Expert sobre a China: “Eles não sabem nada sobre Mercado de Capitais”

A China permitiu que o mundo pudesse respirar um pouco na segunda semana de janeiro. As ações chinesas subiram 2 % e o banco central fixou o valor da moeda um pouco mais para cima. Os estoques mundiais estavam mais ou menos inalterados.

Após uma semana de caos completo do mercado, esta é uma pausa bem-vinda, mas não vai mudar nada em longo prazo, diz James Rickards, autor dos livros “Currency Wars” e “The Death of Money“.

“Os chineses são comunistas e eles não sabem nada sobre os mercados de capitais. Colocar comunistas como encarregados dos mercados de capitais é como dar uma arma carregada para uma criança de 3 anos de idade”, disse ele à emissora canadense CBC.

Leia também:
• Caos na moeda chinesa: yuan em queda vertiginosa!

Ele disse que o maior erro da China foi chocar o mundo por desvalorizar sua moeda, em agosto de 2015. “Você nunca deve chocar o sistema;  você sempre deve deixar as pessoas saberem o que está por vir “, disse ele. Naquela época, o movimento veio como uma surpresa completa e balançou a crença do mundo no planejamento central chinês.

Desde então, as autoridades chinesas têm aprendido a lição, embora um pouco tarde, e estão enviando sinais de que a moeda cairá mais.

Segundo a Reuters, o banco central anunciou a informação em seu site no dia 8 de janeiro:

“O banco central também disse que faria o yuan mais internacional, manter a moeda basicamente estável, melhorar ainda mais o mecanismo de formação de moeda, e aprofundar  as reformas do sistema de gestão de câmbio e instituições financeiras.”

Traduzindo, isso significa que o yuan vai se depreciar ainda mais frente ao dólar. A China tem um conjunto restrito de opções, de acordo com a lei da impossível trindade:

  1. Ter uma conta de capital aberto
  2. Ter uma política monetária independente
  3. Ter uma taxa de câmbio estável

Em um determinado momento, apenas dois são possíveis. Rickards diz que a China vai escolher uma política monetária independente e uma conta de capital aberto, semelhante a mercados mais desenvolvidos. “Eles têm que desvalorizar a moeda. Eles não irão fechar a conta de capitais, há muita pressão do Fundo Monetário Internacional. Eles não vão desistir da política monetária independente, e não vão aumentar as taxas afim de parar as saídas de capital, logo eles terão que desvalorizar a moeda “, disse ele.

Leia também:
• Todos os departamentos do regime chinês agora são alvo de investigação anticorrupção

Como é de se esperar em uma transição para uma economia de consumo, Rickards acha que vai demorar mais tempo do que as pessoas esperam.

“Eu não estou tão certo de que a demanda exista. Há um monte de chineses, mas a sua distribuição de renda é amplamente influenciada. Eles têm uma espécie de classe média de 200 milhões de pessoas, em uma população de 1,2 bilhão, mas essas pessoas praticamente comem casca de árvores, elas são muito pobres”, disse ele.

“Aqueles que têm algum dinheiro, perderam o que tinham em ativos supervalorizados, como imóveis e ações, de modo que eles estão em apuros. Esta transição para a economia de consumo  irá demorar por volta de 5 ou 10 anos; a situação não será resolvida hoje. O crescimento da China  deparou-se com um grand canyon – terá que cair, e muito”.

Leia também:
• Empresas zumbi: as estatais chinesas que afundam a economia do país

 
Matérias Relacionadas