Ex-CEO do Parler processa empresa em milhões, alegando roubo de participação acionária

Por Jack Phillips

O ex-CEO do Parler, John Matze, abriu um processo na terça-feira contra a empresa de rede social que ajudou a co- fundar, alegando roubo, assédio e intimidação.

A ação, que foi movida em Nevada, onde o Parler está sediado, argumenta que a participação de 40% de Matze na Parler foi retirada dele.

A demanda de Matze  também disse que ele teve um conflito com um dos investidores da Parler, Rebekah Mercer, sobre moderação de conteúdo, e disse que queria moderação em comentários sobre violência, a respeito de Qanon e suposto terrorismo nacional. Ele argumentou que Mercer discordou dele e “sequestrou” a plataforma “para promover interesses políticos pessoais” e do atual CEO interino Mark Meckler.

O Parler foi retirado do servidor da Amazon Web Services em janeiro após o incidente no Capitólio de 6 de janeiro, tirando do ar a plataforma preferida por conservadores e partidários do ex-presidente Donald Trump por mais de um mês. Matze, por sua vez, disse em fevereiro que foi demitido.

Depois que o site foi removido pela Amazon, assim como a App Store da Apple e a Play Store do Google, Mercer “procurou cooptá-lo como um símbolo ou como a ‘ponta de lança’ de sua marca de conservadorismo, e conspirou para expulsar Matze do cargo de CEO, gerente e membro, e roubar sua participação acionária de quarenta por cento (40%)”, de acordo com o processo de Matze.

Quando o site foi retirado, Matze disse que queria implementar moderação para “preservar o direito à liberdade de expressão de todos os pontos de vista, mas excluiria conteúdo que incite à violência e atos de terrorismo nacional”.

O processo acrescentou que ele tem direito a “danos punitivos que triplicam (no mínimo) os milhões devidos a ele em danos compensatórios”, acrescentando que funcionários do Parler supostamente ameaçaram Matze com “uma enxurrada de ações judiciais e taxas legais se ele ousasse opor-se à Mercer”.

O processo também nomeia Jeffrey Wernick, diretor de operações de Parler, Meckler e Dan Bongino como réus. Nenhum respondeu publicamente às declarações do processo.

O Parler foi fundado em 2018 como uma alternativa ao Twitter que protegeria a liberdade de expressão. Tornou-se popular entre os conservadores, ou seja, após a eleição presidencial de 3 de novembro.

O Parler abriu um novo processo contra a Amazon Web Services (AWS) no início deste mês, argumentando que a gigante da tecnologia com sede em Seattle tentou destruir seus negócios depois de 6 de janeiro.

“Devido a declarações difamatórias maliciosas da AWS, a reputação pública do Parler foi gravemente danificada e o Parler teve muitos provedores de serviços em potencial se recusando a trabalhar com ele, dificultando e atrasando sua capacidade de voltar a ficar online.”, escreveram os advogados da empresa na época.

O Epoch Times entrou em contato com Parler para os comentários.

Entre para nosso grupo do Telegram.

Veja também:

 

 
Matérias Relacionadas