Facebook remove grupo ‘Stop the Steal’ para evitar ‘violência ou agitação civil’

Gigantes da mídia social enfrentam fortes críticas por rotular algumas das postagens de Trump e seus apoiadores que questionavam a legitimidade dos resultados eleitorais como desinformação

Por Gq Pan

O grupo do Facebook onde apoiadores do presidente Donald Trump discutiam alegações de fraude eleitoral e manifestações organizadas em todo o país foi removido da plataforma em um esforço para prevenir “violência ou agitação civil”, disse o CEO do Facebook Mark Zuckerberg.

Zuckerberg, junto com o CEO do Twitter, Jack Dorsey, testemunhou perante o Comitê Judiciário do Senado na terça-feira sobre as ações de suas empresas em relação à eleição presidencial.

Nas semanas que antecederam a eleição, o Facebook e o Twitter bloquearam ativamente uma reportagem do New York Post contendo alegações relacionadas aos negócios estrangeiros da família do candidato democrata Joe Biden. Após as eleições, os gigantes da mídia social enfrentaram fortes críticas por rotular algumas das postagens de Trump e seus apoiadores que questionavam a legitimidade dos resultados eleitorais como desinformação.

Apoiadores do presidente Donald Trump manifestam-se em uma manifestação “Stop the Steal” fora do escritório do Departamento de Eleições do condado de Maricopa em Phoenix, Arizona, em 7 de novembro de 2020 (Mario Tama / Getty Images)
Apoiadores do presidente Donald Trump manifestam-se em uma manifestação “Stop the Steal” fora do escritório do Departamento de Eleições do condado de Maricopa em Phoenix, Arizona, em 7 de novembro de 2020 (Mario Tama / Getty Images)

O movimento polêmico mais recente ocorreu na quinta-feira passada, quando o Facebook removeu o grupo “Stop the Steal”, que na época tinha mais de 350.000 membros conversando sobre alegações de fraude eleitoral e planejadas manifestações pró-Trump nos Estados Unidos.

Quando questionado pela senadora Dianne Feinstein (D-Calif.) se ela acreditava que a disseminação do ceticismo sobre a eleição “poderia incitar a violência”, Zuckerberg respondeu que uma das prioridades do Facebook é impedir que os apoiadores de Trump hospedem eventos possam levar à violência.

“Estou muito preocupado com isso, especialmente com qualquer desinformação ou conteúdo que possa incitar a violência e durante um período volátil como este”, disse Zuckerberg, que se juntou remotamente ao público. “Uma das nossas principais prioridades é garantir que as pessoas não usem nossa plataforma para organizar atos de violência ou agitação civil, e foi com base nisso que removemos esse grupo, porque havia vários membros que estavam postando mensagens potencialmente violentas ou encorajando comentários violentos que violavam nossas políticas”.

A senadora Lindsey Graham (R-S.C.), que preside o comitê, disse que as duas empresas são tendenciosas contra conservadores e pessoas de direita. Ela sugeriu revisar a regra que protege as plataformas de mídia social da responsabilidade pelo conteúdo postado por seus usuários.

“Acho que há preocupações republicanas e democratas sobre o poder que a mídia social está usando para nos dizer o que podemos ver e o que não podemos ver, o que é verdade e o que não é”, disse Graham.

Apoie nosso jornalismo independente doando um “café” para a equipe.

Veja também:

 
Matérias Relacionadas