Experiência milagrosa da cura de um professor e de sua filha

Ao nos ver tão felizes, ninguém imaginaria que minha filha e eu estivemos imersos em desespero e sofrimento há pouco tempo

Por Thai Quang Vinh, DKN.tv

Observando minha filha colocar solenemente o livro “Zhuan Falun” na caixa de vidro, depois dormir com um sorriso no rosto, me faz sentir tão tranquilo como se estivesse passeando em um jardim diferente com flores perfumadas e pássaros cantando.

Eu sou um pai feliz. Ao ver como somos felizes, ninguém imaginaria que minha filha e eu estivemos imersos em desespero e sofrimento há pouco tempo. O sofrimento atormentou nossa mente e corpo de forma a nos sentirmos afugentados.

Bao My com sua mãe no Vietnã (DKN.tv)
Bao My com sua mãe no Vietnã (DKN.tv)

Os dias de inferno na terra

Era um lindo dia há 5 anos atrás. Minha filha Bao My tinha 11 anos na época. Sua escola organizou uma viagem ao ar livre para os estudantes irem à praia de Long Hai, na província de Ba Ria. Minha filha nunca tinha viajado sozinha desde a infância. No entanto, ela insistiu desta vez em participar da viagem durante toda a semana. Eu tive que chamar sua professora e pedi para ela prestar mais atenção nela. Eu deveria ter ficado tranquilo com a viagem dela pois sua colega de classe foi nossa filha adotiva temporariamente por 2 anos. Elas se entendiam muito bem e ficavam grudadas uma na outra o tempo todo. Por alguma razão que eu não sei, eu fiquei sem dormir na noite anterior à partida dela. Vendo as duas filhas dormirem bem, eu me sentei em meditação. Eu estava de joelhos em frente ao altar de Buda e o adorava sinceramente. Ainda não tinha certeza de minha decisão, eu olhei para elas novamente antes de ir para a cama. Quando acordei de manhã, soube que elas tinham saído às 3-4 da manhã.

Às 11 da manhã, ouvi a professora da escola informar que minha filha estava no pronto-socorro do hospital de Ba Ria. Ela brincava à beira-mar com suas amigas, de cabeça para baixo e inesperadamente, sua doença voltou. Ela desmaiou e inalou areia e água do mar. Suas amigas ainda estavam brincando com ela enquanto pensavam que ela estava deitada brincando. E não havia esperança na sala de emergência …

Bao My em uma aula de culinária no Vietnã (DKN,tv)
Bao My em uma aula de culinária no Vietnã (DKN,tv)

Abri os olhos e vi meu irmão e muitos outros. Eles falavam em voz alta. Eles me informaram que ela havia sobrevivido e estava sendo levada por uma ambulância para o Hospital Infantil Sai Gon nº 2.

Foi assim… quando ouvi as más notícias, caí da escada e desmaiei. Eu recuperei minha consciência em poucas horas. Minha esposa e eu ansiosamente corremos para o hospital e chegamos às sete da noite. Ela deitou na maca e foi levada para a sala de emergência. Fiquei feliz em ver que seus lábios não estavam pálidos, seu corpo estava quase em condições normais. Nós pretendíamos levá-la para casa, mas o médico dela precisou fazer alguns exames antes de liberá-la. Uma enfermeira me deu a ordem para ela tirar radiografia. Minha esposa queria ignorar todos os procedimentos, mas decidi deixá-la seguir o pedido de seu médico.

Tarde da noite, uma médica que estava assumindo o novo turno, sobrecarregada, olhava para o resultado do raios-X. Ela entrou em pânico e instantaneamente ordenou um tratamento de emergência para ela pois seu pulmão estava muito ferido. Nós éramos muito impulsivos! O que aconteceria se a levássemos para casa ignorando o pedido do médico?

