Exclusivo: partido governante da Índia adverte, ‘mundo deveria estar preocupado’ sobre comportamento recente da China

Índia e China estão envolvidas em uma situação de fronteira tensa desde 15 de junho

Por Venus Upadhayaya

O vice-presidente do partido governante da Índia, o Partido Bhartiya Janta (BJP), disse ao Epoch Times em uma entrevista exclusiva que não há lógica para o recente comportamento agressivo da China com a Índia. O mundo deve se preocupar com as agendas subjacentes ao comportamento recente da China, disse ele.

“A forma como eles estão intensificando a agressão e, como eu disse, não se trata apenas da Índia, vocês viram o comportamento agressivo quando se trata de Taiwan, quando se trata do Japão, [e] atividades no Mar do Sul da China. E assim parece se encaixar em um padrão e o mundo deveria se preocupar com isso”, Baijayant Panda, vice-presidente e porta-voz do BJP, disse ao Epoch Times por telefone de Nova Delhi.

Índia e China estão envolvidas em uma situação de fronteira tensa desde 15 de junho, depois que 20 soldados indianos e um número desconhecido de soldados chineses foram mortos em um conflito corpo a corpo nas colinas do Himalaia de Galwan em Ladakh. Desde então, os dois países posicionaram dezenas de milhares de soldados em cada lado da fronteira.

De acordo com os desenvolvimentos recentes, a China fez uma nova proposta para diminuir as tensões na fronteira. Ela disse à Índia que voltaria do território indiano na margem norte do lago Pangong Tso, se a Índia voltasse de uma posição que os chineses desejam. A Índia negou esta proposta, de acordo com relatos da mídia indiana.

“Vimos que nos últimos tempos a China deu alguns passos que têm sido muito incomuns”, disse Panda. “Vimos isso em 2017 na Doklam, onde eles mostraram um comportamento agressivo. E também vimos outras instâncias menores. Agora, este é um grande exemplo de comportamento agressivo”.

Soldados indianos e chineses sofreram golpes físicos em maio no estado de Sikkim, no nordeste da Índia e tiveram um sério conflito na região em 2017, quando a China tentou estender uma estrada através do planalto de Doklam entre o Butão, a Índia e a China, administrada pelo Butão, mas China afirma que as autoridades butanesas buscaram o apoio do exército indiano, desencadeando um impasse na fronteira por 73 dias. Após semanas de negociações, os dois países retiraram suas tropas, mas os chineses começaram a construir uma infraestrutura massiva na região.

Relações Globais da Índia

O vice-presidente do BJP disse ao Epoch Times que a era da Guerra Fria acabou e o mundo de hoje é multipolar. É necessário cooperar e as atuais tensões entre a Índia e a China devem ser motivo de preocupação para o mundo.

“O mundo evoluiu para um mundo multipolar desde o fim da Guerra Fria. Houve um período em que havia um mundo unipolar, mas houve a ascensão da China”, disse Panda, acrescentando que há outras economias que estão crescendo, incluindo a Índia, e há outras democracias que têm interesse na dinâmica de desenvolvimento na região.

“Reconhecer que é preciso cooperar. E para que você saiba, a situação Índia-China deve ser motivo de preocupação”, disse ele.

Panda disse que a Índia tem relacionamentos em evolução com várias democracias no mundo, e a proximidade da Índia com algumas nações pode estar preocupando a China.

“A Índia e os EUA estão se aproximando”, disse ele, acrescentando que a Índia também tem “trabalhado em estreita colaboração com muitas outras democracias, como Japão e Austrália. Então, tudo isso pode ser um fator”.

Panda também disse que a China tem um histórico de influenciar outros vizinhos asiáticos menores por meio de várias “declarações” e “ações” e de decidir unilateralmente como o relacionamento deve ser mantido. Tal comportamento não é baseado em lógica ou ética ou acordos prévios, disse ele.

Ele disse, porém, que a Índia não é como essas nações menores. É um país grande e o único com uma população que compete com a da China.

“E esta é uma Índia diferente. Esta não é a Índia de 1962. Esta não é nem mesmo a Índia dos anos 80 ou 90. E a Índia vai garantir que nosso território seja protegido. E qualquer resposta que for necessária, a Índia terá”, disse Panda.

O vice-presidente do partido governante da Índia também destacou a recente emissão de uma advertência pela China a alguns meios de comunicação indianos depois de desejar felicidades a Taiwan em seu Dia Nacional em 10 de outubro.

“A Embaixada da China aqui emitiu declarações tentando ordenar a mídia indiana sobre como deveriam se comportar e o que deveriam cobrir. Agora, isso é muito pouco profissional, porque, em países democráticos, você não está em posição de ordenar a mídia”, disse Panda.

Eleições dos EUA

Panda disse que a hostilidade crescente da China em relação à Índia também pode ser uma consequência das próximas eleições nos Estados Unidos.

