Ex-funcionária denuncia que Amazon é uma ‘fábrica de exploração sectária administrada por robôs’

Trabalhadores são forçados a participar de exercícios calistênicos por 10 minutos por dia

Por Katabella Roberts

Uma ex-funcionária da Amazon descreveu as lojas da empresa como uma fábrica “sectária”, administrada por robôs, em uma irônica entrevista ao NY Post.

Maureen Donnelly, 46, começou a trabalhar para a gigante do varejo em seu centro de operações em Staten Island em setembro de 2018, mas diz que foi forçada a sair após apenas um mês devido a terríveis condições de trabalho.

A ex-técnica de emergência médica e assistente de redação declararou que “ela não tinha medo do trabalho duro” e que no passado ocupara vários empregos fisicamente exigentes.

No entanto, Donnelly mencionou que, quando iniciou seu trabalho na Amazon, ela recebeu ordens para fazer seu trabalho e rapidamente percebeu que não havia senso de “espírito de equipe” entre os funcionários.

“Logo aprendi que a única diferença entre um armazém da Amazon e uma fábrica operacional do terceiro mundo eram os robôs. Na Amazon, ela era cercada por robôs que a tratavam melhor do que os humanos”, afirmou.

Donnelly começou a trabalhar para a empresa multinacional de tecnologia depois de passar por um teste na Internet, que incluía organizar caixas na traseira de um caminhão e concluir a orientação no Hilton Garden Inn, juntamente com 50 ou 60 outros trabalhadores de Staten Island, Brooklyn e Nova Jersey.

Ela mencionou que estava inicialmente animada para começar a trabalhar depois de conhecer seus benefícios, que incluíam ações, descontos para funcionários, benefícios completos, semanas de trabalho de quatro dias e poucas horas extras obrigatórias, além de um salário decente de US$ 16 e trocas de horas.

A ex-funcionária recebeu a função de “estivadora” e foi responsável por abastecer as prateleiras e por chamar os carregadores ao lado dos “robôs quadrados alaranjados grossos” que carregavam prateleiras amarelas de dois metros e meio de altura (2,5 metros) entre os trabalhadores ao longo do piso do armazém.

No entanto, o tamanho do armazém de quatro andares em Staten Island, supostamente grande o suficiente para acomodar 18 campos de futebol, logo causou problemas para ela e seus colegas de trabalho.

Donnelly diz que “tinha tempo de colocar metade de um sanduíche de manteiga de amendoim na minha boca, tomar um gole de refrigerante” e “fumar um cigarro” em sua hora de almoço de 30 minutos, pois levava 15 minutos para caminhar até a sala de jantar”.

Enquanto isso, os gerentes alegadamente incentivavam os funcionários a beber água regularmente no armazém que Donnelly acredita ter chegado a  “150 graus”, e  ela tinha medo de desmaiar e ficar fora do ar.

No entanto, Donnelly disse que uma vez que um gerente cortou seu intervalo de cinco minutos quando ela saiu mais cedo para ir ao banheiro, ela começou a evitar ir ao banheiro até o horário designado.

Ela disse que os funcionários perguntaram aos chefes se eles poderiam conseguir ventiladores para o armazém, mas seus pedidos foram rejeitados porque os robôs que trabalhavam com eles “não funcionavam bem com o frio”.

Donnelly explicou na publicação que, apesar de “centenas de robôs ziguezaguearem em cada andar”, era motivo de demissão se trabalhadores humanos passassem para a área dos robôs.

Uma política de não usar o telefone no trabalho também causava problemas para pais e mães solteiros com filhos pequenos, disse Donnelly, explicando que uma mãe solteira com 30 anos e uma filha de cinco anos não tinha um número de emergência para dar aos seus pais que cuidavam de sua filha ou escola.

Finalmente, os trabalhadores foram forçados a participar de exercícios calistênicos por 10 minutos por dia, o que Donnelly disse que a deixava com a sensação de ter se alistado no exército, e não na Amazon.

Depois de não alcançar suas “projeções” de armazenar 12 itens por minuto e ser forçada a trabalhar árduos turnos de 12 horas em temperaturas de ebulição com poucas pausas, Donnelly renunciou ao cargo.

“O trabalho esmagou meu espírito e paralisou meu corpo. Passava quase 12 horas por dia sem ninguém com quem conversar por mais de cinco minutos. Eu não estava dormindo bem. Eu estava de mau humor com a família”, disse ela no post.

“Meus joelhos estavam me matando. Minhas costas e ombros doíam constantemente. Meu quadril esquerdo tremia. Depois de cada turno, eu colocava gelo nos tornozelos inchados, que eram o triplo do tamanho normal.”

Suas reivindicações aconteceram depois que mais de 100 trabalhadores e colaboradores se reuniram em frente ao mesmo armazém de Staten Island em dezembro para protestar contra as condições de trabalho, que, segundo eles, pioraram cada vez mais no período antes do Natal e Hanukkah.

Em um vídeo relatado pela Fox5, os manifestantes podiam ser vistos exigindo que um gerente de armazém aceitasse uma petição, assinada por 600 pessoas, solicitando intervalos de trabalho mais longos e mais ônibus MTA dedicados às instalações.

O protesto também revelou os novos dados que mostram que a taxa de lesões dos trabalhadores nas instalações é três vezes maior que a média nacional de trabalho em armazéns semelhantes.

O Epoch Times entrou em contato com a Amazon para obter comentários.

 
Matérias Relacionadas