Ex-chefe de polícia reivindica responsabilidade no ataque de drones na Venezuela

Lucchese descreveu o incidente como parte de um esforço armado contra Maduro

BOGOTÁ / CARACAS – Um ex-chefe da polícia municipal e ativista antigoverno da Venezuela disse que ajudou a organizar uma operação para lançar drones armados durante uma manifestação militar em 4 de agosto, evento este que o presidente Nicolas Maduro considerou uma tentativa de assassinato.

Em uma entrevista, Salvatore Lucchese, um ativista venezuelano que foi anteriormente preso por seu papel em protestos anteriores, disse à Reuters que orquestrou o ataque com uma associação independente de militantes anti-Maduro conhecidos em geral na Venezuela como a “resistência”.

A “resistência” mencionada por Lucchese é uma coleção difusa de ativistas de rua, organizadores estudantis e ex-oficiais militares. Tem pouca estrutura formal, mas é conhecida no país nos últimos anos principalmente pela organização de protestos em que os manifestantes entraram em confronto com a polícia e os soldados.

A Reuters não pôde verificar de forma independente as alegações de Lucchese sobre o ataque, no qual drones sobrevoaram o comício no centro de Caracas. Explosivos a bordo dos drones foram detonados ferindo sete oficiais militares e assustando participantes que correram para se proteger.

Lucchese descreveu o incidente como parte de um esforço armado contra Maduro. Ele se recusou a descrever seu papel preciso na operação, na resistência mais ampla ou identificar os outros envolvidos, citando a necessidade de proteger sua identidade.

“Nós tínhamos um objetivo e no momento não conseguimos materializar 100%”, disse Lucchese em uma entrevista em Bogotá, onde ele está indo viajar devido a atividades com outras figuras da oposição. “A luta armada continuará.”

O Ministério da Informação da Venezuela não forneceu informações sobre o caso.

No início deste ano, Lucchese se separou do Popular Will, um proeminente partido da oposição, dizendo que discordava de seu contínuo diálogo com o governo de Maduro. O governo é amplamente criticado por táticas autoritárias, abusos dos direitos humanos e políticas econômicas que levaram à recessão e desnutrição em toda a nação andina anteriormente próspera.

Juan Guaido, um dos líderes nacionais da Vontade Popular, disse que Lucchese foi expulso por “diferenças com o partido e a liderança nacional”, mas não deu mais detalhes.

Guaido também disse à Reuters que o Popular Will rejeita o uso da violência, uma posição repetida por outros partidos da oposição na sequência do ataque.

Maduro, que foi escolhido pelo esquerdista presidente Hugo Chávez como candidato do Partido Socialista para sucedê-lo em 2013, costuma dizer que os problemas da Venezuela são resultado de uma “guerra econômica” por parte de inimigos no exterior, incluindo os Estados Unidos. Ele culpou o ataque de drone a figuras da oposição de direita e facilitadores estrangeiros, especificamente citando o governo da vizinha Colômbia.

O governo da Colômbia negou qualquer envolvimento.

Autoridades venezuelanas no fim de semana prenderam seis pessoas, incluindo um suspeito que havia sido detido por protestos em 2014 e outro procurado por envolvimento em um ataque à base militar em 2017. O governo disse que os drones carregavam explosivos plásticos detonados remotamente.

As explosões ocorridas em 4 de agosto, que abalaram as filmagens de televisão da manifestação e sacudiram edifícios próximos, diferem das sugestões anteriores do governo de Maduro sobre ataques pendentes contra a manifestação. Maduro e seus principais assessores falaram sobre tentativa frustrada de assassinato e planos de golpe no passado, mas forneceram poucas evidências sobre eles.

Até o momento, não está claro o quão bem armados, organizados ou equipados os oponentes podem estar.

Um grupo pouco conhecido chamado Movimento Nacional de Soldados de Camisetas também assumiu a responsabilidade pelo ataque dos drones no fim de semana. Ele também se intitula como sendo parte da “resistência”.

Lucchese se recusou a dizer se ele está associado aos soldados em camisetas. Um membro do grupo, que se recusou a ser identificado pelo nome, realizou contato com a Reuters por meio de uma plataforma de mensagens, mas recusou-se a comentar sobre Lucchese.

O ativista de 52 anos chamou a atenção pela primeira vez após ser preso por dez meses, a partir de 2014, por se recusar a romper os protestos contra Maduro. Sendo chefe de polícia do município de San Diego, no estado de Carabobo, ele desobedeceu as ordens do Ministério do Interior para libertar os manifestantes, disse Lucchese.

Seu mandado e sentença de prisão são apoiados por uma decisão sobre sua condenação publicada pela Suprema Corte da Venezuela na época.

O governo liberou Lucchese no final de sua sentença em fevereiro de 2015, de acordo com Lucchese e relatos da mídia local. Reuters não conseguiu encontrar a documentação do governo sobre sua libertação.

Lucchese disse à Reuters que deixou a Venezuela e foi para um local não revelado em agosto passado, depois de saber que o governo pediu sua prisão mais uma vez, desta vez por traição e incitação à rebelião militar. O mandado foi amplamente divulgado pela mídia venezuelana nos últimos meses, mas a Reuters não conseguiu revisar uma cópia dele.

Lucchese disse que agora reside no exterior e continua a trabalhar com outros ativistas anti-Maduro, ressaltando que a resistência armada é a única maneira de derrubar Maduro. “Nenhum ditador deixa o poder em paz”, disse ele à Reuters.

Por Carlos Varg

 

 
Matérias Relacionadas