Ex-oficial da CIA alega que irregularidades eleitorais podem fazer parte de um grande plano

Vários locais de contagem de votos pararam de tabular ou expulsaram os observadores eleitorais republicanos na noite da eleição ou na manhã do dia seguinte

Por Allen Zhong

Gary Berntsen, ex-oficial de carreira da Agência Central de Inteligência (CIA) que trabalhou em várias missões de contraterrorismo, teme que as irregularidades ocorridas durante as eleições de novembro possam fazer parte de um plano maior.

“Se você quer roubar uma eleição nos Estados Unidos, o que você faz? Você vai para os estados indecisos, para seus democratas, você vai para as áreas urbanas onde tem o maior número de votos”, disse Berntsen ao Epoch Times. “Eles precisam produzir uma quantidade massiva e significativa de votos, portanto, têm que ir para as grandes cidades democratas”.

Berntsen foi ainda mais longe, alegando que a contagem de votos foi interrompida em alguns centros de votação em grandes cidades, provavelmente porque as pessoas por trás do esquema descobriram que precisavam produzir mais cédulas para preencher um vazio maior do que o esperado.

No entanto, Berntsen não forneceu evidências para apoiar sua afirmação. Tampouco nomeou pessoa ou parte específica para as irregularidades.

O Epoch Times não pôde verificar sua alegação de forma independente.

Berntsen foi um ex-candidato republicano a senador pelos EUA em Nova Iorque em 2010.

O procurador-geral William Barr disse durante uma entrevista à The Associated Press que o Departamento de Justiça (DOJ) não descobriu nenhuma evidência de fraude eleitoral em massa que pudesse mudar o resultado das eleições de 2020 por enquanto. Um porta-voz do Departamento de Justiça disse em um comunicado de acompanhamento que a investigação do departamento ainda não foi concluída.

O FBI não anunciou nenhuma investigação de fraude eleitoral importante após as eleições de novembro.

Foi relatado que vários locais de contagem de votos pararam de tabular ou expulsaram os observadores eleitorais republicanos na noite da eleição ou na manhã do dia seguinte.

Várias atividades incomuns de transporte de votos também foram relatadas na Pensilvânia e em Michigan.

Durante uma audiência perante o Comitê de Supervisão do Senado de Michigan, o candidato republicano à eleição, Dr. Michael Dubio, testemunhou sob juramento que entre 3h da manhã e 03:34 testemunhou um caminhão entregando cédulas para o TCF Center, um centro de conferências no centro de Detroit onde os votos do condado de Wayne estavam sendo contados.

Dubio alegou que durante este evento “milhares de” cédulas foram transferidas para o Centro TCF.

O candidato republicano não especificou em que dia viu o caminhão durante seus comentários públicos.

Um caminhoneiro contratado pelo USPS também alegou na terça-feira que transportou entre 144.000 e 288.000 cédulas preenchidas de Nova Iorque para a Pensilvânia em 21 de outubro e o trailer desapareceu. Nenhum aviso foi dado sobre seu trailer.

“No dia seguinte, algo mais estranho aconteceu. Quando cheguei ao USPS de Lancaster com meu trator, fui ligá-lo ao meu trailer e o trailer havia sumido”, disse Jesse Morgan em um comunicado à imprensa.

O então candidato presidencial republicano Donald Trump (à esquerda) e o general aposentado Michael Flynn no Aeroporto Regional de Grand Junction em 18 de outubro de 2016 (George Frey / Getty Images)
O então candidato presidencial republicano Donald Trump (à esquerda) e o general aposentado Michael Flynn no Aeroporto Regional de Grand Junction em 18 de outubro de 2016 (George Frey / Getty Images)

O general Michael Flynn, ex-conselheiro de segurança nacional do presidente Donald Trump, compartilhou as mesmas preocupações com Berntsen.

“Acho que nas últimas eleições de 2016, eles não conseguiram o candidato do qual precisavam ou o tipo de ideologia na qual os Estados Unidos estavam avançando. Eles não iriam permitir que isso acontecesse em 2020. E agora o que temos é esse roubo com voto de mortos pelo correio com este software, o software Smartmatic e os sistemas Dominion”, disse ele durante uma entrevista à WVW-TV.

Flynn não nomeou nenhuma pessoa ou parte específica por delito e não forneceu evidências materiais para apoiar sua alegação.

O Epoch Times não pôde verificar sua alegação de forma independente.

O Sistema de Votação Dominion negou veementemente qualquer irregularidade.

A Smartmatic disse em um comunicado que sua tecnologia foi usada apenas no condado de Los Angeles, Califórnia, nas eleições de 2020.

“O sistema que fornecemos ao Condado de Los Angeles não conta, tabula ou armazena votos”, disse a empresa em um comunicado.

O Comitê Nacional Democrático (DNC) e a campanha de Biden não responderam imediatamente aos pedidos de comentários do Epoch Times.

Apoie nosso jornalismo independente doando um “café” para a equipe.

Veja também:

 
Matérias Relacionadas