Bao My já curada em uma tarde no Vietnã (DKN.tv)
Bao My já curada em uma tarde no Vietnã (DKN.tv)

Minha filha e eu estávamos estressados ​​no hospital que tinha uma cama para 3 pacientes. Se os cuidadores também fossem contados, cada leito era destinado a um grupo de 6 pessoas. Depois de uma única injeção, precisávamos encontrar um lugar para um descanso rápido, que poderia ser uma cadeira de pedra ou algum corredor sem ar condicionado. Ao longo das noites quentes sem um ventilador elétrico e, ocasionalmente, ouvindo o choro de uma mãe que acabou de perder seu filho… Eu ainda sinto arrepios sempre que recordo nossos momentos ao longo de 12 dias naquele hospital. “Seria o inferno na terra?” Nós dois estávamos acabados. Eu mesmo havia passado por uma cirurgia onde haviam inserido quatro parafusos em minha coluna em 2007 e minha filha estava gravemente doente.

Como resultado, quando minha filha teve alta do hospital e voltou para a escola, eu fiquei sentindo muitas dores em toda minha coluna. Eu parei de lecionar por alguns meses depois e então fui hospitalizado de novo, desta vez por causa da hérnia de disco na parte de trás do meu peito. Minha coluna estava sendo sustentada por 6 parafusos. Eu estava paralisado, deitado e imóvel, esperando o dia em que iria acompanhar meus antepassados. Minha filha era a única com paciência suficiente para me massagear diariamente, ainda que com lágrimas no rosto. Eu entendo que a morte está chegando. Eu queria me livrar da dor a cada segundo e sentia que estava vivendo demais. Mas minha filha era tão pequena. Mordi meus lábios para impedir que eu chorasse!

Bao My praticando o quinto exercício do Falun Gong (DKN,tv)
Bao My praticando o quinto exercício do Falun Gong (DKN,tv)

A estranha história do rapto de uma criança de 8 anos

Minha filha, Bao My, nasceu e cresceu de forma muito adorável e graciosa. Lembro-me dos dias em que a peguei no jardim de infância. Ela corria muito e cantava várias músicas. Quando ela já estava na moto, ela sempre pedia uma volta pela nova zona industrial antes de ir para casa. Ela tinha uma personalidade forte. Ela raramente chorava, mas quando chorava, podia ser o dia todo e ninguém seria capaz de consolá-la. Ela gostava de subir e descer em todos os lugares e frequentemente ela caía.

Quando ela fez 8 anos, começamos a ter vários incidentes. Eles me deixaram insone e muitas vezes tive pesadelos. Era início do novo ano lunar. Eu voltei para o norte. Minha esposa a levou para a casa da minha sogra para comemorar a véspera de Ano Novo. Na noite anterior à véspera de ano novo lunar, nenhuma criança era autorizada a sair. Minha filha conseguiu escapar, apesar da porta trancada, enquanto sentia falta do pai, incapaz de cair no sono. Distante da casa da minha sogra, havia um campo com muitas sepulturas. Do lado direito havia um santuário para adoração do divino. Todo mundo que passava pelo santuário durante o dia sentia-se inseguro, para não mencionar durante a noite.

Ela se atreveu a sair. Mais tarde, ela nos contou que viu muitas cenas de terror. Ela queria ir para dentro instantaneamente, mas aparentemente uma força invisível a segurou e forçou-a severamente a sentar-se em um lugar e ela se curvou. Ela podia ver alguém entrando em seu corpo. Felizmente, ela foi encontrada na hora certa e prontamente levada para a casa. Ela se tornou outra pessoa no dia seguinte. À noite, ela ficou muito tentada a ir para o campo fantasmagórico em frente à casa novamente.

Bao My com o pai no dia do Falun Dafa (DKN.tv)
Bao My com o pai no dia do Falun Dafa (DKN.tv)

Desde aquele dia, ela ocasionalmente mudava, sussurrava, murmurava e ficava inconsciente. Ela desmaiava várias vezes ao dia e muitas vezes desmaiava por volta das 11h (hora do cavalo no calendário chinês). Ela desmaiava de repente. Enquanto brincava com as amigas, ela de repente parava na postura como uma estátua. Eu não acreditava na morte de Tu Hai. Eu achava que Nguyen Du usava literatura para exagerar. De acordo com teorias físicas, um objeto só pode ficar firme em uma base e deve haver um fator de equilíbrio para sustentá-lo. Mas minha filha podia “ficar de pé” em qualquer postura! Eu sou “materialista” e não acredito em coisas como “uma alma entrando em um corpo humano” ou acredito em coisas que não são cientificamente provadas, daí meu primeiro pensamento foi o de levar minha filha ao hospital, colocando minha confiança no ocidente com seus remédios e bons médicos.