“Índia e EUA estão se aproximando. A Índia e alguns dos outros grandes países estão se aproximando. A Índia foi convidada para a cúpula do G7 pelo presidente dos EUA”, disse ele.

“A Índia tem sido contestada pela China em termos das reformas do Conselho de Segurança da ONU que a Índia tem buscado e outras nações como o Japão e o Brasil também buscam”, disse Panda.

Ele disse que todas essas razões poderiam explicar o comportamento hostil da China, mas a Índia não está interessada em tal “hostilidade”.

“A Índia não tem interesse em ter hostilidade. A intenção da Índia é ter relações pacíficas com todas as nações, especialmente com os vizinhos e temos uma longa fronteira com a China e uma longa e disputada fronteira com a China. Não estamos interessados ​​em hostilidade”, disse Panda, acrescentando que também pode haver razões globais internacionais que motivam a agressão da China.

“A realidade é que essas não são ações lógicas racionais com base nos entendimentos existentes”, disse ele.

Quando questionado se a China está preocupada com a crescente amizade entre o presidente dos EUA, Donald Trump, e o primeiro-ministro indiano Modi, Panda disse que a China costuma usar essas táticas de pressão.

“Sim. Quer dizer, o presidente Trump assumiu uma postura muito forte em corrigir vários desequilíbrios com a China, especialmente os desequilíbrios econômicos. Certo, houve uma guerra na frente comercial. Mas se a China fizesse essas coisas para tentar influenciar as eleições nos Estados Unidos, seria muito lamentável e muito incorreto”, disse Panda.

Coronavírus

O vice-presidente do BJP disse que há muita especulação sobre o coronavírus que se originou na China, e todos os tipos de “alegações” foram feitas.

“E em todo o mundo, parece haver um ressentimento crescente sobre como a China se comportou”, disse Panda, acrescentando que o comportamento agressivo da China também pode ser uma tática para desviar a atenção do mundo desse ressentimento.

Panda disse recentemente que a China mostrou comportamento agressivo semelhante em relação a outros países. Ele mencionou particularmente a Austrália e disse que a China deu “passos duros” em relação à nação do Pacífico.

O relacionamento da China e da Austrália, como o da Índia e da China, atingiu seu ponto mais baixo recentemente. Desde este verão, a China impôs uma tarifa de 80% sobre a cevada australiana, obstruiu a importação de carne bovina australiana, prendeu um funcionário da mídia australiana e proibiu dois acadêmicos australianos de visitar a China.

Desde a eclosão do coronavírus, a China também acusou a Austrália de “intensificar a ofensiva de espionagem” e de “infiltração, espionagem e roubo tecnológico”, relatou o Global Times, uma mídia estatal chinesa. Em meio a tensões crescentes entre os dois países, a China também parou de comprar carvão australiano, informou a Bloomberg.

Panda disse que pode haver outras razões por trás do comportamento agressivo da China e “talvez” possa até estar relacionado a razões internas na China. “Porque realmente não há razão lógica para tal confronto com a Índia”, disse Panda.

Índia é o maior mercado livre

Panda disse que, uma vez que há uma guerra comercial entre a China e os Estados Unidos, a China deveria ser “mais razoável” com grandes mercados livres como a Índia, mas o comportamento recente do país comunista não mostra isso.

“Estranho, porque vimos por vários anos a guerra comercial entre EUA e China, e normalmente isso deveria significar que a China deveria ser mais razoável ou pelo menos igualmente razoável com outros mercados como a Índia, então de repente, sem rima ou razão, se tornaria mais agressivo em outros mercados também não faz sentido”, disse Panda.

Ele mencionou que a China cresceu e se tornou a segunda maior economia do mundo porque a China foi autorizada a entrar na OMC, mas agora a China está violando suas regras.

“Mas então, como é bem sabido, a China muitas vezes não funciona na mesma lógica, como é seguida pela maioria das nações do mundo”, disse Panda, acrescentando que é trágico que a China se recuse a seguir as regras da OMC. Ela se beneficiou dessas regras, disse ele, e essas regras continuam a reger o comércio global, as transações globais e as relações entre vizinhos.

“Ela também convida à retribuição, porque a Índia teve que tomar essas medidas para banir mais de 100 aplicativos chineses e cancelar e colocar em espera muitos outros investimentos e contratos chineses na Índia”, disse Panda.

Ele disse que apesar do comportamento provocador da China e das mortes de seus soldados, a Índia mostrou “extrema paciência”.

“A Índia tem demonstrado que temos vontade de defender nosso território, seja por meios militares, seja por meios econômicos. Mas, ao mesmo tempo, como você sabe, a Índia está comprometida com negociações como forma de resolver essas disputas”, disse Panda. “E essa é a convicção da Índia. Só usamos a força em legítima defesa e não como um movimento agressivo”.

Siga Venus no Twitter: @venusupadhayaya

Apoie nosso jornalismo independente doando um “café” para a equipe.

Veja também:

 
Matérias Relacionadas