Ex-funcionário da Tesla admite roubar segredos comerciais para concorrente chinês

Por Eva Fu

Um ex-engenheiro da Tesla admitiu roubar os arquivos de propriedade da empresa, conforme documentos judiciais apresentados recentemente.

Durante seu trabalho na sede da Tesla, em Palo Alto, Califórnia, Cao Guangzhi, um ex-engenheiro do programa Autopilot da Tesla, pegou os arquivos da empresa e os armazenou em sua conta pessoal do iCloud. Ele também compactou os arquivos relacionados ao Autopilot em arquivos zip para facilitar o transporte, de acordo com documentos judiciais.

Cao se demitiu abruptamente, em 3 de janeiro de 2019, para se juntar à concorrente da Tesla XMotors, uma subsidiária integral da montadora chinesa Xiaopeng Motors, também conhecida como XPeng Motors, que é apoiada pela gigante de tecnologia Alibaba. Cao é responsável pelo avanço de suas tecnologias de condução autônoma.

Dois meses depois que Cao deixou seu emprego, a Tesla entrou com uma ação em um tribunal federal no norte da Califórnia, alegando que Cao levou consigo mais de 300.000 “cópias completas” de arquivos e diretórios, incluindo o firmware, o Autopilot e o código fonte da rede neutra, de acordo com documentos judiciais. Tesla disse que a revelação do código-fonte poderia arriscar “dar aos competidores uma vantagem injusta e imprevista” na direção autônoma.

Tesla também alegou que depois que Cao armazenou os arquivos, ele deletou mais de 120.000 arquivos em dezembro, em uma aparente tentativa de cobrir seus rastros.

A disputa

Em um processo judicial em 8 de julho, Cao admitiu que não informou a Tesla enquanto fazia as cópias, mas afirmou que a empresa nunca perguntou sobre os materiais ou outras informações confidenciais.

“Apesar das vagas insinuações na queixa de Tesla (e em sua recitação dos ‘fatos’ acima) que seus segredos comerciais estão ‘em risco’ e que Tesla ‘deve aprender o que Cao fez com Propriedade Intelectual da Tesla’… a verdade deste caso é que Cao não fez exatamente nada com o PI da Tesla”, disse o advogado de defesa de Cao, de acordo com uma declaração conjunta de 3 de julho apresentada no tribunal.

Cao também negou que as informações que ele baixou fossem segredos comerciais ou que sua conduta tenha causado algum dano ou que trouxesse uma possível perda para a Tesla.

Em sua defesa, a equipe jurídica de Cao alegou que ele “diligentemente e sinceramente tentou remover toda e qualquer propriedade intelectual e código-fonte da Tesla de seus próprios dispositivos pessoais” antes de deixar seu trabalho e que “qualquer código-fonte ou outras informações confidenciais permaneceram nos dispositivos de Cao posteriores à sua partida … foram apenas resultado de inadvertência”.

Mas a Tesla rejeitou as alegações feitas pela equipe jurídica de Cao e disse que ele intencionalmente ocultou seus atos.

“Sr. Cao sabia o valor e a confidencialidade do código-fonte da Tesla, mas copiou-o para sua conta de armazenamento em nuvem pessoal e acessou-o em vários dispositivos pessoais, inclusive depois de ingressar na XMotors – todos violando seu contrato de confidencialidade com a Tesla,” de acordo com uma declaração separada de 3 de julho apresentada no tribunal.

Tesla disse no processo que Cao era um dos 40 funcionários que tinham acesso ao código-fonte, e que sua tecnologia autônoma era uma “jóia da coroa do portfólio de propriedade intelectual da Tesla”.

O processo judicial mostrou que Cao fez um acordo verbal para trabalhar na XMotors por volta de 26 de novembro de 2018, dias antes de viajar para a China. Ele garantiu uma oferta por escrito logo após retornar aos Estados Unidos em dezembro.

Cao desconectou sua conta pessoal do iCloud de seu computador na Tesla por volta de 26 de dezembro de 2018, mas continuou acessando as redes de computadores Tesla até 1º de janeiro de 2019, dois dias antes de sua saída, de acordo com o processo. As redes só são acessíveis aos funcionários atuais da Tesla com credenciais apropriadas.

Em um processo judicial, Cao também admitiu limpar o histórico do navegador em seu computador antes de sua partida.

Uma auditoria dos dispositivos eletrônicos de Cao está em andamento para determinar se alguma informação sensível pode ter vazado para os concorrentes.

“Clone da Tesla”

O caso da Tesla veio oito meses depois que promotores federais acusaram um engenheiro do Xpeng de roubar segredos comerciais da Apple. O ex-funcionário da Apple, Zhang Xiaolang, teria supostamente tentado levar consigo um documento confidencial de 25 páginas contendo um projeto detalhado de uma placa de circuito para um carro autônomo. Autoridades prenderam Zhang enquanto ele estava a caminho de embarcar em um voo para a China, que ele havia reservado “no último minuto”, segundo um comunicado de imprensa do Departamento de Justiça dos Estados Unidos. Zhang trabalhou no projeto de carro autônomo da Apple por três anos antes de aceitar uma posição na XMotors.

A Tesla enviou à Apple uma intimação para receber ajuda em seu processo.

Embora nem a Apple nem a Tesla tenham ido atrás da XMotors, a Tesla disse que a XMotors foi uma das “startups inspiradas em Tesla”, fazendo referência ao relatório de 2017 do site de notícias norte-americano Electrek, que comparou o primeiro veículo da montadora chinesa, o G3. O relatório disse que o modelo G3 era um “Tesla Clone”, com uma variedade de semelhanças visuais com o carro Tesla, que vão desde o design de interiores, interface do usuário, faróis e tela sensível ao toque.

A ampla rede de “super cobrança” que a XMotors planeja oferecer também se assemelha à rede global de cobrança rápida da Tesla, chamada “rede Supercharger”, alegou a empresa em seu processo.

Pelo menos um funcionário da Tesla aceitou uma oferta de emprego na XMotors depois que Cao saiu. As mensagens de texto do funcionário indicam que Cao esteve em contato com ele, tentando convencê-lo a se juntar à XMotors como gerente, de acordo com as alegações da Tesla.

Tesla disse que a XMotors recrutou pelo menos quatro outros ex-funcionários da equipe de piloto automático.

Em uma declaração de 22 de março sobre o processo da Tesla, a XMotors disse que “respeita totalmente os direitos de propriedade intelectual e informações confidenciais de terceiros” e lançou uma investigação interna sobre o assunto. A declaração foi excluída do site da empresa chinesa.

“A XMotors não causou nem tentou causar ao Sr. Cao a apropriação indébita de segredos comerciais, informações confidenciais e proprietárias da Tesla, independentemente de tais alegações da Tesla serem verdadeiras ou não”, diz a declaração.

Siga Eva no Twitter: @EvaSailEast

 
Matérias Relacionadas