Era notável que minha filha desmaiava de uma maneira muito incomum em comparação com aqueles que têm epilepsia. Ela não dava nenhum sinal anormal antes de ficar inconsciente. Às vezes ela ficava desmaiada entre um a dois minutos, mas outras vezes, era muito assustador. Seu corpo inteiro era como uma corda grande ancorando um navio no meio de uma tempestade. Às vezes solto. Ela era como uma água viva jogada na praia. Suas mãos e pés ficavam sem força, moles e surrados. Às vezes ela continuava se contorcendo e seu corpo ficava rígido da cabeça aos pés. Normalmente, durante esse tempo seu rosto estava muito tenso. Sua cabeça virou-se para a direita como se alguém se inclinasse. Sua boca ficava distorcida. Se eu não fosse rápido o suficiente para usar um livro ou uma varinha de cozinha, teria que colocar o polegar na boca dela. Como resultado, minhas mãos estavam sangrando e inchando e demoravam alguns dias para eu me recuperar.

Bao My lendo o livro Zhuan Falun (DKN.tv)
Bao My lendo o livro Zhuan Falun (DKN.tv)

Eu ficava muito preocupado quando ela estava na escola. Eu ficava em pânico a cada telefonema que eu recebia e corria para a clínica da escola, esperando que ela acordasse para levá-la para casa. Às vezes, olhando suas roupas encharcadas, eu sabia que ela desmaiava no banheiro. Ela meio que perdeu o apetite por comida depois de tais incidentes. Ninguém conseguia ajudá-la a tempo, por isso ela mordia tanto a língua que ela continuava sangrando e inchando por semanas. Ela insistiu em deixar a escola, tinha medo de não conseguir fazer amigos. Hoje em dia, as crianças consideram até a miséria dos outros como piadas. Ela estava sozinha e ninguém ligava para nela. Ela sempre me dizia chorando que ela sofria bullying na escola. Tudo que se podia fazer era abraçá-la ou deixá-la descansar por alguns minutos quando ela desmaiava, e então ela ficava bem. Ela parecia não estar muito cansada depois dos desmaios. Mas quem poderia estar ao seu lado 24 horas por dia?

Viagem para encontrar a cura para sua doença grave

A princípio, eu acreditava totalmente na medicina ocidental. Nós fomos a hospitais públicos e privados. Tínhamos até que nos preparar por alguns dias, além de ter que esperar o dia todo para ver o Dr. Ton That Vinh na clínica de Tam Duc. Conheci muitos monges, freiras e outros pais que costumavam ser fazendeiros muito ricos, mas por causa das doenças cardíacas vendiam todos os bens para pagarem os tratamentos. Minha filha e eu procuramos vários especialistas, e passávamos de um para outro. Nós recebemos uma grande quantidade de papéis que eram resultado de um teste de funcionamento do cérebro (teste EEG). Com o passar do tempo nós começamos a perder as esperanças. Então nós decidimos procurar a medicina oriental, tratamento de ervas etc. e começamos a nos aprofundar mais na abordagem não-científica, que nós chamamos de “superstição”. Na verdade se você tem uma doença, você vai em todos lugares da terra para encontrar a cura. Fomos então em busca de curandeiros. Minha pobre filhinha passou por todos os tipos de experimentos em todos os lugares: feiticeiros que falavam com Deus usando um saco de asfalto; através da dança, da leitura de feitiços de outros países etc.

Minha família costumava ir aos templos. Nas férias de verão, minha filha usava uma roupa de monge e ficava no templo por uma semana. Aos domingos, ou nos feriados do Vietnã, seguíamos um grupo de praticantes budistas para meditar e ler os sutras budistas. Participamos das sessões de liberação de pássaros e peixes. Ficamos todos os dias fazendo guirlandas de pomelos para usar no pescoço dos adoradores … Visitávamos a maioria dos grandes templos no norte e no sul do Vietnã sempre que podíamos fazê-lo.

