Exportações chinesas para a Coreia do Norte em março se multiplicam por 400 as combinadas de janeiro-fevereiro

Por Nicole Hao

As exportações da China para a Coreia do Norte atingiram um pico de seis meses em março, mais de 398 vezes o total dos dois meses anteriores, informou em 18 de abril a Administração Geral das Alfândegas da China.

A China foi o maior exportador e importador da Coréia do Norte. O forte aumento nas exportações chinesas chamou a atenção das pessoas e alguns dizem que pode ser um sinal de que Pyongyang está abrandando as restrições de fronteira que foram impostas no início do ano passado devido ao COVID-19, em conjunto com o regime de Kim Jong-un que afirma não ter infecções .

Em 3 de fevereiro, o programa COVID-19 Vaccines Global Access (COVAX) anunciou ( pdf ) que distribuiria cerca de 2 milhões de doses da vacina AstraZeneca / Oxford, fabricada na Índia, para a Coréia do Norte. Em 2 de março, o programa disse ( pdf ) que 1,7 milhão de doses seriam entregues a Pyongyang antes de maio.

A alocação da COVAX significará que cerca de 3,9% dos 25,65 milhões de habitantes da Coreia do Norte receberão duas doses da vacina.

Se Kim Jong-un decidir abrir mais a fronteira depois de receber as vacinas COVID-19 da Índia, a China pode se beneficiar muito com o comércio.

O líder norte-coreano Kim Jong-un caminha para uma reunião com o presidente dos EUA Donald Trump na Zona Desmilitarizada (DMZ) em Panmunjom, Coreia, em 30 de junho de 2019 (Brendan Smialowski / AFP via Getty Images)

China-Coréia do Norte

A Coreia do Norte é uma das economias mais fechadas do mundo e não publica seus dados comerciais. Sua negociação é obtida a partir dos relatórios de seus parceiros comerciais.

Segundo dados compilados pela Organização das Nações Unidas, a Coréia do Norte fez negócios com 47 países em 2020. Com alguns deles, como Alemanha, Holanda e Índia, fez comércio bilateral. Ele teve comércio unilateral com outros, como US$ 14,19 milhões em exportações para Mianmar e US$ 2,68 milhões em importações da Suíça.

De acordo com o banco de dados, 96,3% das importações da Coreia do Norte em 2020, ou US$ 491,06 milhões, vieram da China e 41,4% das exportações da Coreia do Norte em 2020, ou US$ 48 milhões, estavam indo para a China. O déficit comercial da Coreia do Norte com a China foi de US$ 443,06 milhões.

O comércio entre a China e a Coreia do Norte pode violar as sanções das Nações Unidas. Em janeiro de 2003, Pyongyang retirou – se unilateralmente do Tratado de Não Proliferação Nuclear da ONU e, entre 2006 e 2017, o regime realizou seis explosões de teste de armas nucleares.

Os norte-coreanos pegam um barco usado como balsa local enquanto cruzam o rio Yalu de Dandong, no nordeste da província de Liaoning da China, a Sinuiju, Coreia do Norte, em 23 de maio de 2017 (Kevin Frayer / Getty Images)

Para impedir o desenvolvimento de armas nucleares da Coréia do Norte, as Nações Unidas proibiram Pyongyang de importar armas, petróleo e produtos de gás e vender vários tipos de metais, moluscos, carvão e têxteis. As Nações Unidas até proibiram os norte-coreanos de trabalhar em outros países.

Mas ainda não está claro se os produtos que a China comercializa com a Coréia do Norte estão em conformidade com as sanções da ONU. Os dados mostram que um grande número de norte-coreanos trabalha na China.

Nos sites de reserva de restaurantes chineses, os restaurantes de Pyongyang são listados como abertos e muitos internautas chineses deixam comentários sobre apresentações de dança norte-coreanas. O Nikkei japonês relatou em 28 de dezembro de 2017, depois que a ONU proibiu os norte-coreanos de trabalhar no exterior, cerca de 50 restaurantes norte-coreanos estavam operando na China, contratando chefs, garçonetes e dançarinos norte-coreanos.

Em julho de 2018, vários meios de comunicação informaram  que cargueiros internacionais continuaram a enviar carvão da Coreia do Norte para a China, Rússia, Coreia do Sul e Japão, em violação das sanções da ONU. Em 24 de março, o New York Times noticiou que a China estava ajudando petroleiros a entregar petróleo à Coreia do Norte.

Negocie através de Yalu

Soldado norte-coreano nas margens do rio Yalu, perto de Sinuiju, em frente à cidade fronteiriça chinesa de Dandong, em 5 de julho de 2017 (Nicolas Asfouri / AFP via Getty Images)O rio Yalu separa a China e a Coréia do Norte. O comércio através do rio é importante.

A Administração Geral das Alfândegas da China divulgou dados comerciais de março em 18 de abril, indicando que a China exportou 83,64 milhões de yuans (US$ 12,98 milhões) para a Coréia do Norte e importou 8,46 milhões de yuans (US$ 1,3 milhão) da Coréia do Norte.

O valor das exportações mostra um grande aumento em relação aos meses anteriores, enquanto as importações permanecem em um nível semelhante.

De acordo com a Administração Geral das Alfândegas da China , em fevereiro , a exportação da China para a Coreia do Norte foi de 20.000 yuans (US$ 3.081) em fevereiro, e em janeiro foi de 190.000 yuans (US$ 29.270).

Os 83,64 milhões de yuans exportados em março se multiplicam por 398,29 o total da soma dos dois meses anteriores, que é de 210 mil yuans.

Na verdade, as exportações de março atingiram o ponto mais alto desde setembro de 2020, quando a China embarcou 131,46 milhões de yuans (US$ 20,25 milhões) em mercadorias para este vizinho.

Em 2020, a China exportou 3,45 bilhões de yuans (US$ 530 milhões) para a Coreia do Norte, a maior parte comercializada no primeiro semestre do ano. As exportações em 2019 totalizaram 17,765 milhões de yuans (US$ 2,74 bilhões) e, em 2018, 14,677 milhões de yuans (US$ 2,26 bilhões).

 
Matérias Relacionadas