Europa deve se preocupar com ameaça da China e não apenas da Rússia, diz secretário de Defesa dos EUA

O secretário disse na conferência que espera que os países europeus sigam o exemplo dos Estados Unidos

Por Anastasia Gubin

Embora a Europa se concentre na ameaça da Rússia, também existe uma ameaça da China, disse o secretário de Defesa dos EUA, Dr. Mark T. Esper, durante a Conferência de Segurança em Munique, Alemanha, realizada no sábado, 15 de fevereiro.

“É a preocupação número um do Pentágono”, disse Esper.

“As preocupações da América sobre a expansão comercial e militar de Pequim também devem ser preocupações [da Europa]”, disse ele, de acordo com o relatório do Departamento de Defesa.

Esper explicou que a China hoje exerce uma forte pressão econômica e política, pública e privada, sobre muitas nações da região do Indo-Pacífico e da Europa, buscando assim “novas relações estratégicas”, incluindo a iniciativa conhecida como “Um Cinturão, Uma Rota ”(OBOR), que está gerando preocupações e críticas sobre um impacto negativo em várias nações e empresas.

“É um exemplo em que os investimentos no exterior são usados ​​para forçar outras nações a tomar decisões de segurança abaixo do ideal”, disse o secretário. “Isso tem amplas implicações para os Estados Unidos e seus aliados em áreas como segurança de dados e interoperabilidade militar”.

Outros relatórios indicam que o projeto “Um Cinturão, Uma Rota” deixou muitos países beneficiários em dívida com Pequim e permitiu ao regime chinês exportar seu modelo autoritário de governo por meio de equipes de vigilância.

Esper também deu o exemplo da empresa chinesa de telecomunicações Huawei, que a União Europeia está permitindo que seus membros decidam sobre suas redes de telecomunicações 5G, apesar do fato de os EUA ter pediso sua proibição total.

Segundo o departamento de defesa, a Huawei “desenvolveu e está exportando redes 5G que ameaçam a segurança das comunicações e comprometem alianças com os Estados Unidos. O departamento de defesa está trabalhando para apoiar os avanços da 5G nos Estados Unidos”.

A União Europeia, por outro lado, considera que o sistema 5G é essencial para impulsionar o crescimento econômico e competir com os Estados Unidos e a China e, em suas recomendações, permite que diferentes países avaliem riscos e decidam individualmente se excluem fornecedores de seus produtos de infraestrutura central.

O secretário disse na conferência que espera que os países europeus sigam o exemplo dos Estados Unidos.

Presidente Donald Trump e Presidente chinês Xi Jinping em Pequim em 9 de novembro de 2017 (Fred Dufour / AFP / Getty Images)
Presidente Donald Trump e Presidente chinês Xi Jinping em Pequim em 9 de novembro de 2017 (Fred Dufour / AFP / Getty Images)

Xi Jinping governa a China “na direção errada”

Esper também alertou a comunidade europeia dizendo que o líder chinês, Xi Jinping, “está liderando sua nação ainda mais rápido na direção errada: mais repressão interna, mais práticas econômicas predatórias, mais mãos duras e uma postura militar mais agressiva”.

“A comunidade internacional deve estar ciente dos desafios colocados pela manipulação da ordem na China, com base em padrões internacionais que beneficiaram o mundo por muitas décadas”, afirmou.

Ele também disse que Pequim disse que, até 2049, pretende dominar a Ásia como potência militar mundial proeminente e citando um exemplo de como o seu planejamento progride, ele disse que os chineses “tomaram e militarizaram as ilhas do Mar da China Meridional, modernizaram rapidamente suas forças armadas, enquanto procuram usar a tecnologia emergente – frequentemente adquirida por meio de roubo – para alterar o poder mundial a seu favor”.

Por outro lado, ele mencionou que “Pequim está usando inteligência artificial e outras tecnologias para monitorar e reprimir muitos de seus próprios habitantes. Além disso, a China está exportando essas tecnologias para outros regimes autoritários”.

“O mundo está muito interconectado para não trabalharmos juntos para resolver alguns dos nossos problemas mais difíceis”, disse ele.

Sobre a resposta do Departamento de Defesa, ele indicou que os Estados Unidos estão investindo em tecnologia de ponta, como sistemas hipersônicos avançados de defesa antimísseis e inteligência artificial, com o objetivo de “proteger a soberania de todos os países amantes da liberdade”.

Esper concluiu seu discurso lembrando que o próximo ano marca o 20º aniversário da admissão da China na Organização Mundial do Comércio (OMC) e disse que essa decisão “alterou fundamentalmente o curso dos assuntos internacionais”.

“Naquela época, pensava-se que a admissão da China na OMC e em outras instituições multilaterais resultaria na China seguindo o caminho da reforma econômica e se tornando uma parte interessada responsável em nível mundial e político, e possivelmente uma eventual democracia.”

No entanto, os céticos “alertaram que a China colheria os benefícios do livre comércio para adquirir tecnologias para construir um forte estado militar e de segurança capaz de expandir o alcance de seu regime autoritário”, explicou Esper.

“Esses dois argumentos são confiáveis, mas todos sabemos qual deles está ganhando agora”, acrescentou.

O secretário disse que os Estados Unidos não buscam conflitos com a China. “De fato, procuramos áreas de cooperação onde nossos interesses convergem”.

No entanto, como mensagem a Pequim, ele enfatizou que “para ser um parceiro responsável na comunidade internacional, a China deve ser transparente e respeitar a soberania, a liberdade e os direitos de todas as nações”.

 
Matérias Relacionadas