Então, começamos a encontrar “monges-médicos” que residiam nos templos. Uma vez fomos apresentados a um monge-médico num templo em Binh Phuoc. Eu tive que pedir uma referência ao meu aluno que costumava ser monge para conseguir ser atendido por este médico. Nós três fomos para um lugar muito distante, adorando a várias estátuas. O médico pediu que eu lhe desse uma pequena foto da minha filha, de modo que ele pudesse colocá-la sob a estátua de Avalokiteshvara e recitar as orações da Grande Compaixão. Eu entrei em uma sala à luz de velas e vi que havia uma estátua de Buda e muitos retratos.

Uma vez recebi um telefonema de um aluno meu em Cu Chi. Ele estava certo de que ele havia encontrado um verdadeiro médico que poderia salvar minha filha. Ele estava prestes a tirar um dia para nos levar ao médico. Ele disse que sua irmã tinha sintomas de desmaios há mais de uma década e ela tinha sido encaminhada por um amigo em Bien Hoa,  onde finalmente conseguiu de se livrar da doença. Persuadido por seu entusiasmo, fomos a um templo localizado no beco no distrito 4. Este era um templo grande e antigo. Nós nos juntamos à cerimônia ritual com muitos outros, comemos comida vegetariana e lemos os sutras de joelhos …

De tarde, muitas pessoas se reuniram no pátio do templo. Eles estavam na mesma situação nossa. Ouvimos histórias positivas da multidão e aumentamos nossa crença na terapia. Nos disseram para comprar uma garrafa grande de água potável e a colocar na frente da estátua de Quan Yin. Nós estávamos na fila para entrar no salão principal, que era bastante apertado. Nós seguimos a cerimônia ritual e aproximaos passo a passo  em direção ao Mestre.

O Mestre, depois de me escutar, consolou-me e disse à minha filha que se sentasse à sua frente. Ele leu a oração solene e depois bateu palmas em um ritmo. Nós pegamos a garrafa de água novamente. Ele fez gestos místicos. Bebemos a água e depois levamos a garrafa de água benta para casa com uma forte crença de que minha filha seria curada. Todos os dias estávamos de joelhos na frente da estátua de Quan Yin compartilhando a água benta …

Todos os dias meu aluno conversava comigo e pedia para sermos pacientes … Mas nós ainda não víamos resultados.

Sendo “supersticioso” e ainda sem obter algum resultado, percebi que era estava perdido, então voltei ao método tradicional, me dirigindo a um hospital psiquiátrico em Phan Dang Luu. A cada duas semanas, nós esperávamos na fila para receber remédios. Em seguida, conhecemos um médico, que nos aconselhou a usar a mesma receita para comprar remédios por alguns meses. Ele disse que “o exame neurológico, não importa quão bom seja o médico, é um palpite. Seu filho ficou doente por tanto tempo, ela tem que viver com remédio … ”. Suspirei! E a decepção so aumentava! O desespero gradualmente tomou conta de meu peito, e me sentia sufocado até o pescoço. As lágrimas desciam ilustrando minha desesperança. Às vezes eu não queria esconder minhas lágrimas, mesmo sabendo que um homem não deveria chorar.

Um dia recebi um telefonema de uma amiga do interior onde lecionei por um tempo. Ela me convidou para voltar. Ouvi-a, pensei que esta era uma chance de salvar minha filha depois de nossa longa busca. Voltei ao caminho da superstição. Minha amiga estava tão entusiasmada, deixando seus negócios para trás para me levar a um monumento fantástico. Inacreditavelmente, a pessoa de confiança do mestre costumava ser minha aluna e agora uma monja. Eu fui muito bem recebido. Depois de algumas xícaras de chá, o mestre me levou a uma sala iluminada e perfumada. Segui os movimentos rituais do mestre e cultuei na frente de muitos altares antes de me sentar, prendendo a respiração, esperando a orientação do mestre. Ele pegou alguns papéis amarelos, escreveu alguns caracteres chineses muito rápidos e de forma graciosa. Ele me pediu para colocar um papel debaixo da estátua do Buda em casa, colocar outro papel debaixo do travesseiro da minha filha. Três outros papéis seriam queimados e dissolvidos na água e minha filha teria que beber essa água nos 3 dias seguintes. Os papéis remanescentes seriam queimados assim que terminássemos a cerimônia ritual necessária. Eu os anotei com cuidado. Eu perguntei por que não preparamos a comida vegetariana na cerimônia ritual, ele corou com raiva: “Esses são fantasmas, dão comida, bebem e depois os afugentam. Como eles poderiam ser vegetarianos?”.

