Fauci minimiza novo estudo sobre vacinas COVID-19

Por Jack Phillips

O conselheiro da COVID-19 da Casa Branca, Anthony Fauci, em 15 de agosto, minimizou um estudo recente de um importante centro de pesquisa médica que considerou a vacina Pfizer menos eficaz do que a vacina Moderna.

A Mayo Clinic e a empresa de biotecnologia sediada em Cambridge, descobriram no estudo que a eficácia das vacinas de mRNA COVID-19 caiu no mês de julho. Os pesquisadores, embora afirmem que as vacinas fornecem boa proteção contra o vírus, descobriram que a eficácia da vacina Moderna foi de 76 por cento, em comparação com 42 por cento da Pfizer.

“Esse estudo… é um estudo pré-impresso, não foi totalmente revisado por pares”, disse Fauci no programa “Face the Nation” da CBS sobre as recentes descobertas do estudo Mayo-nference, que foi publicado no site medRxiv.org . O estudo reuniu dados de cerca de 25.000 residentes de Minnesota de janeiro e julho.

“Não tenho dúvidas do que eles estão vendo, mas há muitas variáveis ​​confusas lá, sobre quando um foi iniciado, a quantidade relativa de pessoas nesse grupo que eram Delta versus Alfa”, disse ele, referindo-se a dois Variantes do COVID-19. Ele não elaborou.

Tanto a vacina Moderna quanto a Pfizer devem ser usadas como vacinas de reforço, disse ele.

“Neste momento, se recebermos reforços … é claro que queremos ter certeza de que as pessoas, se possível, recebam o reforço da vacina original”, disse Fauci.

Fauci é chefe do Instituto Nacional de Alergia e Doenças Infecciosas desde 1984 e se tornou um dos rostos públicos do governo federal em suas mensagens sobre o COVID-19. Na entrevista, Fauci também disse que espera que a Food and Drug Administration (FDA) autorize totalmente as vacinas.

COVID-19 é a doença causada pelo vírus do PCC (Partido Comunista Chinês) .

A Clínica Mayo não respondeu a um pedido de comentário sobre os comentários de Fauci até o momento.

Os pesquisadores da Mayo Clinic e da nference examinaram os registros para determinar a eficácia das vacinas; os cientistas notaram que o estudo não foi revisado por pares.

Apesar de suas descobertas, os pesquisadores elogiaram a eficácia das vacinas de mRNA, dizendo que elas “protegem fortemente” contra COVID-19 e “doenças graves”.

“Estudos maiores com populações mais diversas são necessários para orientar decisões críticas pendentes de saúde pública e global, como o momento ideal para doses de reforço e quais vacinas devem ser administradas a indivíduos que ainda não receberam uma dose”, escreveram eles.

Quando contatada para comentar, a Pfizer disse anteriormente ao Epoch Times que ela e a parceira BioNTech são “movidas pela ciência para descobrir as melhores abordagens” para combater o vírus. Moderna não respondeu a um pedido de comentário até este momento.

Dias atrás, os Centros de Controle e Prevenção de Doenças (CDC) aprovaram doses de reforço das duas vacinas de mRNA para pessoas com sistema imunológico comprometido. A decisão não se aplica à vacina Johnson & Johnson, que usa tecnologia diferente e requer apenas uma dose.

Entre para nosso canal do Telegram

Siga o Epoch Times no Gettr

Veja também:

 
Matérias Relacionadas