Europa tenta o truque do chapéu para injetar mais liquidez na economia

Muitas pessoas queixam-se da recuperação medíocre nos Estados Unidos. Adivinhe, ela é ainda pior na Europa e o Banco Central Europeu (BCE) é parcialmente responsável.

É por isso que Erkki Liikanen, governador do Banco da Finlândia, indicou a opção bazuca na terça-feira. Ele disse que o BCE pode impor taxas negativas sobre os depósitos que os bancos têm com o banco central. O objetivo: forçar os bancos a emprestar dinheiro para que a economia possa crescer.

“A questão das taxas de depósitos negativas, em minha opinião, não é mais uma questão controversa”, disse ele ao Wall Street Journal.

O único problema é que este truque não vai funcionar. As taxas de depósito têm sido zero por quase dois anos e os empréstimos na zona do euro não estão ocorrendo. Na verdade, isso tem muito pouco a ver com a taxa dos encargos do BCE por estacionar dinheiro lá, e mais com a forma como o BCE optou por injetar liquidez no sistema bancário.

Empréstimos de longo prazo

Quando a crise na Europa atingiu o seu clímax no final de 2011, o BCE injetou 1 trilhão de euros (US$ 1,38 trilhão) no sistema bancário por meio de empréstimos de três anos a uma taxa baixa.

Isso aliviou o estresse no sistema bancário, pois bancos fracos conseguiram liquidez diretamente junto ao BCE e reembolsaram credores que não lhes emprestariam dinheiro por causa do risco. Assim, o dinheiro mudou do BCE para os credores mais fracos e então para os credores mais fortes. Mas para onde ele irá em seguida?

Uma vez que esses empréstimos representam entradas de balanço num sistema de contabilidade de dupla entrada, eles não podem simplesmente desaparecer, como uma caixa de notas de euro enterrada no quintal. Em vez disso, os empréstimos se deslocam mais para acima na cadeia de empréstimo até que atinjam o mutuário mais forte, o próprio BCE.

A fim de equilibrar suas contas, o BCE tem de fornecer uma instalação de depósito – semelhante ao excesso de entrada de reserva do Federal Reserve (o banco central dos EUA) –, onde os bancos mais fortes que não necessitam de qualquer tipo de financiamento e são avessos ao risco podem estacionar o seu dinheiro.

Por definição, eles têm de fazer isso, não importa o quão baixo seja a taxa, mesmo que seja negativa. Assim, os depósitos junto ao BCE não diminuirão. É incerto se penalizar os bancos que em última análise acabam por ter de dar seu excesso de liquidez ao BCE é favorável para estimular o crescimento do crédito.

De fato, a facilidade de depósito não declinará até que os empréstimos sejam reembolsados. Mas isso não é bom para os empréstimos também porque a liquidez diminuirá. Como o Federal Reserve, o BCE pode injetar dinheiro no sistema, mas não pode forçar os bancos a emprestar.

 
Matérias Relacionadas