Eu tive que pedir a minha avó para ajudar na cerimônia ritual. Eu ainda estava em dúvida de que eu pudesse mesmo me livrar do diabo. Mas que surpresa! Depois daquela cerimônia, minha filha estava acordada. Ela tomava os remédios e eu cuidava dela todos os dias. Semanas e meses se passaram, minha filha foi para a escola sem indicativos anormais. Todo mundo ficou feliz por nós. Eu elogiei a terapia para todos que conheci. No fundo do meu coração, senti-me sinceramente grato ao mestre. Se minha filha não se sufocasse mais na praia de Long Hai, continuaria compartilhando meus elogios para muito mais pessoas.

Durante os dias de espera pelos mortos, nós de repente pegamos o elixir e testemunhamos o divino

O elixir que mencionei aqui é um livro e cinco exercícios de qigong. Em junho de 2012, um amigo meu me deu um livro chamado Zhuan Falun. Depois de ler o livro por um curto período de tempo, consegui me virar facilmente, sem dor. Levantei-me e comecei a me levantar. Eu estava tão animado que pedi aos meus companheiros de treino que fossem à minha casa todas as manhãs para levar minha filha ao Tao Dan Park para praticar Falun Gong … Ouvi dizer que minha filha não desmaiou, mas no meio do exercício ela ficou sonâmbula. Ela ficou vagando ao redor e conversava com quem ela encontrava: “Onde você me levou?”

Meus companheiros praticantes a trouxeram de volta para casa. Depois de muito tempo estando paralisado, eu consegui me levantar. My Bao  me ensinou os exercícios. Eu progredi muito rápido, mas minha filha ainda tinha sintomas repetidos, ou seja, sonambulismo. Mais tarde descobri que tinha melhores resultados porque li o livro e pratiquei ao mesmo tempo, enquanto minha filha só praticava os exercícios.

Persistência! Minha filha e eu éramos muito persistentes. Esta é a única boia salva-vidas e a última chance para nós. Nós nos encorajamos. Minha filha estava apenas na 7ª série, mas tinha uma tolerância respeitável. Ela tem uma fé pura e absoluta no Sr. Li Hongzhi, o autor de Zhuan Falun, e fundador do Falun Dafa.

Finalmente, o milagre se abriu para nós dois. Depois de dois meses lendo o livro e praticando os exercícios, nos tornamos novos seres humanos, tendo nossas novas vidas. Após 3 anos de prática, nós dois não estávamos mais doentes. Para ser preciso, na primeira etapa, ela repetiu o sintoma uma vez em vários meses. No entanto, ela podia sentir que a doença estava voltando e conseguiu lidar com isso.

Minha filha passou de uma garota tímida, quieta, doente e desinformada, de uma criança isolada sem amigos para uma garota saudável, com um bom desempenho acadêmico e com muitos amigos adoráveis ​​… Nós mudamos nossas vidas de forma extremamente rápida e milagrosa. É tão mágico e tão rápido que nós mesmos, nossos parentes e amigos que nos testemunharam lutando contra a doença em desespero, ficaram surpresos. Uma coisa eu tenho certeza que somente aqueles que estão alcançando o primeiro nível do inferno podem realizar plenamente o milagre da crença no divino, o grande Dharma do Buda. É verdade que o divino apareceu no plano humano.

Agora, sempre que estamos na frente da foto do Sr. Li Hongzhi, a quem consideramos ser o maior e mais compassivo Mestre, somos sempre sérios e respeitosos. Palavras não podem descrever nossa gratidão para com ele. Para mim, pessoalmente, muitas vezes me lembro quando lembro de memórias passadas e presto uma homenagem de coração: FALUN DAFA É BOM! VERDADE – COMPAIXÃO – TOLERÂNCIA É BOM!

Thai Quang Vinh

 
Matérias Relacionadas