Ex-embaixadora da Suécia é absolvida por negociação com Pequim sobre prisão de cidadão sueco na China

Lindstedt negociou em um contexto diplomático com pessoas que defendiam os interesses chineses

Por Agência EFE

Um tribunal de Estocolmo absolveu na sexta-feira a ex-embaixadora sueca em Pequim, Anna Lindstedt, acusada de negociar com a China pelas costas da Suécia no caso do livreiro sueco-chinês Gui Minhai, preso por anos.

A sentença unânime destacou que a acusação não provou que Lindstedt negociou em um contexto diplomático com pessoas que defendiam os interesses chineses, mas que, se o tivesse, teria autoridade por causa de seu status de embaixadora.

O caso despertou grande interesse na Suécia, pois foi a primeira vez em dois séculos que um embaixador havia enfrentado processos legais e porque estava relacionado a Gui, cuja situação gerou atritos entre Pequim e a União Europeia (UE).

A Promotora abriu uma investigação em fevereiro de 2019, semanas após Lindstedt ter sido chamada para consultas após organizar uma reunião em Estocolmo entre Angela Gui, a filha do livreiro, e empresários chineses nos quais ela teria sido convidada a não falar sobre o caso para facilitar a libertação de seu pai.

A versão oficial é que ela agiu por conta própria e que o Ministério das Relações Exteriores não estava ciente, apesar do fato de a reunião ter ocorrido em um hotel central e de a embaixadora estar em seu país há dias.

No julgamento, realizado parcialmente a portas fechadas, Angela Gui afirmou ter sido pressionada a parar de falar sobre seu pai na mídia, enquanto Lindstedt sustentava que tinha sido a jovem mulher que apontou que ela poderia influenciar a cobertura da mídia sobre o caso.

O crime de ação arbitrária nas negociações com uma potência estrangeira, não utilizada nos tempos modernos, é punível com pena de prisão até dois anos, embora o promotor tenha pedido uma sentença condicional, enquanto a defesa exigiu a absolvição de Lindstedt, que chamou o processo de “Kafkaesque. ”

Misterioso desaparecimento de livreiros

Cinco editores e livreiros de Hong Kong que criticaram Pequim desapareceram misteriosamente no outono de 2015 para reaparecer sob custódia chinesa meses depois, embora todos, exceto Gui Minhai, tenham sido libertados pouco depois, após pressão internacional.

Gui então afirmou em uma mensagem na televisão que havia retornado à China para assumir a responsabilidade pela morte de uma jovem que ele supostamente atropelara em 2003.

O livreiro foi libertado em outubro de 2017 após cumprir uma sentença de dois anos, mas meses depois ele foi detido novamente pelas autoridades chinesas em um trem, a caminho de Pequim, juntamente com diplomatas suecos, para um check-up médico em sua embaixada no país e desde então ele tem permanecido preso.

Pequim e Estocolmo mantiveram relações tensas nos últimos anos, como quando o Ministro da Cultura sueco entregou um prêmio em novembro na ausência do Pen Club a Gui, apesar das ameaças de retaliação do embaixador chinês, que dias depois garantiu que as trocas comerciais entre os dois países se ressentiriam.

Apoie nosso jornalismo independente doando um “café” para a equipe.

Veja também:

EUA exigem transparência do regime chinês diante da COVID-19

 
Matérias Relacionadas