Facebook acusado de veicular anúncios discriminatórios nos EUA

Facebook permite e incentiva a discriminação baseada em questões como raça e religião, além do sexo, restringindo quem pode ver anúncios relacionados à moradia em suas plataformas e pela Internet

Da Bloomberg

O Departamento de Habitação e Desenvolvimento Urbano dos EUA, disse que está acusando o Facebook Inc. de supostamente violar a Fair Housing Act ao restringir quem pode ver anúncios relacionados a imóveis.

O Facebook permite e incentiva a discriminação baseada em questões como raça e religião, além do sexo, restringindo quem pode ver anúncios relacionados à moradia em suas plataformas e pela Internet, informou o HUD em 28 de março.

“O Facebook está discriminando as pessoas com base em quem são e onde vivem”, disse o secretário do HUD, Ben Carson. “Usar um computador para limitar as escolhas de moradia de uma pessoa pode ser tão discriminatório quanto bater uma porta na cara de alguém.”

A rede social permitia que aquelas casas publicitárias excluíssem pessoas que classificassem como pais; não nascido americano; não cristão; interessado em acessibilidade e cultura hispânica; bem como as classes consideradas protegidas de outros grupos, de acordo com o HUD.

O Facebook tem trabalhado para resolver muitas das questões levantadas, disse um porta-voz da empresa em 28 de março, citando uma decisão no ano passado de eliminar as opções de segmentação que poderiam ser mal utilizadas. Na semana passada, a empresa de Menlo Park, na Califórnia, assinou acordos com a National Fair Housing Alliance, a American Civil Liberties Union e outros para mudar a maneira como os anúncios de habitação e crédito podem ser executados na plataforma. O Facebook disse que não permitiria mais propagandas de moradia, emprego ou crédito serem direcionadas a usuários específicos por idade, sexo ou códigos postais, e empresas que usam a rede social e suas outras plataformas para veicular esses anúncios terão que garantir a conformidade com as leis anti-discriminação.

“Estamos surpresos com a decisão do HUD, pois estamos trabalhando com eles para resolver suas preocupações e tomamos medidas significativas para impedir a discriminação de anúncios”, afirmou o Facebook em comunicado. “Enquanto estávamos ansiosos para encontrar uma solução, o HUD insistiu no acesso a informações confidenciais, como dados de usuários, sem salvaguardas adequadas. Estamos decepcionados com os desenvolvimentos de hoje, mas continuaremos trabalhando com especialistas em direitos civis sobre esses problemas. ”

O Facebook caiu menos de 1%, para US$ 165,29, às 11h15, em Nova York.

A acusação do HUD será ouvida por um juiz de direito administrativo dos Estados Unidos, a menos que uma das partes no processo queira que ele seja transferido para o tribunal federal, de acordo com a agência. Se o juiz decidir que o Facebook violou a Fair Housing Act, as penalidades podem incluir multas e a proibição dos anúncios em questão.

Por Terrence Dopp

 
Matérias Relacionadas