Ex-presidente americano Jimmy Carter defende Donald Trump

Em uma entrevista talvez surpreendente com The New York Times, o ex-presidente dos Estados Unidos Jimmy Carter, um democrata, intercedeu em defesa do presidente Donald Trump.

Carter, 93, criticou a mídia por sua cobertura de Trump, ao mesmo tempo em que reconhece os desafios que Trump enfrenta devido às mudanças nas relações de poder, já que os EUA são cada vez mais desafiados pela China, Rússia e outros poderes crescentes.

Sobre a Coreia do Norte, Carter criticou o ex-presidente Barack Obama por ter “recusado” falar mais com a Coreia do Norte. O próprio Trump expressou um sentimento semelhante, dizendo que a atual crise norte-coreana poderia ter sido evitada se as gestões americanas anteriores tivessem abordado o problema do desenvolvimento de armas nucleares da Coreia do Norte em uma fase anterior.

Reconhecendo estar “com medo” do impasse com a Coreia do Norte, dada a imprevisibilidade de Kim Jong-un, Carter disse que está disposto a ir para a Coreia do Norte em missão diplomática, caso solicitado pelo Governo Trump. Ele disse que até mesmo ofereceu seus serviços ao conselheiro de Segurança Nacional de Trump, H. R. McMaster.

Do mesmo modo, sobre Oriente Médio, Carter disse que Obama “fez algumas declarações muito maravilhosas” quando ele assumiu o poder, mas “então ele renegou sobre isso”.

Carter, que fundou o Centro Carter em 1982, indicou que o genro de Trump, Jared Kushner, que está tentando negociar a paz entre israelenses e palestinos, pode ter sucesso. “Eu tenho visto no mundo árabe, incluindo o mundo palestino, a grande estima que eles prestam a um membro da própria família”, disse Carter.

Carter também disse que gostou do fato de Trump ter se aproximado da Arábia Saudita. Trump visitou o país em maio, na primeira rodada de uma viagem de política externa no Oriente Médio. Durante sua visita, Trump proferiu um discurso na cúpula de líderes árabes e muçulmanos pedindo às nações árabes que façam mais para combater grupos terroristas como o ISIS.

Carter anunciou em março do ano passado que ele concluiu com sucesso um tratamento para câncer cerebral.

O ex-presidente americano Jimmy Carter e a ex-primeira-dama Rosalynn Carter chegam para a posse presidencial de Donald Trump no Capitólio dos EUA, 20 de janeiro de 2017 (Saul Loeb ─ Pool/Getty Images)
O ex-presidente americano Jimmy Carter e a ex-primeira-dama Rosalynn Carter chegam para a posse presidencial de Donald Trump no Capitólio dos EUA, 20 de janeiro de 2017 (Saul Loeb ─ Pool/Getty Images)

Falando para o New York Times em sua fazenda, Carter criticou a mídia pela forma como reportam o presidente Trump. “Eu acho que a mídia tem sido mais dura com Trump do que qualquer outro presidente que eu conheci, certamente”, disse Carter. “Eu acho que eles se sentem livres para afirmar sem hesitação que Trump é mentalmente perturbado e tudo mais.”

Uma nova pesquisa do POLITICO/Morning Consult, publicada em 18 de outubro, revelou que 46% dos eleitores americanos acreditam que a mídia fabrica histórias sobre Trump e sua gestão. A pesquisa do Pew Research Center divulgada no início deste mês mostrou que Trump recebeu a cobertura presidencial mais negativa em 25 anos.

Até agora, as alegações não comprovadas de que a campanha de Trump se envolveu com o governo russo durante as eleições, Carter foi taxativo, dizendo: “Eu não acho que há quaisquer evidências de que o que os russos fizeram alteraram votos suficientes ou quaisquer votos”.

Declarações semelhantes foram feitas pela comunidade de inteligência dos Estados Unidos. O ex-diretor de Inteligência Nacional James Clapper, que supervisionou uma investigação ordenada por Obama na questão do suposto conluio russo, disse em março sob juramento perante um subcomitê judiciário do Senado que não havia evidência de conluio. Clapper disse que evidências foram encontradas apenas sobre as tentativas russas de interferir nas eleições.

Membros do time Detroit Lions se ajoelham durante o hino nacional antes do início do jogo contra os Falcons de Atlanta, no Campo Ford, 24 de setembro de 2017, em Detroit (Rey Del Rio/Getty Images)
Membros do time Detroit Lions se ajoelham durante o hino nacional antes do início do jogo contra os Falcons de Atlanta, no Campo Ford, 24 de setembro de 2017, em Detroit (Rey Del Rio/Getty Images)

Sobre a questão dos jogadores da NFL que se ajoelharam em protesto contra Trump em vez de se posicionar para o hino nacional, Carter concordou com o presidente em que os jogadores devem respeitar o hino.

“Eu acho que eles devem encontrar uma maneira diferente de se opor, para demonstrar. Eu teria preferido ver todos os jogadores de pé durante o hino americano”, disse ele.

Leia também:
Câmara dos EUA aprova sanções contra Hezbollah para deter Irã
EUA enviam para Coreia do Norte seu terceiro porta-aviões, o temível USS Nimitz
Documentos finais podem revelar novidades sobre assassinato de JFK
EUA se preparam para combater desinformação russo-chinesa

 
Matérias Relacionadas