Evento que simulou pandemia em 2019 previu censura na internet

Participantes foram apresentados a um surto simulado de um "novo coronavírus zoonótico" transmitido de morcegos para porcos e pessoas, causando uma pandemia severa

Por Ken Silva

Poucas semanas antes do primeiro caso de COVID-19 ter sido confirmado, um grupo de elite de funcionários do governo, empresários e cientistas se reuniram em Nova Iorque para planejar várias estratégias para guiar a sociedade durante uma pandemia mortal.

O cenário pode parecer algum tipo de teoria da conspiração, mas aconteceu há dois anos.

Em 18 de outubro de 2019, o Fórum Econômico Mundial, a Fundação Bill e Melinda Gates e o Centro Johns Hopkins para Segurança da Saúde sediaram o “Evento 201” – um “exercício de alto nível contra a pandemia”, durante o qual os líderes mundiais simularam várias respostas políticas a um surto global de doenças.

Quando o primeiro diagnóstico do COVID-19 foi confirmado apenas algumas semanas depois, abundaram as especulações sobre as semelhanças – tanto que os organizadores emitiram uma resposta.

Embora nenhuma evidência sólida tenha sido produzida para apoiar a especulação, o Evento 201 pressagiou quantas das mesmas instituições globais responderiam a alguns dos problemas que surgiram sobre o COVID-19 meses depois, incluindo como eles pressionariam a censura de informações.

Os participantes do evento incluíram a então investigadora principal da Universidade de Columbia, Avril Haines, que agora é a diretora de Inteligência Nacional dos Estados Unidos; Chris Elias, presidente do programa de desenvolvimento global da Fundação Bill e Melinda Gates; George Gao, diretor geral do Centro Chinês para Controle e Prevenção de Doenças; e Stephen Redd, então vice-diretor de serviços de saúde pública e ciência de implementação nos Centros de Controle e Prevenção de Doenças (CDC) dos Estados Unidos.

Os participantes foram apresentados a um surto simulado de um “novo coronavírus zoonótico” transmitido de morcegos para porcos e pessoas, causando uma pandemia severa.

“A doença começa em fazendas de suínos no Brasil, de forma silenciosa e lenta no início, mas depois começa a se espalhar mais rapidamente em ambientes de saúde”, de acordo com o cenário do Evento 201.

“Primeiro exportado por via aérea para Portugal, Estados Unidos e China e logo a muitos outros países. Embora a princípio alguns países consigam controlá-lo, ele continua se espalhando e se reintroduzindo, e eventualmente nenhum país consegue manter o controle”, disse.

Os participantes foram apresentados a decisões políticas para quatro grandes categorias: resposta médica, viagens e comércio, finanças e comunicações.

Em algumas questões, o Evento 201 diferia da pandemia da vida real, talvez mais proeminentemente no que diz respeito a viagens e bloqueios, já que o Evento 201 não recomendava bloqueios e era explicitamente oposto às restrições de viagens.

“Países, organizações internacionais e empresas de transporte globais devem trabalhar juntos para sustentar viagens e comércio durante pandemias graves”, disse o Evento 201 em suas recomendações. “Viagens e comércio são essenciais para a economia global, bem como para as economias nacionais e até mesmo locais, e devem ser sustentados mesmo em face de uma pandemia”.

Mas nas comunicações, as recomendações do Evento 201 são semelhantes ao que aconteceu com a COVID-19 – como aconteceu com os próprios eventos.

Durante a simulação, por exemplo, Gao disse que a “desinformação” se espalhou pela China e pelo resto do mundo.

“Há desinformação, e as pessoas acreditam que isso é uma coisa feita pelo homem, que uma empresa farmacêutica criou o vírus”, disse ele, acrescentando que houve “mortes devido a essa desinformação”.

Redd também disse que havia desinformação relacionada aos tratamentos.

“Estamos vendo casos de pessoas experimentando tratamentos que são presumivelmente eficazes, mas na verdade são prejudiciais”, disse ele durante a simulação.

Durante a pandemia simulada, alguns países recorreram ao fechamento da Internet para suprimir o pânico. Outros trabalharam com empresas de mídia social para censurar o que esses estados consideravam desinformação.

Os participantes se opuseram ao fechamento da internet, mas concordaram que os governos deveriam trabalhar com as empresas de mídia social para controlar a narrativa.

Os organizadores do Evento 201 fizeram recomendações semelhantes após a simulação.

“Os governos precisarão fazer parceria com empresas de mídia social e tradicionais para pesquisar e desenvolver abordagens ágeis para conter a desinformação”, disseram os organizadores. “Por sua vez, as empresas de mídia devem se comprometer a garantir que as mensagens autorizadas tenham prioridade e que as mensagens falsas sejam suprimidas, inclusive por meio do uso de tecnologia”.

Redd também disse que o governo deve monitorar as mídias sociais para combater a desinformação.

“Com as plataformas de mídia social, há uma oportunidade de entender quem é suscetível à desinformação e de que maneiras. Portanto, acho que há uma oportunidade de coletar dados desse mecanismo de comunicação”, disse Redd, que já se aposentou. “Com essa capacidade, podemos identificar informações falsas mais rapidamente.”

As políticas do Evento 201 foram manifestadas após a COVID-19, com governos e grandes plataformas de tecnologia trabalhando juntos para monitorar e censurar conteúdo em vários tópicos relacionados à pandemia.

Durante e após as conversas, foi revelado que a pandemia simulada resultou em 450.000 casos e 26.000 mortes em um mês, 10 milhões de casos e 660.000 mortes em três meses e 65 milhões de mortes nos primeiros 18 meses. Os participantes foram instados a preparar seus vários setores para uma crise de saúde pública semelhante.

Descobriu-se que o primeiro caso confirmado de COVID-19 ocorreu semanas após a pandemia simulada em 18 de outubro de 2019.

Quando as teorias da conspiração começaram a se espalhar sobre a relação entre os dois eventos, os organizadores emitiram uma resposta.

“Recentemente, o [Johns Hopkins] Center for Health Security recebeu perguntas sobre se aquele exercício pandêmico previu o surto atual do novo coronavírus na China. Para ser claro, o Center for Health Security e seus parceiros não fizeram uma previsão durante nosso exercício de mesa”, declarou Johns Hopkins em 24 de janeiro de 2020.

“Para o cenário, modelamos uma pandemia de coronavírus fictícia, mas declaramos explicitamente que não foi uma previsão”, acrescentaram os organizadores. “Não estamos prevendo agora que o surto de nCoV-2019 matará 65 milhões de pessoas. Embora nosso exercício de mesa incluísse um novo coronavírus simulado, as entradas que usamos para modelar o impacto potencial desse vírus fictício não são semelhantes ao nCoV-2019.” 

Entre para nosso canal do Telegram

Assista também: 

 
Matérias Relacionadas