como ouviram o presidente dizer, para ‘fazer o que precisa ser feito’. Isso é feito por eles e ficamos fora do caminho para permitir que eles façam exatamente isso.”

Trump ordenou que o FBI abrisse uma investigação sobre as alegações dos acusadores de Kavanaugh depois que pelo menos três senadores com voto decisivo indicaram que não confirmariam o juiz a menos que o Bureau realizasse uma investigação de uma semana. O senador republicano Jeff Flake, do Arizona, foi o primeiro a levantá-lo pouco antes de votar para “promover a indicação de Kavanaugh ao Senado”.

Sanders disse que “não sabia” se o conselheiro da Casa Branca, Don McGahn, teria instruído o FBI sobre quem interrogar ou o que investigar. A consultora da Casa Branca, Kellyanne Conway, também disse que não discutiu o assunto com McGahn.

Conway disse no programa “Estados da União” da CNN que ele só conhece os parâmetros que o Senado estabeleceu para a investigação. O Comitê Judiciário do Senado disse em 28 de setembro que a investigação de base do FBI “seria limitada às atuais alegações confiáveis” e deve ser concluída em uma semana.

“A Casa Branca não está se envolvendo na investigação do FBI dessa maneira”, acrescentou Conway. “Eles devem estar vendo tudo o que acham que é plausível dentro desse escopo limitado”.

Kavanaugh já negou quatro acusações contra ele em testemunho sob pena de perjúrio. O juiz passou pelas audiências de confirmação sem problemas, no início de setembro, antes de enfrentar uma enxurrada de alegações no final do processo, nenhuma das quais foi corroborada por provas ou testemunhas.

Pouco depois de a nomeação de Kavanaugh ter sido transferida para o plenário do Senado, o Comitê Judiciário do Senado pediu à Casa Branca que reabrisse a investigação.

A NBC foi uma das primeiras a publicar, citando fontes anônimas, que a Casa Branca havia colocado restrições à investigação do FBI. O presidente Trump refutou essa alegação e convocou a rede de televisão para retificar suas informações.

“A NBC informou incorretamente (como de costume) que eu estava limitando a investigação do FBI sobre o juiz Kavanaugh e as testemunhas, apenas para certas pessoas. Na verdade, quero que eles interroguem aqueles que julgarem apropriados, a seu critério. Por favor, corrijam suas informações! “, escreveu Trump no Twitter.

O Comitê Democrata solicitou uma investigação do FBI durante a audiência de 27 de setembro, que incluiu a primeira acusadora de Kavanaugh, Christine Ford, e o juiz. Os republicanos repetidamente rejeitaram os pedidos, observando que a Repartição considerava o caso encerrado.

Em uma aparente tentativa de adiar a confirmação de Kavanaugh, os democratas do Senado retiveram as alegações de Ford até que o processo de confirmação do comitê fosse concluído, quando apenas a votação final permaneceu para a indicação para avançar no Senado.

O caos atingiu seu clímax em 27 de setembro, quando Ford manteve sua história e Kavanaugh refutou a acusação. Em um discurso emocionado perante o comitê, com milhões de telespectadores na televisão, Kavanaugh ofereceu uma feroz defesa de seu caráter e reputação, negou todas as acusações contra ele e criticou os democratas por tentarem destruir sua reputação com o objetivo de ganho político.

Trump apoiou Kavanaugh após seu discurso, chamando-o de “poderoso, fascinante e honesto”.

“A estratégia de busca e destruição dos democratas é vergonhosa e esse processo tem sido uma farsa total e um esforço para atrasar, obstruir e resistir. O Senado deve votar!”, escreveu Trump no Twitter em 27 de setembro.

Em 30 de setembro, Trump insinuou que os democratas já estavam alegando que o tempo e o escopo real da investigação não eram suficientes.

“Para eles, nunca será o suficiente — fique atento e veja!”, escreveu Trump.

Os porta-vozes do FBI e o Comitê Judiciário do Senado não responderam ao pedido de comentários sobre o artigo do Times.

Colaborou: Agência Reuters

 
Matérias Relacionadas